TIE-Brasil
18/12/2017
Cadastre-se | Esqueci a senha!
Nome: Senha:

Notícias(Julho/2007)

(clique para ver todas)

Acidente aéreo não muda popularidade de Lula.
A culpa é do Lula!!!
ACIDENTE: EFEITO SOBRE LULA = 0

Por Paulo Henrique Amorim

O diretor do Instituto Vox Populi, Marcos Coimbra, disse em entrevista a Paulo Henrique Amorim nesta segunda-feira, dia 30, que o acidente com o Airbus da TAM teve efeito zero sobre a popularidade do Presidente Lula.

Segundo Coimbra, uma pesquisa mostra que pelo menos nesses primeiros dias após o acidente com o avião da TAM não houve nenhuma mudança importante na avaliação do Governo Lula.

?Ou seja, coisa que muita gente esperava que o acidente trouxesse uma queda na popularidade na avaliação do Governo não aconteceu... A Vox fez apenas pesquisas específicas em cidades de alguns estados e também em outras capitais, fora São Paulo. E em todas elas a tendência é parecida. Pode ter uma oscilação numa para mais ou em outra para menos, o saldo parece ser perto de zero?, disse Coimbra.

Para Marcos Coimbra a explicação é que ?o acidente, por mais triste e lamentável que tenha sido, está nítido para quase todo mundo que a responsabilidade direta do Governo é praticamente nenhuma?.

Veja a íntegra da entrevista de PHA com Marcos Coimbra do Vox Populi.

Nota desta redação: Para quem não se lembra! O Vox Populi foi um dos poucos institutos de pesquisa que em 1989 apontaram a eleição de Collor no segundo turno, antes mesmo da manobra da Globo e seu Jornal Nacional
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:01 31/07/2007, de Curitiba, PR


Imprensa omite partidos de cassados na Paraíba.
A culpa é do Lula!!!
Por Paulo Henrique Amorim

. O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba cassou o mandato do Governador Cássio Cunha Lima, do PSDB. PSDB.

. A mídia conservadora (e golpista) omitiu o fato de o governador cassado ser do partido dos tucanos imaculados.

. A imprensa (?) escrita não disse que Cunha Lima é do PSDB e o Estadão e o Globo sequer mencionaram o fato na primeira página.

. Os portais na internet ? inclusive o iG -, que seguem a filosofia (?) da imprensa (?) escrita, também omitiram o fato de Cunha Lima ser do PSDB.

. Da mesma maneira, a mídia conservadora (e golpista) escondeu a informação de que a primeira vítima do assim chamado ?mensalão? a ser abatida pela Polícia Federal foi o tucano Eduardo Azeredo, que governou Minas e presidiu o imaculado partido.

. Vamos supor que Cunha Lima tivesse cometido a imprudência de se filiar ao PT. O título estaria em todos os órgãos da imprensa (?) escrita e nos portais ? inclusive o iG ? da internet: ?TRE da Paraíba cassa governador do PT !?
Enviada por Sérgio Bertoni, às 13:54 31/07/2007, de Curitiba, PR


Indústria prevê forte expansão no 2º semestre
A culpa é do Lula!!!
A indústria entrou no segundo semestre prevendo a manutenção do ritmo forte do primeiro

A grande estrela de 2007 é o mercado interno.

O Ciesp - Centro das Indústrias de São Paulo - fez um levantamento para apurar o ânimo do empresariado. De 608 empresas ouvidas, 67% informaram estar otimistas ou muito otimistas quanto às perspectivas para o segundo semestre.

Setores importantes, como os de papelão, siderúrgico e petroquímico, mostram expansão robusta. Todos produzem insumos para outros setores da economia.

Aço

Um setor que vai bem é o de aços. O segmento teve um "crescimento fabuloso" no primeiro semestre, quando as usinas entregaram ao mercado volume de aços planos 16% superior ao do mesmo período de 2006. A demanda de aço é forte na indústria automobilística, de máquinas agrícolas e na construção civil. A rede brasileira de distribuição de aço teve expansão inédita de 29,7% nas vendas de janeiro a junho.

Embalagens

No setor de papelão ondulado, as vendas cresceram 6% no primeiro semestre e o ritmo deve ser mantido no segundo.

Na maior indústria de polietileno do Sudeste, a Rio Polímeros, o semestre só não foi melhor por conta da irregularidade no fornecimento de gás pela Petrobras.

A Petroflex, maior produtora de borracha sintética da América Latina, observou aumento de demanda de 15%. A empresa usa hoje 80% de sua capacidade instalada.

Exploração

Apesar do cenário geral favorável, muitas indústrias evitam fazer contratação de pessoal. Preferem aumentar a produtividade. Ou seja, aumentar a produção tirando o couro do peão!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:39 31/07/2007, de Curitiba, PR


CBF entrega proposta à Fifa para seidar Copa em 2014.
A culpa é do Lula!!!
Dando cntinuidade a campanha, "Aconteça o que acontecer, Lula tem culpa ocê", divulgamos mais uma...

A CBF entrega nesta terça-feira à Fifa a proposta do Brasil para receber a Copa do Mundo de 2014 e já é cobrada pelo governo federal. Sob os efeitos do estouro no orçamento do Pan, o Ministério do Esporte afirma que dessa vez não quer surpresas em relação aos gastos públicos.

"A partir do momento em que a Fifa aprovar o projeto brasileiro, não vamos ser pegos de surpresa. Valerá o que estivar no projeto", diz Alcino Reis Rocha, secretário do ministério envolvido no planejamento.

A Fifa começa em setembro as inspeções nas cidades brasileiras candidatas a receber os jogos do Mundial. No final, 12 Estados devem ser escolhidos, mas a proposta entregue amanhã terá ao menos 18 candidatos.

Somente uma cidade de cada Estado terá direito de receber as partidas da Copa do Mundo. Rio e São Paulo são as candidatas à abertura e à final do campeonato.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:25 31/07/2007, de Curitiba, PR


DEM-Tucanos abusam do poder na Paraíba.
A culpa é do Lula!!!
Mandato de governador da Paraíba e seu vice são cassados por TRE

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba cassou ontem o mandato do governador Cássio Cunha Lima (PSDB), e do vice José Lacerda (DEM), acusados de abuso de poder político nas eleições de 2006. Também foi pedida a inelegibilidade do governador por três anos (a partir de 2006) e o pagamento de R$ 100 mil em multa.

Cunha Lima é acusado pelo Ministério Público Eleitoral de distribuir cerca de 35 mil cheques à população em ano eleitoral sem lei que regulasse o programa de assistência social.

O juiz-corregedor Carlos Eduardo Lisboa, relator do processo, sugeriu que o candidato derrotado no segundo turno, José Maranhão (PMDB), assuma o cargo. O pleno do TRE acatou a sugestão.

Maranhão só poderá ser diplomado depois que o acórdão com a decisão for publicado -o que deve ocorrer amanhã- e se não houver recurso. Mas os advogados de Cunha Lima devem entrar com recurso no TSE hoje -o que deve mantê-lo no cargo até um novo julgamento.

Aqui há mais uma evidência da culpa de Lula, não é mesmo?

Não adianta, Lula, aconteça o que acontecer tem culpa ocê!!!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:18 31/07/2007, de Curitiba, PR


Brasil ganha mais medalhas no Pan.
A culpa é do Lula!!!
O Brasil encerrou sua participação no PanAmericano de 2007 em terceiro lugar com 161 medalhas, um aumento de 26% em relação aos jogos de 2003, quando obteve 128 e terminou a competição em quarto lugar.

Se contabilizarmos apenas as medalhas de ouro veremos que o desempenho do país foi extraordinário: 54 medalhas em 2007 contra 29 em 2003, ou seja, um aumento de 86,2%.

Quem é o culpado por isso tudo?

Muitas empresas patrocinaram atletas usando e abusando da lei de incentivo fiscal para o esporte, mas foram as estatais Petrobrás e Caixa Econômica Federal as que mais investiram. Só para se ter uma idéia: atletas patrocinados pela Caixa ganharam 42 das 161 medalhas conquistadas pelo Brasil neste Pan de 2007.

Sem dúvida nenhuma o culpado por tudo isso é Lula por deixar que empresas estatais patrocinem esportes amadores fazendo com que atletas brasileiros se metam a besta de querer disputar a hegemonia com Estados Unidos. Canadá já deixamos par trás. E Cuba quase ficou...

Façamos uma CPI para se investigar tamanho absurdo!

Não! não precisa! Definitavemente não há dúvidas! A culpa é do Lula. Até Fidel Castro concorda.

Em tempo: em 1963 os jogos PanAmericanos foram realizados em Sampa. Lá o Brasil ficou em segundo Lugar conquistando 52 medalhas no total, 14 de ouro. Ninguém vaiou ninguém nem mesmo mostrou sua ignorância linguística.
tchaaaauuu
Enviada por Sérgio Bertoni, às 11:26 30/07/2007, de Curitiba, PR


Direita rechaça participação do MST no "Cansei"
Mesmo sem o Movimento dos Trabalhadores Sem-Terras solicitar adesão ao Movimento da burguesia paulista, o " Cansei" (sic!), os bandeirantes abastados já gritam:

'MST, não!', diz Alencar Burti

Por Raphael Prado

O presidente da Associação Comercial de São Paulo diz que está participando do 'Cansei' como cidadão, não como entidade O presidente da Associação Comercial de São Paulo, Alencar Burti, repete o discurso do empresário João Doria Jr., do presidente da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil, Luiz Flávio Borges D'Urso, e do diretor do Comitê de Jovens Empreendedores da Fiesp, Ronaldo Koloszuk, sobre o protesto "Cansei". É "apolítico".

Lançado ontem por alguns setores da sociedade, o Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros quer "parar" o Brasil com 1 minuto de silêncio. Será no dia 17 de agosto, em frente ao prédio da TAM Express, onde aconteceu o acidente aéreo que matou cerca de 200 pessoas. Eles vão contar com espaço gratuito em TVs.

A idéia, segundo Burti, que é um dos organizadores e participantes, é mobilizar a sociedade civil para lutar por seus direitos. Cada cidadão, segundo ele, pode e deve participar. Ele clama:

- ...pelo amor de Deus, participem.

Se é um movimento apolítico, que defende o direito de todos os cidadãos de se indignarem, independente da vertente ou ideologia, os movimentos sociais foram convidados a participar? Questionado se o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra, por exemplo, poderia se juntar à Associação Comercial e à OAB para protestar, Burti titubeia:

- Não... é... o... não é... quer dizer... esse movimento não tem nada que ver com a Associação Comercial. Apenas a Associação Comercial dispõe de um contingente que pode... (enfático)MST não! (volta ao tom normal ) Porque o MST é... o MST nasceu em razão de alguma coisa.

O presidente da Associação Comercial também desvincula a entidade que preside do "Cansei". Diz que está participando ele, Alencar Burti, como cidadão. Uma visita ao site da Associação, no entanto, mostra que ela está muito mais ligada ao movimento do que o presidente afirma (foto abaixo).

Leia a íntegra da entrevista de Alencar Burti a Terra Magazine
Enviada por Almir Américo, às 10:59 30/07/2007, de São Paulo, SP


Marchas??? Lula você não é Jango. Chama teu povo!
Estamos às vésperas do retorno da Marcha da Família, com Deus e pela Liberdade. Agora passa a se chamar Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros. Trata-se de uma fórmula mais elaborada, mais complexa, mas os objetivos são os mesmos.

O movimento foi lançado pela OAB de São Paulo, e conta com o respaldo de figuras importantes da Fiesp e da Associação Comercial paulista, e com a divulgação de televisões e rádios, por ora não melhor especificadas.

A idéia inicial faísca no escritório de João Dória Jr., o Iconoclasta Mor, aquele que destruiu a pauladas o monumento dedicado a Cláudio Abramo, o grande jornalista, em uma pracinha do Jardim Europa. Ali desceu o Espírito Santo, e iluminou os primeiros carbonários da grana, unidos em torno do slogan: Cansei.

Uma campanha publicitária, oferecida de graça por Nizan Guanaes, gênio da propaganda nativa de inolvidável extração tucana, mais badalado entre nós do que George Clooney no resto do mundo, insistirá em peças destinadas a expor o pensamento dos graúdos envolvidos: ?cansei do caos aéreo?, ?cansei de bala perdida?, ?cansei de pagar tantos impostos?.

É do conhecimento até do mundo mineral a quem esses valentes senhores atribuem a culpa por os males que denunciam: nem é ao governo como um todo, e sim ao Lula, invasor bárbaro de uma área reservada aos doutores. Mas o presidente da OAB paulista, certo D?Urso, diz que o movimento não tem conotação política. Enquanto isso, às sorrelfas, o pessoal pede instruções aos mestres. Alguns ligam para Fernando Henrique Cardoso, outros para José Serra. São os derradeiros retoques da tucanização da elite brasileira, a mesma que sentou-se em cima de um tesouro chamado Brasil e só cuidou de predá-lo, com os resultados conhecidos. Incompetência generalizada, recorde mundial em má distribuição de renda, baixo crescimento, educação e saúde descuradas até o limite do crime, miséria da maioria etc. etc.

Acorda Lula, chama o teu povo.

Fonte: Blog de Mino Carta
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:16 30/07/2007, de Curitiba, PR


Presidente do povo. Por que não?
Lula parece acuado diante da mídia, derrotada no ano passado. E a maioria continua com ele, à espera de uma reação

Por Mino Carta

Um crítico musical observaria que o discurso à nação do presidente Lula, sexta 20, manteve de fio a pavio o andante poco mosso. CartaCapital entende que foi tardio e sem a energia que a ocasião recomendava. Faltou a vibração do páthos, da pena, do luto.

As medidas enfim previstas são esperadas, a não ser o projeto de construir um novo aeroporto. É necessário? O anúncio não desfaz a verdade factual: por tempo longo demais o governo foi omisso em relação ao lobby irresponsável das companhias aéreas, à prepotência da Infraero e à leniência da Anac.

A substituição do ministro da Defesa demonstra apenas que alguém teve de assumir o clássico papel do bode sacrificado. Waldir Pires é cidadão honrado e político coerente. O currículo de Nelson Jobim não prima pela coerência. Teríamos de saber, também, se ele será firme o bastante no inescapável confronto com a Aeronáutica, pontual, e até agressiva, na pretensão de manter o controle do céu.

Os quepes costumam criar embaraço entre os paisanos, quando não o temor. Reverencial. E falta nitidez quanto às idéias e aos sentimentos do presidente Lula. Neste momento, ele parece acuado diante da enésima campanha midiática, de sorte a animar este ou aquele articulista a zombar dele. Mas é inadmissível, no caso do primeiro mandatário, a prática do esporte preferido dos graúdos, o chute do cadáver.

CartaCapital declara sua perplexidade diante do comportamento presidencial, ao considerar dois fatos que se entrelaçam. Embora a mídia atinja a chamada classe média e os nababos, não chega ao povo. Os índices de popularidade do presidente são estáveis entre os brasileiros distantes do privilégio. Ou seja, a separação entre os dois Brasis se acentua, e bastaria a Lula ser presidente desta maioria para induzi-lo a uma ação mais determinada em busca de um país melhor.

Está para ser lançado um livro de Raymundo Faoro. É a reedição de textos já publicados, organizada e prefaciada por Fabio Konder Comparato. A República Inacabada. Análise implacável e brilhante da tragédia de um país que se pretendeu liberal sem sê-lo e pôs em prática a democracia sem povo. É o que os tradicionais donos do poder pretendem até hoje, tão bem representados pela mídia a seu serviço.

Registra Faoro o que escrevia Hipólito José da Costa, em 1811, ao sair do prelo o primeiro jornal brasileiro, Correio Braziliense, por ele fundado e impresso em Londres: ?Ninguém deseja mais do que nós as reformas úteis; mas ninguém aborrece mais do que nós que estas reformas sejam feitas pelo povo; pois conhecemos as más conseqüências desse modo de reformar; desejamos as reformas, mas feitas pelo governo; e urgimos que o governo as deve fazer enquanto é tempo, para que se evite que sejam feitas pelo povo?.

Não é um primor de literatura. O entendimento, contudo, é cristalino, e continua a basear o pensamento da minoria. CartaCapital tem a convicção de que a identificação entre o ex-metalúrgico e o povo é um dado da situação destinado a permanecer. Pequenas oscilações nos humores populares talvez venham a ocorrer no decorrer do período, não serão fatais, no entanto. O povo começa a ter vez.

Isso tudo teria de levar Lula a usar uma firmeza há tempo deixada de lado. Apressar a aplicação do PAC, tomar decisões claras e enérgicas em relação a questões pendentes, revisar o tom, para não repetir o andante poco mosso do discurso de sexta 20. Voltar aos timbres decididos e altivos dos últimos momentos da campanha da reeleição, insistir no papel de presidente do povo, e, portanto, dos pobres. E definir, de vez, as prioridades do governo e do País.

Recorrer aos panos quentes, tais como agradar ao mercado, ou omitir-se, ou recuar diante da Globo que não quer a classificação indicativa, não muda o preconceito atávico, o ódio de classe do burguesote, contra o ex-metalúrgico protegido pelo destino.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:07 30/07/2007, de Curitiba, PR


PHA: Transponder e manete do A-320 da TAM não funcionavam, mas a "culpa" é do LULA!!!
TRANSPONDER E MANETE: A CULPA É DO LULA

Por Paulo Henrique Amorim

. O repórter Marcio Aith, na edição da Veja desta semana, diz que o comandante Kleyber Lima, que pilotava o avião da TAM, cometeu o seguinte erro: ?o manete direito da turbina que estava com o reverso travado continuou na posição de ?aceleração?. Com isso, enquanto a turbina esquerda tentava frear o avião, a direita o empurrava para a frente. O piloto, então, perdeu o controle.?

. Marcio Aith diz que não havia ?aquaplanagem? ? aquela história da moedinha na chuva do Rodrigo Bocardi, no Jornal Nacional ... A moedinha do Bocardi precisará ter outra destinação: não foi responsável pela queda do avião da TAM.

. Marcio Aith diz também que, se a pista não fosse tão curta, não teria havido desastre.

. Ele tem toda a razão: se a pista de Congonhas se emendasse com a pista de Guarulhos, que, por sua vez, se estivesse colada a uma ponta da pista do aeroporto de Viracopos, a certa altura, o avião parava.

. E a pista do Santos Dumont ? ? o Marcio Aith poderia recomendar a construção de uma extensão da pista, uma pista inclinada, ascendente, que fizesse com que os paulistas que chegassem ao maravilhoso Santos Dumont desembarcassem direto no finger do bondinho do Pão de Açúcar, e admirassem aquela maravilhosa paisagem, do alto.

. O Airbus da TAM, segundo Aith, precisava de uma pista mais longa.

. Não foi o que aconteceu em outros dois vôos anteriores que o mesmo avião fez, naquele mesmo dia, com mais chuva. Foram pousos normais.

. Nos últimos seis anos, Congonhas operou 1,5 milhão de pousos e decolagens.

. Ninguém sentiu falta de pista mais longa.

. É preciso tomar a reportagem de Aith com um grão de sal. . Ele é o autor daquela famosa ?reportagem? co-assinada por Daniel Dantas, que provou a existência de contas secretas do Presidente Lula e do Dr. Paulo Lacerda.

. (Aliás, a investigação da Polícia (Republicana) Federal sobre essa associação editorial parece que não acaba nunca.)

. Vamos SUPOR, apenas SUPOR que a reportagem de Aith, dessa vez, esteja certa.

. O golpe da mídia conservadora (e golpista) chegou ao seu objetivo.

. O Governo Lula curvou-se à mídia e à Globo.

. Lula fez um pronunciamento à Nação, na verdade, dirigido à Globo.

. Nomeou o General Patton para o Ministério da Defesa.

. Que não poderia ser mais indelicado com Waldir Pires na cerimônia de transmissão do cargo...

. Nelson Jobim começou a trabalhar a campanha da Sicília com o presidente eleito José Serra, a quem deu posse numa solenidade no Palácio dos Bandeirantes, e celebrou num almoço neste sábado.

(Serra já assumiu a co-presidencia e o presidente de Jobim é Serra e não Lula.)

. José Serra assumiu a co-presidencia e vai espetar nas costas do contribuinte federal umas pequenas obras em São Paulo que os magistrais administradores tucanos devem aos paulistas há décadas.

. A mídia conservadora (e golpista) celebra hoje a trapalhada dos controladores que liberaram e desliberaram a pista de Congonhas.

. Uma trapalhada que levou seis minutos.

. Mas a mídia conservadora (e golpista) tratou o assunto como se fosse uma outra lambança do Presidente Lula.

. Mas, pergunta-se: quem era o Ministro da Defesa, ONTEM: já não era o General Patton ?

Em tempo: segundo Mauricio Dias, diretor-adjunto da Carta Capital, também é do Lula a responsabilidade pela queda de um aviãozinho de propaganda que caiu na praia do Leblon, no Rio, no fim de semana passado. Os surfistas, provavelmente eleitores de Cesar Maia, salvaram o piloto - mas, não há dúvida: a culpa é da "crise" aérea.

Em tempo 2: o iG e o UOL dizem a que a falha do piloto foi a ?causa inicial?. Interessante: qual será a causa final ? O Lula ?
Enviada por Sérgio Bertoni, às 18:40 28/07/2007, de Curitiba, PR


CANSAMOS:
Outro A-320 da TAM tem problemas técnicos
Segura o TAM, amarra o TAM...

Um Airbus A-320 que saiu na manhã deste sábado de Porto Alegre com destino a Bariloche na Argentina, voltou a capital gaúcha meia-hora depois de decolar do aeroporto Salgado Filho.

O A-320 da TAM apresentou problemas em uma das asas e foi obrigado a pousar para manutenção. Passageiros disseram ter visto sinais de fumaça.

E o sertão vai virar mar...

Um avião da Ocean Air fez um pouso não-programado ontem, por volta das 19h, no aeroporto de Ilhéus (BA). O vôo 6329 havia decolado de Salvador às 18h15 com destino ao Rio de Janeiro, sem escala, com 96 passageiros, mas ninguém ficou ferido.

Segundo o superintendente da Infraero (estatal que administra os aeroportos do país) em Ilhéus, Edilson Pereira Santos, houve uma pane em uma das turbinas do avião, e o piloto pediu para aterrissar para verificar o problema.

Cansamos

Até quando teremos que suportar a imprensa, partidos de direita e empresários escondendo as mazelas das grandes empresas?

Até quando teremos que ver mortes de conterrâneos por conta da omissão, exploração e ganância empresariais?

Até quando seremos obrigados a ouvir os papagaios da Rede Globo e de outros meios de comunicação mentindo e deturpando a verdade?

Até quando temos que aguentar a classe média babaca comprando a mentira dos meios de comunicação?

Cansamos da mentira! Cansamos da palhaçada! Cansamos da elite!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 18:24 28/07/2007, de Curitiba, PR


Trabalhadores na Mercedes em Juiz de Fora conquistam Comissão de Fábrica e encerram greve
Após 4 (quatro) dias de paralisação dentro da fabrica com 93% de média de adesão, chega ao fim à greve dos trabalhadores na Daimler Chrysler em Juiz de Fora iniciada em 20 de julho de 2007

Com uma pauta de reivindicação de cunho regional e nacional foi possível perceber nesta greve histórica dos Trabalhadores na DC em Juiz de Fora, que a luta pelo Contrato Coletivo Nacional segundo orientação da FEM/CUT-MG e CNM/CUT, está na pauta do dia dos Trabalhadores.

Pauta de Reivindicação:

Redução da Jornada de 44h para 40h
Piso Mínimo
OLT
Isonomia Salarial
Revisão do Custo de Benefícios
Volta ao Trabalho de Segunda a Sexta-feira
Redução do pagamento das horas débito referente a 2004/2005
PLR R$ 4.500,00
Na tarde de 24/07 por volta das 17h à empresa faz contato com a representação dos trabalhadores para propor negociação uma vez que a empresa alega não negociar com a fabrica parada.

Porem vai ao resultado das negociações:

PLR de R$ 3.600,00
Volta do Trabalho de Segunda a Sexta Feira
Pagamento das horas débito de no Maximo 35% da vigente
Em 90 dias a empresa apresentará à para Representação dos Trabalhadores uma proposta de Equiparação Salarial a ser discutida e aplicada a partir de janeiro de 2008
Comissão de Fabrica em março de 2008
Sendo assim por hora aprovado o negociado e acertado entre os trabalhadores e sua representação a pautar a empresa com os demais pontos que não foi possível de se avançar em 2007.

Apesar de grande parte de nossa reivindicação histórica não ser contemplada neste momento, temos a certeza de que em situação mais propensa iremos arrancar as 40h semanais, entre outras conquista.

Temos o sentimento de saldo positivo, uma vez que a empresa a uma semana a traz dizia não haver negociação e nós arrancarmos pontos relevantes em negociação.
Enviada por Henrique Almeida, às 10:29 27/07/2007, de Juiz de Fora, MG


Mais um Trabalhador morre. Agora, na Ford Camaçari
O eletricista Álvaro Arcanjo dos Santos Filho, 36, morreu hoje (26), por volta das 10 horas, no prédio administrativo da Ford, no setor conhecido como main office, Complexo Automotivo de Camaçari. Ele trocava um sensor de presença (que acende as luzes à aproximação de pessoas) e teria sido fulminado após receber uma descarga elétrica. Funcionário da prestadora de serviços Predial, havia sido contratado há 20 dias. Era casado e tinha três filhos.

Infelizmente, não se trata um caso isolado. Mortes freqüentes têm ocorrido nas indústrias do ramo metalúrgico, siderúrgico e automobilístico da Bahia. A obsessão pela superação de metas, aliada à falta de contratações e aos investimentos insuficientes em segurança, criam ambientes de trabalhado cada vez mais caóticos e perigosos.

Dados do Governo da Bahia apontam crescimento recorde nas exportações do ramo, atingindo a marca histórica de um bilhão de dólares em 2006. Ao mesmo tempo, trabalhar no setor virou uma atividade de alto risco: em 2007, tem ocorrido uma morte por mês.

"A realidade é que as empresas produzem mais, mas não se preocupam em contratar no mesmo ritmo, além de virarem as costas para a segurança dos seus funcionários. A produção aumenta, os lucros também, mas à custa da vida de trabalhadores", explica Aurino Pedreira, presidente da Fetim (Federação dos Trabalhadores em Indústrias Metalúrgicas do Estado da Bahia). Imediatamente após o acidente, a Fetim acionou os órgãos competentes (DRT, Cesat etc) e manteve contato com as empresas envolvidas.

Fonte: Fetim-BA
Enviada por SindLab, às 10:13 27/07/2007, de São Paulo, SP


Trabalhadores na Mercedes em Juiz de Fora estão em greve
Clique aqui para amplair a foto
Todos os 1,5 mil trabalhadores da Mercedes-Benz, na planta de Juiz de Fora-MG estão paralisados dentro da fábrica desde a última sexta-feira (20)

Os Trabalhadores nos setores admnistrativo e na produção uniram-se e paralisaram a produção para lutar a favor da redução da jornada de trabalho, de 44h para 40h semanais.

Os metalúrgicos são contra uma proposta da empresa em criar um banco de horas em que elevaria a carga dos trabalhadores das atuais 44h, para até 54h de jornada.

Além disso, a empresa oferece apenas R$ 2 mil como proposta para o pagamento de PLR, enquanto o sindicato dos metalúrgicos de Juiz de Fora exige uma remuneração de R$ 4,5 mil. 'Esta greve vem no momento em que a Federação dos Metalúrgicos de Minas (FEM-MG) está lutando junto com a CNM/CUT pelo Contrato Coletivo Nacional de Trabalho', disse Henrique Almeida, secretário-geral do sindicato e trabalhador da Daimler. Segundo Henrique, os metalúrgicos mineiros da Mercedes pagam até 50% a mais nas contribuições com transporte, alimentação e plano de saúde, em relação aos trabalhadores da planta do ABC. Uma condição totalmente desigual, para funcionários de uma mesma companhia. O sindicato também luta pela implantação da comissão de fábrica na planta de MG. Não há previsão para o fim da greve.

A planta de Juiz de Fora vive um indefinição sobre seu futuro, não se sabe se a planta continuará produzindo ou não. Então, exatamente, no começo da campanha salarial unificada, a empresa alemã testa a unidade dos metalúrgicos brasileiros forçando a barra exatamente na unidade mais vulnerável hoje instalada no país.

Por coincidênica, mera coincidência, o presidente do Sinfavea (Sindicato Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) é um alto funcionário da Mercedes-Benz...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 09:19 24/07/2007, de Curitiba, PR


Mais uma derrapada dos golpistas: A320 pousou 3 vezes em Congonhas naquele dia fatal
O histórico de vôos do Airbus A320 da TAM diminui a possibilidade de que a chuva e a pista do Aeroporto de Congonhas tenham sido decisivas na tragédia que matou ao menos 199 pessoas.

No dia do acidente, o Airbus A320 de prefixo MBK já havia pousado duas vezes na pista principal do aeroporto, uma delas enquanto chovia quase três vezes mais do que no momento do desastre. Em nenhuma das aterrissagens houve queixas de pista escorregadia ou problemas mecânicos.

O primeiro pouso do Airbus em Congonhas ocorreu às 11h11 do dia 17. O avião, que fazia o vôo 3701 entre Brasília e São Paulo, encontrou muita chuva na chegada à capital paulista. De fato, entre 11 horas e meio-dia, a estação meteorológica do aeroporto registrou, em média, 1,5 milímetro de precipitação na pista principal. A aeronave pousou normalmente, os passageiros desceram e, 40 minutos depois, ela já estava pronta para decolar rumo ao Aeroporto de Confins, Belo Horizonte.

Pousou em Congonhas às 14:32 h, horário previsto e decolou rumo a Porto Alegre às 15:21, comandados pela equipe que viria a falecer no início da noite.

Seguimos defendendo o fechamento de Congonhas, assim como defendemos que o governo federal tome medidas fortes e definitivas contra os interesses sanguinários das empresas privadas. Ainda mais agora que muitas delas se usam do espírito golpista da mídia para desmentir dados técnicos e até mesmo o que seus presidentes haviam falado, numa verdadeira desconsideração à inteligência nacional.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 09:05 24/07/2007, de Curitiba, PR


Direita e imprensa querem pautar o Brasil
Depois de derrapar, e feio, na conclusão apressada de que a culpa pelo acidente aéreo ocorrido em 17 de julho era da pista do aeroporto de Congonhas, portanto do Governo Federal, a imprensa e a direita nacional e internacional tentam pautar as discussões no Brasil.

Eles tentam desesperada e repetidamente colocar o debate da crise aérea no país como se fora a único e verdadeiro problema nacional. Não falam de mais nada. É só crise aérea, atraso e cancelamento de vôos. É uma verdadeira lavagem cerebral.

Com isso desviam o foco dos debates e tentam ocultar as verdadeiras mazelas do país que atingem a maioria da população e não apenas 4-5% de privilegiados que habitualmente usam os serviços aeronaúticos e aeroportuários.

O desemprego, mesmo em queda, continua sendo um problema nacional. A segurança outro. Trasnportes públicos de qualidade também. Sáude e Educação continuam na pauta, sem esquecer é claro a questão da distribuição de renda e justiça social.

Gritam por mais competência do governo, que sem dúvida foi omisso e acabou refém dos interesses privados das companhias aéreas e de empresários. Mas não falam uma só linha sobre as responsabilidades e as ganâncias destas mesmas empresas aéreas que são privadas.

Clamam, corretamente, por justiça às famílias vítimas de acidentes aéreos, mas se esquecem sistematicamente das milhares de vítimas de acidentes de trabalho que ocorrem todos os dias em todos os setores produtivos. Se esquecem dos familiares destas pessoas. Não escrevem uma só linha sobre o terrível acidente ocorrido em uma fábrica da Cargill onde um Trabalhador e Índio foi fatiado vivo por uma máquina nem falam da falta de manutenção em máquinas e equipamentos usados e diversas empresas dos diferentes setores da economia.
Seria isso porque as vítimas de acidentes de Trabalho são pobres, sejam eles brancos, negros ou índios e as vítimas de acidentes aéreos pessoas provenietnes da elite nacional e estrangeira?

Ninguém questiona nada disso, como se as empresas e empresários santos fossem. O motivo sabemos: as empresas privadas pagam espaços publicitários aos jornais, rádios e TVs. Direta ou indiretamente controlam a "liberdade" de imprensa dos nobres jornalistas ventríloquos e seus patrões amados aos quais eles chamam de companheiros.

A sociedade civil precisa reagir a esta mentira toda. E quando falamos sociedade civil não estamos falando de meia dúzia que se acha formador de opinião. Não!!! Falamos do povão e de suas organizações sociais e políticas. Os sindicatos devem descer do muro e se posicionar. Cobrar do governo e das empresas a responsabilidade que tem em relação NÃO só à crise aérea, mas principalmente em relação à horrível distribuição de renda e injustiça social que infelizmente ainda reinam neste país.

Não podemos ficar assistindo a este verdadeiro atentado à Democracia brasileira e à liberdade de imprensa patrocinado por mesquinhos e ganaciosos interesses privados .

Não podemos continuar deixando que debochem de nossa cara quando colocam no ar a "desgraça" de uma família de 27 pessoas que perderão 4 dos 10 dias da viagem que farão aos EUA para comemorar as bodas de ouro do avós. Eles estão revoltados porque não conseguem aproveitar 100% de seus privilégios, porque não conseguem com isso humilhar o povão ainda mais e vomitar todo seu ódio ao país. Parem de palhaçada. Que se danem aqueles que vão comemorar bodas no exterior Em um país onde pessoas passam fome e a miséria ainda reina, estes "bodeiros" deveriam estar presos por crime contra a humanidade.

Não podemos ficar esperando o governo se mexer. É preciso atuar antes que o Brasil volte às trevas ou afunde-se nos buracos e crateras do metro paulista.

Falando nisso: por que será que a imprensa nacional e estrangeira não questionou a competência de Geraldo Alckim e José Serra, do PSDB e das chamadas PPPs no desastre público-privado que é a construção da linha amarela do metro de São Paulo???

Pense nisso, pois estão querendo nos pautar com um problema que mesmo grave é um dos menores e menos significativos para o povão brasileiro.

Precisamos entender o tamanho da questão e sacar que eles estão travando um verdadeira guerra contra o povo. O governo é só um impecílio a ser retirado do caminho. O alvo mesmo é o povão, os do andar debaixo a quem ele tanto destestam e odeiam.

Nunca o ódio de classe esteve tão latente em nossa sociedade...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:31 23/07/2007, de Curitiba, PR


Associação internacional de Pilotos cobra mais segurança nos aeroportos em todo o mundo
Após o acidente com o Airbus A-320 da TAM, a Federação Internacional de Associações de Pilotos de Linhas Aéreas (Ifalpa, na sigla em inglês) divulgou um pedido às autoridades do setor aéreo para que todos os outros em operação no mundo tenham áreas de escape mais extensas no fim das pistas de pouso.

Segundo os dirigentes dessa federação, que representa cerca de 100 mil pilotos em mais de 95 países, ocorre em todo o mundo, em média, um caso por semana de aviões que saem fora da pista.

A Ifalpa propõe pelo menos 300 metros de área livre no entorno das pistas dos aeroportos. Esse espaço ajudaria a diminuir as chances de acidentes mais graves como o da TAM.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:34 20/07/2007, de Curitiba, PR


Reversor desligado e pneu estourado: Será que alguém topa estatizar a Gol e a TAM???
As vivandeiras da privataria e os golpistas de plantão tentaram criar uma crise política em cima do terrível acidente com o avião da TAM em Congonhas na última terça-feira.

O movimento destas forças nada ocultas era visível:
- culpar o governo Lula por tudo e quem sabe conseguir derrubá-lo;
- reiniciar o processo de privatização parado desde a posse de Lula em 2003.

Todo o sensacionalismo criado tinhacomo objetivo comover o povão e enfiar goela abaixo coisas que o próprio povão rejeitou por 2 vezes, em 2002 e em 2006. Ninguém estava preocupado com o que aconteceu com as pessoas que morreram e com seus familiares, parentes e amigos que ficaram sem saber o que estava acontecendo na verdade. A grande imprensa e os grandes interesses econômicos queriam faturae econômica e politicamente em cima da desgraça dos outros.

Parece que foram eles que derraparam, e derraparam feio, nesta ridícula tentativa de golpe midiático.

Agora aparecem outros dados que confirmam o que estamos reclamando:
- que se averigue as condições de Trabalho e dos equipamentos nas empresas aéreas, que se faça uma profunda investigação nisso.
A impressão que fica é que alguém está brincando com nossa segurança na esperança de jogar a culpa sempre nas costas do governo Lula.

Reversor desligado e pneu estourado

A TAM, proprietária do avião Airbus-320 utilizado no vôo JJ 3054 confirmou em nota divulgada na quinta-feira, 19.07.07, que o reversor direito da aeronave havia sido desligado. O avião tinha defeito no reversor desde o dia 13, mas continuou voando.

Na noite deste mesmo dia 19, um pneu de um avião da Gol, que fazia o vôo 1643, estourou no momento da aterrissagem, na noite de ontem, no Aeroporto Internacional de São Luís, no Maranhão. De acordo com a assessoria de imprensa da Infraero, o caso aconteceu, por volta das 20h30, quando o Boeing 737-800, vindo de Manaus/Santarém/Belém, fazia escala na capital maranhense.

Isso nos leva a desconfiar das verdadeiras condições de manutenção das aeronaves em uso no país. São muitos acidentes e incidentes seguidos e a maioria deles com as mesmas companhias aéreas, Gol e TAM.

Poderíamos fazer a mesma palhaçada dos defensores da privataria e exigir a estatização das companhia aéreas. Mas fica a pergunta:
Será que alguém toparia estatizar a Gol e a TAM?

Enviada por Sergio Bertoni, às 10:32 20/07/2007, de Curitiba, PR


O que está acontecendo na TAM???
Criticar grandes empresas é um dogma proibitivo nos grandes orgãos de imprensa e uma diversão nos movimentos esquerdistas e entre muitas ONGs.

Porém, é preciso que se pergunte:
- O que está acontecendo com a TAM? Ou melhor, o que está acontecendo com os Trabalhadores nesta empresa?
- Será que eles estão trabalhando em condições normais? Ou estariam submetidos a pressões que os levaria a trabalhar fora dos limites suportáveis?

Nesta quinta-feira, 19.07.07, um Fokker-100 da TAM arremeteu durante o procedimento de pouso na pista auxiliar no aeroporto de Congonhas. Cerca de 20 minutos após a manobra, o avião pousou, em segurança, no mesmo aeroporto, de acordo com a Infraero (estatal que administra os aeroportos do país).

Já o piloto do vôo JJ 3054 que se acidentou na terça-feira tinha sido promovido havia apenas um mês. Ex-funcionário da Transbrasil e da Passaredo, o experiente piloto Henrique Stephanini Di Sacco, 53, comandante do vôo JJ 3054, tinha sido contratado pela TAM havia 6 meses. Mês passado, concluiu o treinamento e foi promovido a comandante.

Não questionamos a capacidade profissional e técnica dos pilotos, porque não somos especialistas no assunto nem jornalistas empregados dos grandes meios de comunicação de massa, que se acham especialistas em todos os assuntos...

Mas gostaríamos de saber o que está acontecendo na TAM para que tantos acidentes e incidentes ocorram de forma contínua. Quem viaja de avião já ouviu falar que a falta de tripulações seria um dos motivos para os constantes atrasados nos vôos da TAM.

Seria importante que o Ministério Público do Trabalho iniciasse uma profunda e séria investigação para verificar o que está acontecendo com os Trabalhadores deste importante setor da economia nacional.

Não podemos deixar de considerar que os últimos acontecimentos são por si só fonte de pressão e desmotivação para qualquer Trabalhador, que se agrava com a constante incerteza sobre o que ainda está por ocorrer...

É preciso que se averigue criteriosamente se as empresas aéreas não estão impondo a seus Trabalhadores em terra e ar ritmos de trabalho alucinantes e desumanos e desta forma aumentando a insegurança em todo o sistema de transporte aéreo do país.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:58 19/07/2007, de Curitiba, PR


Parem de palhaçada: privatização não resolve problema aéreo
Os defensores da privataria se aproveitam da tragédia ocorrida em Congonhas na última terça-feira para voltar a ladainha mentirosa da necessidade de privatização da Infraero como a única solução para a crise aérea.

Além de ser uma tremenda falta de respeito com as famílias dos mortos e também desrespeito à inteligência nacional.

A privataria da Infraero não resolverá problemas nos setor aéreo que vão desde infraestrutura aeroportuária até a super utilização das aeronaves por empresas cada vez mais ávidas por lucros fáceis e rápidos, passando por um reestruturação global de rotas e regras de vôo, etc e tal. Enfim, não é um problema localizado ou de uma só empresa ou Estado.

A nossa vizinha Argentina privatizou seus aeroportos na época de Menen, anos 1990, e atualmente enfrenta uma forte crise no setor aéreo e de infraestrutura aeroportuária. Também lá os defensores da privataria diziam que só ela tiraria os serviços aéreos do caos. Não foi exatamente isso o que aconteceu.

Se o presidente Lula entrar nessa e permitir a privatização da Infraero estará mostrando que desconsidera o apoio que lhe foi dado nas eleições de 2006. Uma das coisas que levaram a reeleição de Lula era exatamente o compromisso de não privatizar, ou seja, o contrário do que propunha seu oponente tucano.

Lula!
Você foi eleito para NÃO privatizar nada!!!
Você foi eleito para governar este país, ser O Presidente da República dos brasileiros e não o presidente dos grandes interesses econômico-financeiros. Estes interesses nem sequer gostam de você, por mais que você os agrade, porque confiam muito mais em FHC e em toda a corja dem-tucana.

Além disso, por que ninguém questiona a competência das companhias aéreas, todas privadas, e que nos últimos anos só têm piorado o atendimento e os serviços prestados àqueles que as mantem vivas, ou seja, seus clientes???

Que dogma babaca é este de que não se pode falar mal do capital e das empresas capitalistas?

Viramos todos pelegos e medrosos?

Acorda Peão! Estão querendo mexer no teu pão!

Senhores políticos e jornalistas ventríloquos: Parem com a palhaçada ideológica!

Todos sabemos muito bem que não é a forma de propriedade que determina o sucesso de uma empresa, mas sim a forma como elas são geridas, administradas. Se verdade fosse que a iniciativa privada é mais eficiente por si só, nenhuma empresa privada teria falido. E milhares delas falem todos os dias em todo o mundo. Também, se a propriedade privada fosse boa, não se chamaria privada, talvez, banheira, ou pia. he! he! he!

A crise aérea instalada no país é resultado da falta de competência tucana na administração do bem público e de seu boicote ao desenvolvimento do país. Eles deixaram de investir em setores estratégicos de nossa economia e ninguém reclama disso.

A crise atual é resultado, por um lado, da falta de investimento público no setor durante os últimos 20 anos e, por outro, da ganância das empresas aéreas em aumentar seus lucros imediatos e a todo custo.

Também se faz necessária uma forte regulação do setor, papel que deveria ser exercido pela ANAC - Agência Nacional de Aviação Civil. Mas parece que a Agência se preocupa mais em defender os interesses das empresas que os interesses dos brasileiros e do país.

Não são os interesses individuais e privados que devem determinar o grau de utilização deste ou daquele aeroporto, mas sim os interesses coletivos e estratégicos do país.

Privatizar o que quer que seja neste momento é trair o eleitor que reelegeu Lula. É assumir-se abertamente refém dos grandes interesses econômicos e midiáticos.

Reformulem o PAC, mudem prioridades, invistam mais em educação, infraestrutura, transportes, saneamento e saúde, mas não privatizem nada!

Acorda Peão! Estão querendo mexer no teu pão!
Enviada por Sergio Bertoni, às 11:44 19/07/2007, de Curitiba, PR


Presidente da TAM desmente versão de derrapagem
O presidente da TAM, Marco Bologna, disse durante a entrevista coletiva à imprensa que o fato de a pista principal de Congonhas não ter o chamado grooving não a torna inoperante.

Sobre a aderência e do grooving, Bologna explica:
A pista é feita de material asfáltico que já possui aderência e não necessita de grooving. O grooving é um acréscimo para aumentar a dispersão da água quando a lâmina d'água supera 3 mm. Abaixo de 3 mm, quando a pista não tem grooving, o pouso não é autorizado.

No dia em que houve o incidente com o avião da Pantanal, a TAM operou 113 decolagens e 116 pousos nas mesmas condições do avião da Pantanal, sem qualquer ocorrência de aquaplanagem.

Veja a entevista do Deputado Carlos Zarattini a PHA VELOCIDADE DO AVIÃO DA TAM ERA PELO MENOS 3 VEZES MAIOR DO QUE O NORMAL

Pelo jeito quem derrapou nesta história toda e colidiu com a verdade foram os grande meios de comunicação de massas, seus ventríloquos e papagaios que ainda mantém a versão da derrapagem....
Enviada por Sérgio Bertoni, às 20:36 18/07/2007, de Curitiba, PR


Band e Record mostram vídeo que desmente versão da derrapagem do Airbus, mas Globo insiste na versão
A Band e a Record veicularam em seus respectivos noticários noturnos vídeo liberado pela Infraero que mostra o momento exato em que o A-320 da TAM passa em alta velocidade na pista principal do aeroporto de Congonhas. Ainda no final da pista há uma primeira explosão, ao que parece, na turbina esquerda do avião. Logo após vê-se somente o clarão da explosão do avião ao se chocar com o prédio da TAM Express, coisa que as cameras do aeroporto não conseguiriam filmar.

Mesmo a Band tendo mostrado o vídeo antes do início do Jornal Nacional, a Globo insistiu com a versão de que todo o problema estava na pista e que, portanto, a culpa era do governo federal. Todas as entrevistas, devidamente editadas horas antes do noticiário ir ao ar nesta noite de quarta-feira só mostravam pessoas indignadas com a incompetência das autoridades federais, isolando qualquer possibilidade de interpretação diferente daquela decretada pela alta direção da vênus platinada, conforme denunciou o jornalista Paulo Henrique Amorim ainda na mnhã desta quarta. Veja artigo abaixo.

Se a RCTV não teve sua licença renovada na Venezuela por ter organizado um golpe contra um presidente, a Globo deveria ter o mesmo fim por tentar enganar toda a população do Brasil e insistir em uma versão que imagens das câmeras do aeroporto desmentem.

Esperamos que os dados da caixa preta do avião confirmem o que pode ser visto nas imagens da Infraero e que a Globo e demais orgão de imprensa sejam devida e exemplarmente punidos pela irresponsablidade social, práticas anti-democráticas e, principalmente, por jogar politicamente com a dor e sofrimento de milhões de brasileiros.

Somos a favor da Liberdade de Imprensa, mas completamente contra a libertinagem dos donos dos orgãos de imprensa tão comum na prática dos grandes meios de comunicação em massa.

Acorda peão!

Lula!
Em nome da Democracia,da Liberdade de Imprensa e do Futuro do Povo deste país, tenha coragem e tome as devidas medidas legais em defesa de todos os brasileiros e contra aqueles que gostariam de ver o país nas trevas.

Lula!
você foi reeleito para governar o Brasil com o povão braisleiro e não para virar um refém dos meios de comunicação de massa e da elite que adora FHC. Coragem, meu irmão. Seja o Presidente!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 20:19 18/07/2007, de Curitiba, PR


Avião pode ter tocado o ponto correto da pista, mas continuou em linha reta e em alta velocidade
O comandante da FAB (Força Aérea Brasileira), Juniti Saito, recebeu informações dos funcionários da torre de controle do aeroporto de Congonhas atestando que o Airbus A-320 da TAM tocou a pista no local correto ao tentar aterrissar. Por alguma razão, disseram os funcionários, o avião continuou em alta velocidade. Esse dado terá de ser confirmado pela caixa-preta da aeronave.

Tocar o solo no local correto numa aterrissagem é o primeiro requisito para que a operação seja bem sucedida. Em seguida, o piloto deve empreender as ações necessárias para frear o equipamento. Ainda não se sabe a razão pela qual a velocidade não foi reduzida o tanto necessário.

Essa é a primeira informação técnica disponível, por enquanto, a respeito do acidente com o vôo 3054 da TAM no início da noite desta terça-feira (17.jul.2007) em Congonhas.

O fato de o avião ter continuado em alta velocidade depois de ter atingido o solo ?informação pendente de ser oficialmente confirmada com dados da caixa-preta? reduz muito a hipótese de os supostos defeitos na pista de Congonhas serem os únicos possíveis causadores da tragédia. Quando o avião derrapa por deficiência da pista quase sempre ocorre uma mudança imediata na trajetória em solo. As informações preliminares (atenção: preliminares!) dão conta de que o Airbus da TAM seguiu em linha reta até praticamente o final da pista, sem frear nem perder a direção. Como choveu nos últimos dias em São Paulo, haveria também a hipótese de aquaplanagem ?o avião deslizando sobre uma fina lâmina de água. Mas essa hipótese parece não fazer sentido porque o avião ficou em linha reta quase até o final da pista.

Quando se dá o fenômeno da aquaplanagem é comum a aeronave jogar para um dos lados. A pista principal de Congonhas tem 1,9 km (esse, evidentemente, é um defeito sério da pista: é muito curta). Mas seria improvável em aquaplanagem o deslizamento em linha reta durante todo o percurso de 1,9 km. Além disso, ao aterrissar o piloto estaria, em tese, acionando o freio. Com aquaplanagem o avião poderia dar um "cavalo-de-pau" ou começaria a deslizar para um dos lados. Mas as informações disponíveis dão conta de não ter ocorrido o desvio de rota.

Em algum momento da aterrissagem, o piloto ou alguém na cabine de comando falou algo que teria sido identificado pela torre de Congonhas como uma menção a "virar" a rota do avião. Mas ainda não está claro em que momento esse tipo de informação foi captada --se logo quando o avião tocou o solo, se na metade da pista ou no seu final, quando o Airbus acabou fazendo a curva à esquerda e atingindo um edifício da TAM Express.

Por que isso teria acontecido? Não se sabe. Pode ter ocorrido algum defeito no aparelho que o impediu de frear (as turbinas não reverteram, os freios não funcionaram, enfim, várias possibilidades a serem estudadas e investigadas).

Piloto acredita em problemas nos computadores de bordo do A-320

Para o presidente do Sindicato Nacional dos Pilotos de Aviação Civil (Sinpac), Hugo Stringhini, o "excesso" de tecnologia do Airbus A320 da TAM pode ter colaborado para o acidente da aeronave no aeroporto de Congonhas (SP).

Stringhini acredita na possibilidade de o comandante ter tentado um procedimento emergencial de toque e arremetida, que não foi 'entendido' pelos computadores do avião.

"O A320 tem operação automática, não tem um backup mecânico. O piloto pode ter tentado um toque e arremetida, sendo que a aeronave estava configurada para pouso", disse Stringhini. Segundo Stringhini, aeronaves como esta não possuem o tradicional manche.

Elas são equipadas com side-sticks, uma espécie de joystick como os usados nos videogames. Os computadores dos aviões também podem 'desrespeitar' alguns dos comandos do piloto caso a manobra não esteja dentro de parâmetros de controle. Comandos abruptos, por exemplo, podem ser identificados como informações errôneas.

"Esse é um dos problemas que não chega ao conhecimento do público. Quando você movimenta o joystick da aeronave, na verdade, você está dando um imput no computador. O joystick não atende a comandos abuptos"
.

O primeiro acidente fatal com este modelo da Airbus aconteceu em 1988, dois meses após o seu lançamento, quando um A320 operado pela Cie Nationale Air France SA caiu durante um vôo de demonstração em uma feira de aviação na França. Foram três mortos de um total de 130 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes.

À época, o comandante da aeronave negou falha humana e atribuiu a responsabilidade do acidente ao painel de instrumentos da cabine do avião.
Enviada por Almir Américo, às 14:24 18/07/2007, de São Paulo, SP


Solução para Congonhas e para o transporte de passageiros
Clique aqui para ver uma proposta de traçado do TAV
Por Sérgio Luís Bertoni

Sempre quando há um acidente das proporções deste que abateu o Airbus A 320 da TAM, todas as atenções voltam-se a dois aspectos:
- salvar as vítimas;
- encontrar os culpados.

Preocupações legítimas e necessárias, disso ninguém tem dúvida. Porém, no caso de Congonhas é preciso encontrar a solução para o problema.

Em nossa opinião a só há uma: o completo fechamento do aeroporto de Congonhas.

É preciso que se fale nisso e se coloque as coisas diretamente.

Se faz urgente uma análise serena para se verificar não somente as causas do acidente desta terça-feira, mas a complexidade de todo o problema que envolve a manutenção de um aeroporto velho e pequeno praticamente no centro de uma metrópole como São Paulo.

Prefeitura, Proprietários e Inquilinos

Quem colocar a racionalidade acima da "comodidade" ou da "praticidade" verá que Congonhas é uma bomba relógio que mais cedo ou mais tarde detona. Qualquer foto aérea do local mostra o aeroporto cercado por construções residenciais, comerciais e industriais. As rotas de pouso e decologem forçosamente passam por cima de edifícios de todas as alturas, seja utilizando a cabeceira "Bandeirantes", seja usando a cabeceira "Jabaquara".

Neste ponto tanto proprietários e inquilinos dos prédios no entorno do Aeroporto como a Prefeitura de SP têm culpa pelo caos urbano na região e pelos mortos em terra vítimas de acidentes aéreos que ocorreram e virão a ocorrer se Congonhas permanecer aberto. À prefeitura cabe culpa por ter dado alvará de construção na região próxima ao aeroporto ou ter legalizado e/ou anistiado obras ilegais. Aos proprietários, por terem construído ou comprado imóveis em um região de perigo eminente e aos inquilinos por manter a procura e justificando assim uma das leis de mercado "onde há procura haverá oferta".

ANAC e Infraero

É de conhecimento público que tanto Infraero e ANAC fizeram gestões lenientes para diminuir o número de vôos em Congonhas e transferir a maior parte dos vôos com destino a São Paulo para o Aeroporto Internacional Cumbica, em Guarulhos.

E porque as transferências não foram efetivadas até hoje?

- porque as Companhias Aéreas rejeitam a proposta e resistem em sair de Congonhas;
- porque muitos passageiros pressionam pela manutenção dos vôos no centro de São Paulo, devido a praticidade e comodidade;
- porque há fortes interesses econômicos que pressionam contra transferências dos vôos.
- porque os orgãos públicos cederam às pressões dos interesses privados e recuaram em sua proposta de transferência; - porque os orgãos públicos acabaram por tentar dar vida nova a algo ultrapassado, reconstruíndo os prédios do Aeroporto de Congonhas.
- porque os diversos governos (federal, estadual e municipal em suas diferentes gestões) evitaram discutir e resolver o problema, esquivando assim de investir em infra-estrutura que viabilizasse outros modais de transporte ou a utilização de uma rede multi-modal que envolvesse transportes ferroviário (metros e trens), aéreo e rodoviário.

E porque não falar nos usuários?

Quem são os maiores usuários do Aeroporto de Congonhas?

São empresários, homens de negócios, jornalistas, profissionais liberais, funcionários de grandes empresas e até mesmo sindicalistas que não querem se deslocar de Guarulhos a São Paulo para participar de suas sagradas reuniões e encontros na capital paulista e vice-versa. Em sua maioria é gente da classe média-alta para cima, com grande poder de pressão econômica, além, é claro, de fazer grande barulho na imprensa escrita, falada e televisada.

E todos sabem muito bem que de acordo com as leis do capitalismo selvagem "quem paga, escolhe a música"...

Portanto, os usuários, seres humanos que são, acabam colocando sua segurança particular em segundo plano em nome de determinados interesses econômicos ou em nome de um certo conforto e comodidade de aterrisar ou decolar no centro da cidade. E desta forma contribuem para o caos instalado, portanto, também responsáveis por ele.

E as companhias aéreas nada tem a ver com isso????

Não se pode falar do setor aéreo ou em crise nele se não lembrarmos das responsabilidades das companhias aéreas e também dos seres humanos que ali trabalham e das máquinas por eles utilizadas.

Qual será o verdadeiro estado de conservação das aeronaves que sobrevoam os céus do Brasil?

É de conhecimento público que há 10-15 anos atrás os aviões ficavam boa parte de sua vida útil em solo, estacionados em aeroportos ou em manutenção. Os pilotos, antes de assumir o comando da aeronave tinham tempo suficiente para checar todo o equipamento e decidir se usariam ou não o mesmo.

Aí veio a reestruturação produtiva, o néo-liberalismo e os gurus das consultorias econômicas começaram a grita, exaustivamente repetida pela imprensa burguesa:
"Que absurdo! Onde já se viu!
Como pode um máquina tão cara como o avião ficar parada em solo?
Avião foi feito para voar!
É preciso aumentar o grau de usabilidade destas máquinas!
É preciso rever rotas, destinos e conexões para utilizar ao máximo as vantagens que estas máquinas nos oferecem"

Este discurso, por supuesto, encantou aos gestores das companhias aéreas preocupados com o lucro imediato das empresas e com sua promoção pessoal em caso de obtenção de bons lucros. Então, em nome dos lucros e tão somente em nome deles, as máquinas passaram a ficar menos tempo em terra e mais tempo no ar, o que dificultou não só a manutenção por parte de mecânicos e especialistas em terra, mas também diminuiu as possibilidades dos pilotos analisarem criteriosamente o verdadeiro estado das aeronaves antes de assumir o comando e sair por aí carregando passageiros.

A concepção de criação de hubs (centros de distribuição) visando aumentar as taxas de ocupação de cada aeronave e assim melhor utilizar o equipamento aéreo e a infra-estrutura terrestre, reduzindo custos por passageiro transportado, fez com que muitos dos vôos diretos que existiam entre capitais dos estados brasileiros ou entre estas e cidades de médio porte, fossem substituídos por vôos com escala ou conexão em Congonhas, São Paulo, sobrecarregando ainda mais o já velho e ultrapassado aeroporto.

Será que as tripulações estão cumprindo a jornada de Trabalho estipulada em lei?
Ou são obrigadas a fazer horas-extras sem as devidas compensações em descanso?

As mudanças gerada pela reestruturação produtiva no setor foram acompanhadas de um "melhor" aproveitamento dos Trabalhadores, segundo o ponto de vista das empresas. Polivalência, horas-extraordinárias, menor tempo de descanso, sobrecarga de trabalho e responsabilidades tornaram-se rotina no setor. Terceirização também. Enfim, Trabalhadores em terra e ar expostos a altos indíces de pressão e estresse.

E as empresas de "baixo custo"

Não podemos esquecer que a entrada da Gol no mercado trouxe ao Brasil o conceito "Baixo Custo, Baixo Preço" que aumentou ainda mais a precarização no setor. Para economizar a nova empresa paga salários mais baixos, reduziu o tempo de permanência das aeronaves em solo, aumentou a usabilidade de seus equipamentos, reduziu custos burocráticos e de emissão de bilhetes, aumentou a polivalência de seus funcionários, etc e tal.

E as demais tentaram acompanhá-la. Quem não o fez, ficou fora do mercado...

Mas é preciso que se diga: Avião não é e não pode ser transporte de massas. Não deve e não pode substituir trens e ônibus como alternativa de transporte.

Por sua própria característica, rápido e relativamente menos dependente de infra-estrutura em solo, o meio de transporte aéreo deve ser um instrumento para viagens urgentes, efetivamente urgentes, ou que cubram largas distâncias, vôos intercontinentais, ou destinos de difícil acesso por outros meios de transporte, como um São Paulo-Manaus, por exemplo. Para rotas curtas e médias entre 500 e 1000 km, nada melhor que o bom e velho trem. Melhor ainda se for um TAV - Trem de Alta Velocidade. E para viagens de até 500 km até o busão resolve bem nossos problemas.

Além disso, não podemos esquecer que os aviões, mesmo os mais modernos são altamente poluentes. Consomem toneladas de combustíveis de origem fóssil e não renovável e emitem outras tantas toneladas de agentes poluentes em várias camadas da atmosfera terrestre. Quanto mais aviões e mais empresas de transporte aéreo, maior será a desgraça ambiental do planeta.

Mas e a solução para Congonhas???

A solução para Congonhas é seu fechamento total enquanto aeroporto. Como está numa região frequentada habitualmente por gente de grana e repleta de serviços no seu entorno o espaço ocupado pelo aeroporto poderia ser reaproveitado com a transformação de suas pistas e hangares em um enorme centro de exposições/convenções com amplíssimo estacionamento e a transformação de seus edifícios em um shopping center aliado a um hub aéreo-ferroviário de passageiros que ali fariam seus check-ins e embarcariam em trem (TAV) ou metro até os aeroportos de Viracopos e Cumbica.

O reaproveitamento da área evitaria que críticos reclamassem da malversão de verbas públicas por parte da Infraero, que recentemente reformou e reconstruiu o aeroporto, além de permitir a estatal aeroportuária faturar uma grana legal com o aluguel de lojas e espaços comerciais deste que seria um dos maiores complexos de exposições, convenções, compras e serviços da capital paulista.

É claro que esta mudança não poderia ser abrupta e imediata, já que se faz necessária a preparação de toda a infra-estrutura. Começaríamos com a transferência de metade dos vôos para Cumbica. Depois deixaríamos somente a ponte aérea RIO-SP em Congonhas. Enquanto isso faria-se a necessária ampliação a Linha 1 (Azul) do metro paulistano, construindo uma ligação entre a Estação São Judas (poderia ser também Conceição ou Jabaquara) e o atual aeroporto de Congonhas, assim como implementar-se-ia o projeto de extensão norte que ligaria a Estação Tucuruvi ao Aeroporto de Cumbica. Trens especiais do Metro fariam, a cada 30 minutos, a ligação Expressa entre os dois aeroportos transportando passageiros (e suas bagagens) que passaram o check-in em Congonhas e outros, convenconais, o transporte de Trabalhadores das empresas aéreas e passageiros habituais entre as diversas estaçoes da rede do metro paulistano.

Um TAV - Trem de Alta Velocidade, seria fundamental para desafogar também o aeroporto Internacional de Cumbica que com o tempo ficaria congestionado com a transferência crescente de rotas domésticas para lá. Vôos internacionais poderiam ser transferidos para Viracopos e em alguns minutos o TAV faria o transporte dos passageiros entre Campinas e os aeroportos e o centro da cidade de São Paulo e vice-versa. Também neste caso os passageiros teriam o direito de fazer o check-in em guichês das companhias aéreas instalados nos terminais ferroviários ou aero-ferrovíarios e dirigir-se tranquila e confortavelmente ao Aeroporto Internacional de Viracopos ou vice-versa em caso de conexões domésticas.

Isto é utopia?

Não. Primeiro porque a experiência de terminais aero-ferroviários já existe em grandes cidades do mundo e funcionam até mesmo em Moscou, Rússia.

Segundo porque estamos falando em uma nova concepção de transporte baseada no conceito multoi-modal que favorece a amplas camadas da população e não somente aos usuários de aeroportos e serviços aéreos.

A expansão da Linha 1 do Metro Paulistano além de melhorar o transporte na metrópole paulistana, facilitando a vida de quem mora em Sampa, facilitaria a vida também dos moradores de Guarulhos, na Grande São Paulo. Estes passaria ma contar com transporte rápido e de qualidade com fácil acesso a diversos pontos da capital paulista.

Já que o Governo Federal planeja construir o TAV SP-Rio porque não extendê-lo até Campinas, fazendo a conexão terrestre entre os quatro maiores aeroportos do país (Congonhas, Cumbica, Galeão e Viracopos)?

Um TAV ligando São Paulo, Guarulhos e Campinas melhoria o transporte de cargas e passageiros entre as três maiores cidades paulistas facilitando a vida de quase metade dos habitantes do estado sem falar na melhoria das condições de tráfego pelas principais rodovias e a conseqüente melhoria das condições ambientais. Os viciados em trabalho poderiam utilizar seus computadores portáteis e celulares durante toda a viagem de TAV, já que estes trens são equipados com tomadas elétricas para conexão do computador e diferentemente dos aviões não sofre com as interferências eletro-magnéticas provocadas por celulares e demais equipamentos eletrônicos equipados com antenas. Segurança, conforto, comodidade e um escritório móvel sem estresse!

É um problema que precisa ser encarado de frente e puxado pelo Governo Federal de forma que não reste aos governos paulista e paulistano formas de rechaçar ou boicotar a proposta de implantação de um modal de transporte mais efeciênte economica e ecologicamente falando. Já que o PAC foi lançado, algumas mudanças poderiam ser introduzidas para viabilizar esta guinada estratégica na infra-estrutura de transporte na cidade mais populosa do país, o que certamente teria reflexos em outras localidades por este Brasil afora.

Além disso, já que se fala tanto em integração com o Mercosul, o Brasil poderia assumir uma posição mais propositiva. digna de sua capacidade e tamanho, e apresentar a seus vizinhos e parceiros de Mercosul a proposta de construção de uma infra-estrutura ferroviária de alta velocidade unindo o TAV Campinas-SP-Guarulhos-Rio a La Paz (Bolívia) através do Mato Grosso do Sul; a Montevidéo (Uruguai) e Buenos Aires (Argentina) através Curitiba/Florianópolis/Porto Alegre; até Assunção (Paraguai) via Curitiba e unindo Caracas a Buenos Aires/Montevidéo via La Paz/Asunção.

O diretor de uma faculdade dizia lá nos anos 1980 que as crises são os momentos corretos para se elaborar novas estratégias e investir, pois quando a mesma passar você, sua empresa ou país, já estarão prontos paralidar com a nova situação e terão vantagens comparativas importantes. Por que, então, não aproveitamos a atual crise aérea para dr um salto qualitativo no setor de transportes no Brasil e no Mercosul???

Tudo isso é uma proposta de mudança de paradigma na política de transportes tanto no Brasil como no Mercosul, que carece de transporte ferroviário, confiável, barato e integrado regionalmente como acontece há décadas na velha Europa.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 13:29 18/07/2007, de Curitiba, PR


PHA: bota a boca no trombone!
SERRA, A CRATERA DO METRÔ E A TRAGÉDIA DA TAM

Paulo Henrique Amorim

Máximas e Mínimas 518

. Faz hoje 186 dias da tragédia que matou sete pessoas na cratera do Metrô de São Paulo.

. Até hoje, o presidente eleito José Serra não se considera em condições de dar qualquer explicação sobre a causa do acidente.

. Uma parte importante das investigações sobre a tragédia da TAM será conduzida por órgãos do Governo do Estado de São Paulo.

. Espera-se que o presidente eleito, José Serra, tenha com a tragédia da TAM o zelo e o cuidado com que diz conduzir a investigação sobre a cratera do Metrô.

. O presidente eleito já falou mais sobre a tragédia da TAM do que falou sobre a cratera do Metrô.

A GLOBO JÁ APUROU: LULA É O RESPONSÁVEL PELA TRAGÉDIA

Paulo Henrique Amorim

Máximas e Mínimas 517

Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil.

. O Bom (?) Dia Brasil, doze horas depois, concluiu a investigação sobre a tragédia do avião da TAM em Congonhas.

. Alexandre Garcia diz que ?há uma irresponsabilidade coletiva?.

. A Controladora Geral da República, Miriam Leitão, disse: ?o Governo tem subestimado os riscos?.

. ?Há um colapso?.

. O Governo não tem ?visão geral?.

. A Globo já concluiu a investigação.

. Dispensa a abertura da caixa-preta.

Veja também a , entrevista de PHA com o relator da CPI da Crise Aérea, o deputado Marco Maia, PT-RS.

Éééé... Paulo Henrique Amorim, para a Globo e toda a mídia conservadora e lacerdista-golpista, Lula nunca terá a "Luz" do Farol de Alexandria nem a "sabedoria" do príncipe da Sociologia!

Afinal eles todos, esses "cumpadis" sabem tudo acerca de tudo e por isso que sempre governaram bem o país, não é mesmo???

Agora só falta eles se juntarem ao bossal gringo e dizer que era Lula, bêbado, quem pilotava o avião...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 11:57 18/07/2007, de Curitiba, PR


É cedo para apontar culpados, diz especialista britânico
Para Chris Yates, especialista em segurança de aviação e tecnologia e editor da revista Jane´s Airpot Review, ainda é cedo para apontar culpados para o acidente com o Airbus da TAM.

?As causas normais para um desastre como este são normalmente problemas com o avião, falha humana ou erro do aeroporto ou de controladores aéreos. Neste caso, as investigações ainda terão de esclarecer a causa, mas me parece que o mau tempo, a velocidade do avião no pouso e o fato de a pista estar em obras podem ter contribuído para o acidente?, disse Yates.

Disse tudo, mas não falou nada, diferentemente do que faz nossa imprensa que vive repetindo que a pista teria sido a grande culpada pela acidente.

Enquanto boa parte dos meio de comunicação, que pouco entendem de aeronáutica e aviação, convergem no sentido de determinar a causa do acidente, especialistas (nacionais e estrangeiros) em aviação dizem ser muito difícl determiná-la agora.

Teria algo por trás desta convicção periodística?
Enviada por Sérgio Bertoni, às 07:38 18/07/2007, de Curitiba, PR


Lula decreta luto oficial e não descarta fechar Congonhas
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decretou luto oficial de três dias nesta terça-feira em homenagem às vítimas do acidente do Air Bus da TAM.

O governo trabalha com a hipótese de interditar as pistas de Congonhas caso se verifique que não há segurança para os passageiros.

O comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, classificou como "precipitação" fazer qualquer avaliação ou afirmação taxativa no momento.

Nota do presidente Lula

"Foi com grande consternação que recebi a notícia do acidente envolvendo um Airbus da TAM no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Quero manifestar minha solidariedade aos parentes das vítimas e assegurar à sociedade brasileira que todas as investigações necessárias serão feitas a fim de esclarecer as causas dessa terrível tragédia. Em sinal de pesar pelas vítimas, decretei luto oficial no País nos próximos três dias".
Enviada por Sérgio Bertoni, às 07:17 18/07/2007, de Curitiba, PR


Especialista evita culpar pista por acidente em Congonhas
Roberto Peterka, especialista em segurança de vôo e o funcionário aposentado do Comando da Aeronáutica, afirmou ao Jornal do SBT na madrugada desta terça-feira que pelos dados disponíveis até o momento o avião que se chocou contra o prédio da TAM Express em Congonhas estava em vôo e não na pista.

"É difícil precisar a causa", afirma Peterka, que apesar de não descartar a possibilidade de aquaplanagem (aterrissagem perigosa em pista molhada), acredita que chance de o piloto ter frenado a aeronave na pista é remota."Se tivesse frenado, não teria chegado até o outro lado da avenida." O avião atravessou a Avenida Washington Luis e colidiu contra o prédio da TAM Express, provocando um incêndio.

Segundo o especialista, o piloto da aeronave provavelmente tentou arremeter - manobra "perfeitamente normal" - ao perceber que não conseguiria pousar. "A impressão é de que o piloto notou que não seguraria o avião e então arremeteu", diz. O procedimento, no entanto, não teve sucesso e isso, segundo Peterka, pode ter ocorrido por diversas razões. "Pode ter sido início tardio da manobra, avaliação errada do piloto ou até falha no avião, no que não acredito."

Seria realmente a falta de ranhuras a culpada???

"A presença do 'grooving' (ranhuras na pista) teria ajudado a aumentar o atrito e, assim, o avião tocaria na pista e pararia mais rápido", diz Petarka. "Isso poderia ter evitado o ocorrido, mas não podemos dizer que foi o responsável."

A grande imprensa que é sensacionalista e busca aumentar sua audiência e vendas em cima da desgraça dos outros deveria tomar mais cuidado e parar de repetir exaustivamente que o avião teria derrapado e que a falta de grooving na pista seria a culpada pelo acidente.

Neste momento de tragédia é preciso ter muita serenidade e responsabilidade, o que parece estar faltando em boa parte da mídia.

É preciso que se investigue e se apure tudo o que aconteceu o mais rápido possível, mas certamente não há um único culpado por este acidente, como querem nos fazer crer os meios de comunicação e determinados setores da sociedade. .
Enviada por Sérgio Bertoni, às 07:11 18/07/2007, de Curitiba, PR


Bombeiros dizem que avião da TAM teria passado sobre a cabeceira da pista
De acordo com informações dos bombeiros divulgadas pelo sítio G1 o avião teria passado direto sobre a cabeceira da pista e atingido um prédio na Avenida Washington Luís.

O taxista Paulo Carol, de 43 anos, estava na Avenida Washington Luís quando o Boeing da TAM atravessou a via e atingiu o prédio da companhia aérea. Ele levava dois passageiros para o Aeroporto de Congonhas quando o avião passou bem em frente ao veículo. Segundo ele, a aeronave estava inclinada, como se estivesse decolando, mas sem força para subir.

Se verdade for que o avião não atingiu nenhum veículo que trafegava pela Av. Washington Luiz, em horário de habitual tráfego intenso, aumenta a probabilidade de o avião estar em vôo ou tentando alça-lo e ter caído, ocasionando o terrível acidente.

É preciso que se averigue quantas horas a tripulação voava sem o merecido descanso e quanto tempo o avião estava em uso sem as devidas paradas para manutenção.

O presidente Lula permanece reunido com a equipe de ministros para receber informações sobre o acidente. O presidente foi informado sobre a queda do avião pelo seu assessor especial para assuntos aeronáuticos, brigadeiro Joseli Parente.

Segundo assessores, Lula ficou "consternado" ao receber a notícia do acidente e pretende ficar reunido com os ministros até receber informações precisas sobre as vítimas.

Lula está reunido com os ministros Waldir Pires (Defesa), Dilma Rousseff (Casa Civil), Franklin Martins (Comunicação) e Walfrido dos Mares Guia (Relações Institucionais) para discutir o acidente envolvendo o vôo 3054 da TAM, na região do aeroporto de Congonhas (zona sul de São Paulo).

O deputado Julio Redecker (PSDB-RS), lider da minoria na Câmara, estava a bordo do avião da TAM que sofreu um acidente no aeroporto de Congonhas nesta terça-feira (17), informou o chefe de gabinete Mauro Borges.

"Ele está no avião. Estou tentando falar com ele, mas não consegui", disse Borges por telefone. Por enquanto, ainda não há informações sobre o deputado.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 20:24 17/07/2007, de Curitiba, PR


MPF indicia secretário de FHC
O ex-Secretário da Receita Federal do Governo Fernando Henrique Cardoso, Everardo Maciel, responde a um processo por improbidade administrativa (nº 2007/34000245912), na 15ª Vara Federal de Brasília (clique aqui para ver uma cópia do processo).

O Ministério Público Federal indiciou Maciel por causa do envolvimento de funcionários da Receita com empresas privadas, durante o governo FHC.

Os procuradores investigam se Maciel tinha conhecimento de um trabalho de consultoria que dois funcionários da Receita Federal prestavam para grandes empresas privadas como OAS e Odebrecht.

A denúncia foi feita por meio de uma representação do deputado Ivan Valente (PSOL-SP), quando ainda estava no PT, ao MPF em setembro de 1995, no início do governo FHC.

Ivan Valente disse em entrevista a Paulo Henrique Amorim nesta terça-feira, dia 17, que quando protocolou a representação pediu para que Maciel fosse processado por improbidade administrativa, caso soubesse da consultoria prestada por funcionários da Receita a empresas privadas (aguarde o áudio).

Doze anos depois da representação de Ivan Valente, Everardo Maciel, Carlos Manoel Politano Laranjeiras (funcionário da OAS), Sandro Martins Silva (funcionário da Receita Federal), Paulo Carneiro (funcionário da Receita Federal) e Sérgio Bernardo Santarita Pitanga (funcionário da OAS), são processados por improbidade administrativa na 15ª Vara Federal de Brasília.

?As diligências feitas pelo Ministério Público, investigações da Receita, colocaram, segundo os procuradores Valquíria Quixadá e Lauro Cardoso, que ele (Everardo Maciel) tem responsabilidade por improbidade administrativa?, disse Valente.

Ivan Valente disse que recebeu o processo do Ministério Público em Brasília que informa o andamento das investigações e trata sobre Maciel, outros funcionários da Receita e funcionários de empresas privadas.

?Nós recebemos o processo lá em Brasília hoje dizendo que eles abriram mesmo o processo e que foram constatadas irregularidades na época. Esses dois funcionários, o Paulo Carneiro e o Sandro Martins, têm uma empresa chamada Martins&Carneiro que dá consultoria?, disse Valente.

Leia a íntegra da entrevista com Ivan Valente:

Paulo Henrique Amorim ? Eu vou conversar agora com o deputado Ivan Valente, ele é do PSOL de São Paulo. Deputado, tudo bem?

Ivan Valente ? Tudo bem Paulo Henrique, como vai?

Paulo Henrique Amorim ? Os jornais de hoje informam que o Ministério Público investiga o secretário da Receita Federal do governo Fernando Henrique Cardoso, senhor Everardo Maciel, com um comportamento, digamos, inidôneo, de uma denúncia sua. O senhor pode recapitular a denúncia que o senhor fez?

Ivan Valente ? Nós fizemos, Paulo Henrique, uma representação no Ministério Público, e isso foi por volta de setembro de 95 no primeiro governo do Fernando Henrique Cardoso, nós representamos ao Ministério Público porque dois altos funcionários da Receita, que era o coordenador geral do sistema da tributação, Paulo Baltazar Carneiro, funcionário da Receita Federal, também, Sandro Martins, na verdade estavam fazendo um trabalho de consultoria para grandes empresas como a Odebrecht, a OAS e etc, nós fizemos essa denúncia e protocolamos no Ministério Público e também dissemos que se o secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, tivesse conhecimento disso então deveria haver um processo por improbidade administrativa e condescendência. E na época os procuradores nos responderam que iam fazer, digamos assim, iam aceitar a denúncia e iam dar os encaminhamentos de praxe. Agora nós estamos recebendo, dia 06 de julho e hoje, nós recebemos um processo lá em Brasília hoje dizendo que eles abriram mesmo o processo em que foi constatado irregularidades na época, porque esses dois funcionários o Paulo Baltazar Carneiro e o Sandro Martins têm uma empresa chamada Martins Carneiro que dá consultoria, é uma empresa de consultoria e foram verificadas várias questões aí pela própria... Diligências feitas pela própria Receita Federal, a pedido do Ministério Público, mostrado, como a matéria da Folha coloca hoje que uma boa parte do tempo eles passaram as ações para as suas esposas e depois voltaram a assumir a direção das empresas. Então, 11 anos depois o Ministério Público está abrindo efetivamente o processo contra eles, então eles vão ter direito a defesa prévia.

Paulo Henrique Amorim ? Agora, deputado, qual é a participação do Everardo Maciel nesse conjunto de atividades que demonstram improbidade administrativa. O Everardo Maciel sabia disso?

Ivan Valente ? Exatamente é essa a questão, quer dizer, na época nós advertimos o secretário Everardo Maciel desses fatos. Ele não respondeu a mim, ele respondeu ao Ministério Público e na resposta ao Ministério Público ele nega qualquer tipo de irregularidade sobre a situação funcional desses dois funcionários, o Paulo Baltazar Carneiro, isso ele intimou no dia 03 de abril de 96 dizendo que eles estavam fora da Receita, afastados e quando eles entraram para a Receita eles se afastaram da empresa, então ele nega que haja qualquer irregularidade na situação funcional dos dois e no conflito, no conflito público-privado, ou seja, funcionários que tem direito a sigilo funcional, funcionários que têm alta capacitação darem também parecerem sobre questões de Receita que facilitariam processos de grandes empresas. Ele negou isso, quer dizer, ele respondeu à Receita, mas pelo que eu vi, a Procuradoria da República não aceitou a justificativa deles, fizeram diligencias e agora eles estão num processo de indiciamento para a condenação, não só do Paulo Baltazar Carneiro e do Sandro Martins mas também de dois altos funcionários da OAS que é o Carlos Manoel Laranjeira e o Sérgio Benedito Pitanga.

Paulo Henrique Amorim ? O Laranjeira é conhecido, não é?

Ivan Valente ? Laranjeira, da OAS... e também o Everardo Maciel, que não aceitaram a justificativa do Everardo Maciel e as investigações das diligencias do Ministério Público, investigações da Receita colocaram, segundo os procuradores, a Valquíria Quixadá e o Lauro Cardoso, de responsabilidade de improbidade administrativa...

Paulo Henrique Amorim ? Agora deputado, existe a possibilidade do Everardo Maciel ser indiciado?

Ivan Valente ? Sim, mas aqui no... O Ministério Público pede processo contra ele.

Paulo Henrique Amorim ? Já pediu o indiciamento dele?

Ivan Valente ? Já pediu o indiciamento, entendeu? Já pediu.

Paulo Henrique Amorim ? Ok, muito obrigado. E o senhor acha que dá para afastar o Renan Calheiros?

Ivan Valente ? (risos) Eu acho que já deveria ter sido afastado, (risos) mas ele é carne de pescoço, não é?! Vamos ver... Vamos ver. Mas eu acho que já devia ter sido afastado.

Paulo Henrique Amorim ? Deputado, é sempre um prazer falar com o senhor.

Ivan Valente ? Tchau, Paulo Henrique, um abraço.

Paulo Henrique Amorim ? Tchau.

Fonte: Conversa Afiada
Enviada por Sergio Bertoni, às 19:57 17/07/2007, de Curitiba, PR


Avião cai e interdita avenidas da capital paulista
Um avião atravessou uma pista do Aeroporto de Congonhas e se chocou contra um hangar na noite desta terça-feira.

Ainda não se sabe se o avião caiu ou se ele taxeava na pista. A Infraero também ainda não tem detalhes.

Estima-se em 170 o número de vítimas.O vôo vinha de Porto Alegre.

De acordo com Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a avenida Washington Luis está interditada nos dois sentidos, próximo à Rua Otávio Tarqüino de Souza. A avenida 23 de Maio também está fechada.

É preciso que tudo seja apurado com muito critério, rapidez e coragem.

Nos solidarizamos com os familiares das vítimas e trocemos para que este horrível acidente não seja manipulado por interesses obscuros em nome de suas ambições políticas.

Seriedade e serenidade neste momento são importantíssimos para que o país consiga superar mais este trágico momento em sua história.
Enviada por Sergio Bertoni, às 18:54 17/07/2007, de Curitiba, PR


Será que os carros chineses são realmente baratos?
Clique aqui para ver a Chana inteira
A grande imprensa começou a noticiar nos últimos dias a invasão chinesa no setor de automóveis. Afirmam que os carros chineses poderão tomar conta do mercado nacional por causa de seu preço baixo. Muita gente boa e inteligente repete isso como se fosse verdade verdadeira. Mas será que é assim?

Vejamos:
- o setor automobilístico brasileiro vive um verdadeiro "boom". Nunca se produziu e vendeu tantos carros no país;
- o Brasil é especialista mundial em produção de automóveis populares com Qualidade;
- os sindicatos dos metalúrgicos se uniram e apresentaram uma pauta de reivindicações nacional com uma série de ítens importantes para a melhoria das condições de vida dos Trabalhadores no país;
- a campanha salarial está no início; - a imprensa burguesa, não tendo nenhuma crise para culpar, cria um "inimigo" externo; - os carros chineses em questão no noticiário chegarão aqui com preços entre R$ 23.000,00 e R$ 36.000,00; - várias empresas nacionais se associaram a chineses para produzir motos no Brasil, assim como acontece agora com a produção de automóveis.

Vocês não acham que é muita coincidência o fato da grande imprensa falar tanto dos chineses exatamente quanto a campanha salarial dos Trabalhadores no setor automotriz se inicia?

Também não é verdade dizer que um carro com a qualidade de um Chana, conforme apresentado no salão do automóvel no ano passado, seja barato. Chana é uma vanzinha, pequena mesmo, com acabamentos interno e externo inferiores aos do Asia Towner vendidos por aqui nos anos 1990. Os coreanos Towner custavam algo em torno de R$ 10.000,00 (ou US$ 10.000,00 ao cambio da época). O consumidor brasileiro não é tão exigente como o norte-americano ou o europeu, por exemplo. Mas, depois da euforia inicial, acabou por rejeitar os veículos russos que tinham acabamento melhor que os chineses...

Honda e Yamaha, no setor de motos, continuam dominando o mercado e vendendo como nunca, mesmo com a entrada no setor de motocicletas produzidas por uma série de empresas brasileiras associadas a chineses e coreanos. Muitas vezes os produtos destas empresas são mais caros que similares da Honda ou da Yamaha, mesmo sendo produzidos em Manaus e com isenção de impostos. É inevitável comparar o volume de vendas e preço entre os três modelos street de até 250 cm³. A líder de mercado Honda CBX 250 Twister vendeu nos quatro primeiros meses do ano 27.486 unidades e seu preço praticado é de R$ 10.500,00. Já a ?injetada? Fazer 250 vendeu 9.998 unidades, e seu valor gira em torno de R$ 10.600,00. Já a Comet, entre janeiro e abril deste ano vendeu apenas 203 unidades. O preço da moto ? R$ 14.296,00

Agora, será que um carro que custará entre R$ 23.000,00 e R$ 36.000,00 (algo em torno de US$ 12.000 e US$ 20.000) pode ser considerado um carro barato???

Segundo o sítio da Ford mexicana o grande e luxuoso Ford Fusion custa 196.300,00 pesos ou R$ 33.960,49 (algo em torno de US$ 18.000,00, segundo o sítio do banco central brasileiro www.bcb.org.br). Já nos EUA o mesmo Fusion custa US$ 17.430,00. Confira no sítio da Ford norte-americana. Sabemos que há diferenças nas taxas e impostos cobrados em cada país, mas façam as contas e tirem suas próprias conlcusões.

Talvez uma parcela da população arrisque-se adquirir veículos que não conhece e que não se sabe ao certo se continuarão no mercado. Vimos na experiência recente que na faixa de carros populares o importado precisa ter preço bem mais baixo que o nacional, qualidade, serviços de manutenção estáveis e serem extremamente confiáveis...

Quem pesquisar direito verá que a maioria dos carros importados no Brasil são produtos mais luxuosos e/ou importados pelas próprias montadoras aqui instaladas. Além disso, brasileiro gosta de um determinado tipo de carro e não necessariamente é o mesmo veículo que faz suceso no exterior. Vejam os casos do Ford Focus ou do VW Polo. Vendem muito bem na Europa, mas aqui no Brasil nem tanto.

É claro que não queremos aqui menosprezar a capacidade de escolha dos brasileiros nem muito menos a capacidade do marketing dos chineses. Tampouco queremos repetir o erro cometido nos anos 1980, quando dizia-se que a reestruturação produtiva com seu método de produção "japonês" não passaria no Brasil porque éramos combativos e, principalmente, porque não éramos japoneses, reduzindo toda uma estratégia econômica a um mero fator de nacionalidade ou questão cultural.

Porém é preciso ser crítico e debater se realmente os carros chineses significam este terror todo por chegarem ao país ou se o risco mesmo virá das transnacionais aqui instaladas que usarão a desculpa da concorrência chinesa para rebaixar níveis salariais e de benefícios neste momento em que o mercado nacional está aquecidíssimo.

E como, diz o ditado, "perdemos um amigo, mas não perdemos a piada" repetimos aqui a pergunta filosófica de José Simão:
Se um Picasso bater de frente com uma Chana é um acidente de trânsito ou um estupro?
Enviada por Sérgio Bertoni, às 16:02 17/07/2007, de Curitiba, PR


Chávez elogia Lula e reafirma aliança
Enquanto muita gente baba raivosa e vomita besteiras mundo afora, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, elogiou ontem seu colega Luiz Inácio Lula da Silva e garantiu que ninguém poderá separá-los, após as divergências nas últimas semanas em torno do ingresso da Venezuela no Mercosul.

"De todas as partes do mundo fazem de tudo para afastar o Brasil da Venezuela, mas Lula é um amigo, um bom homem, um ser humano nobre, tem boas intenções, é inteligente, tem coragem", afirmou Chavez sem meias palavras.

Ontem, Chávez afirmou a militares que "há um plano do império americano, utilizando quintas-colunas na Venezuela e no Brasil, para nos fazer brigar, mas ele (Lula) disse que nada o fará brigar com Hugo Chávez, e repito aqui: ninguém me fará brigar com Lula".

Uma pesquisa da Seijas y Asociados revelou que Chávez tem 70,9% de aprovação popular, confirmando mais uma vez que os "protestos" realizados em Caracas e mostrado exaustivamente pelas grandes redes de TV mundiais são coisas armadas por uma minoria que busca, como sempre e em todos os lugares, manter seu status-quo em detrimento do bem-estar da maioria da população.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:29 17/07/2007, de Curitiba, PR


Governador do PMDB diz que vaias contra Lula no Maracanã foram orquestradas
Cabral: "Foi um bumerangue que voltou e bateu na cabeça do responsável"

Não só os petistas, lulistas ou simpatizantes que denunciam a armação vergonhosa ocorrida na abertura do Jogos Panamericanos do Rio, aqui noticiada anteriormente.

O governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), disse ontem que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi vítima de uma armadilha na cerimônia de abertura dos jogos Pan-Americanos, no estádio do Maracanã na última sexta-feira. Na ocasião, Lula foi vaiado pelo público e não discursou.

"O presidente é tão magnânimo que não são armadilhas montadas que vão superar seu amor pelo Rio", afirmou. Cabral disse que ninguém 'em sã consciência' vaiaria Lula. "Ele foi aplaudido durante a visita à vila do Pan. Durante a carreata, passamos pela Tijuca, que é um bairro de classe média, e a população saudou sua passagem. (A vaia) foi muito bem localizada, à esquerda do Maracanã", afirmou.

Questionado se a 'armadilha' contra o presidente teria sido feita pelo prefeito do Rio, Cesar Maia (DEM), o governador despistou. "Eu não disse que foi ele (prefeito). Só sei que quem fez, fez muito mal. Foi um bumerangue que voltou e bateu na cabeça do responsável. O Lula não ajudou o Pan pensando em direito autoral. Foi pensando no povo brasileiro", comentou.

Cabral disse ainda que o presidente Lula "ama tanto" o Rio que voltará à cidade na sexta-feira para a posse da nova diretoria da Academia Brasileira de Letras.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:16 17/07/2007, de Curitiba, PR


Força Sindical une-se à CUT contra projeto do governo
A Força Sindical alinhou-se à CUT e divulgou ontem nota oficial dizendo ser contrária ao projeto do governo enviado ao Congresso para permitir a contratação de funcionários públicos por meio da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Assinada por João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da entidade, a nota diz que a simples contratação pela CLT não é uma garantia de que o serviço público vai melhorar.

"A grave situação verificada atualmente nos serviços públicos, destacadamente nas áreas da saúde e da educação, da Previdência e dos demais serviços sociais sob responsabilidade dos governos, nos seus diferentes níveis, não pode recair sobre os ombros do funcionalismo público nem do regime de contratação vigente. É, acima de tudo, resultado da ininterrupta aplicação de políticas de arrocho nos investimentos sociais e na remuneração e qualificação do serviço público, orientada à geração de superávits fundamentais ao pagamento da dívida interna sob o controle do sistema financeiro.

A Força Sindical defende uma ampla e democrática reforma administrativa, capaz de dotar o país de um serviço público moderno, eficiente, bem remunerado, qualificado e comprometido com a necessária superação do quadro de iniqüidade social imperante. Considera que medidas parciais como a proposta pelo governo Lula não colaboram nesse sentido"
, diz a nota.

Na CUT, a oposição ao projeto pode levar a entidade a recorrer judicialmente contra suas diretrizes. Para o secretário-geral da CUT, Quintino Severo, as fundações estatais criam políticas salariais e de carreiras diferenciadas para os servidores. "Acaba com estabilidade dos trabalhadores e isso tornaria o serviço público vulnerável, na medida em que cada governante poderá utilizar de política que altere esse quadro de funcionários", disse.

O secretário-geral da CUT demonstra preocupação com a divisão na sua base sindical ao acrescentar que o projeto "cria uma profunda divisão entre os servidores, porque cada fundação estatal poderá ter um política salarial e de carreira".
Enviada por Sérgio Bertoni, às 07:33 17/07/2007, de Curitba, PR


Metalúrgicos de Taubaté: Chapa 1 da CUT vence eleição sindical com 80% dos votos
A Chapa 1 da CUT ? Democracia e Conquistas ? venceu a eleição sindical dos metalúrgicos de Taubaté com um total de 7.213 votos contra 1.760 da chapa da oposição. A votação da Chapa 1 representou 80% dos votos da categoria.

Das 105 vagas nos Comitês Sindicais que foram disputadas, a Chapa 1 ganhou 97 vagas, ficando apenas oito vagas com a chapa de oposição.

Um total de 13.182 trabalhadores da ativa e metalúrgicos aposentados compareceu às urnas nos dias 11, 12 e 13 de julho em um processo eleitoral democrático e transparente.

Para o encabeçador da Chapa 1, companheiro Isaac do Carmo, a categoria referendou a CUT como a legítima representante dos trabalhadores. ?Agradecemos aos trabalhadores pela confiança depositada no trabalho da atual diretoria do Sindicato?, disse Isaac.

?Agora teremos um segundo turno nos dias 22, 23 e 24 de agosto que vai referendar o Conselho da Executiva do Sindicato e definindo os companheiros que serão responsáveis pela continuidade desse projeto da CUT?, afirmou Isaac.

A chapa da oposição não conseguiu eleger o número suficiente de representantes para disputar a eleição para a Diretoria Executiva no segundo turno.

Para o presidente do Sindicato, Valmir Marques da Silva, o Biro Biro, o processo eleitoral representou uma grande vitória para a categoria.

?Conseguimos eleger representantes nos 21 Comitês Sindicais e no Comitê Sindical dos Metalúrgicos Aposentados em um processo eleitoral histórico marcado pela transparência e pela democracia?, disse Biro Biro.

?Vamos repetir esse trabalho no segundo turno e referendar a nova Diretoria Executiva do Sindicato para a próxima gestão, garantindo a continuidade do projeto de liberdade e autonomia sindical da CUT em Taubaté?, afirmou Biro Biro que também é presidente da Comissão Eleitoral.
Enviada por Emerson Pereira, às 07:20 17/07/2007, de Taubaté, SP


César Vaia e a politização do PAN
Cariocas são usados como massa de manobra e empobrecem a imagem da cidade maravilhosa

A abertura dos jogos Panamericanos no Rio deixou de ser uma festa esportiva para se transformar na maior palhaçada política que este país já viu deste as horrorosas e reacionárias Marchas da Família com Deus pela Liberdade.

E este tipo de palhaçada sempre acaba muito mal para o povão brasileiro...

Vaia ideológica???

Os "cariocas" vaiaram o Lula quando ele entrou no Maracanã, quando ele foi cumprimentado, quando o nome dele foi mencionado. Vaiaram também a delegação da Bolívia e da Venezuela. Em resumo, seguiram o script para o qual foram treinados.

Como veremos mais abaixo as vaias foram orquestradas e muito bem ensaiadas.

Não só pela manipulação política feita, as vaias seriam injustas por si só, já que foi o governo Federal quem fez um esforço inédito para levantar o PAN e o próprio estado do Rio da desgraça criado ao longo das últimas décadas devido às irresponsabilidades de seus governantes e eleitores.

Sem bairrismos, é preciso que se diga: o governo Federal derramou caminhões de dinheiro para realizar o Pan. Foram mais de 4 bilhões de reais investidos nas obras de ginásios, piscinas, estádios, para reurbanizar as favelas, colocar a força de segurança nacional permanentemente lá, Enfim, para fazer tudo aquilo o que os incompetentes governantes da cidade maravilhosa não fazem.

Além disso, o governo Federal vem recuperando a malha de hospitais públicos do Rio; ampliando refinaria da Petrobrás; recuperando a indústria naval, que estava morta há anos, recuperando o Maracanã, etc.

É claro e evidente que os cariocas foram usados como massa de manobra. É triste, mas muito provável, que muita gente tenha aceitado participar desta palhaçada porque acha que o espírito do carioca é galhofeiro, piadista. Infelizmente, tem muita gente na Zona Sul carioca que acha que está fazendo piada ou demonstrando seu protesto votando em políticos como César Maia e na família Garotinho.

Já não existem muitas dúvidas de que foi realmente o Prefeito Cesar Maia (DEM, ex-PFL) que orquestrou a vaia anti-Lula e os aplausos para ele mesmo. Inúmeros jornalistas presentes perceberam o movimento, inclusive correspondentes estrangeiros. Eduardo Guimarães, em seu blog cidadania.com, mostra os índícios:

Indícios sobre as vaias Aos poucos, vai ficando mais claro o por que das vaias a Lula na abertura dos Jogos Pan-Americanos. Tenho a esperança de que algum órgão de imprensa independente vá fundo nesse assunto, porque os indícios de que o prefeito do Rio, Cesar Maia (PFL), usou dinheiro público para tentar desmoralizar Lula, são gritantes. Há testemunhas que relatam indícios que precisam ser investigados. (...).

Vamos aos indícios:
1º - A mídia está divulgando que os preços dos ingressos para a cerimônia de abertura do Pan ficaram entre R$ 20 e R$ 250. O objetivo é claro: pretende-se insinuar que os que vaiaram Lula são de todas as classes sociais. Não é bem assim. Segundo o portal Globo.com, os preços das entradas da Abertura do Pan foram de R$ 20, R$ 100, R$ 150 e R$ 250. Contudo, já no dia de abertura da venda de ingressos nas bilheterias do Maracanã, os de R$ 20 já estavam esgotados. Só havia os mais caros. Não se sabe, ainda, onde foram parar os ingressos "populares". Mas há indícios, como vocês verão no 2º item.
2º - Estão me chegando incontáveis relatos de que o prefeito Cesar Maia (PFL) promoveu ampla distribuição dos convites mais baratos para funcionários da prefeitura do Rio, sobre os quais ele detém poder de coação. Uma boa investigação descobrirá facilmente se o povão carioca não pôde assistir a cerimônia de abertura do Pan porque os ingressos de preços populares, que custam dinheiro público, foram entregues à claque de Maia.
3º - Estou recebendo vários relatos de que no dia da cerimônia de abertura do Pan, uma expressiva quantidade de ônibus lotados de funcionários da prefeitura do Rio saíram dessa mesma prefeitura rumo ao Maracanã. Com que ingressos os servidores públicos foram ao estádio se tais ingressos estavam "esgotados"? E por que saíram DA PREFEITURA?
4º - Há, no You Tube, um vídeo que mostra que as vaias a Lula foram "ensaiadas" um dia antes da cerimônia de abertura do Pan. Luiz Carlos Azenha divulgou em seu site o link para o vídeo.

A hipótese de as vaias a Lula terem sido orquestradas, é gravíssima.

Polícia Federal e Ministério Público têm obrigação de investigar. O dinheiro dos ingressos supostamente doados a funcionários da prefeitura do Rio, o custo dos ônibus que saíram da prefeitura do Rio com funcionários designados para puxar vaias contra Lula, se tudo isso se confirmar, terá havido crime. Será uso de dinheiro público para fins políticos de grupos privados.

O silêncio da mídia sobre o assunto constitui excelente indício de que essa bomba é poderosa e pode estourar. O feitiço poderá virar contra o feiticeiro. Se acontecer, será lindo.

Desde o começo, Cesar Maia tratou de transformar o PAN 2007 em sua bandeira política. Sem ter o que transferir para seu apadrinhado na próxima eleição municipal, ele se agarrou ao PAN com unhas e dentes. E fez um bom trabalho.

César Vaia queria ir além

Ele precisava ir além. Não podia permitir que Lula continuasse com aprovação crescente no Rio. Todas as pesquisas mostravam que Lula, junto com o Governador Sérgio Cabral (PMDB), era o nome que detinha maior confiança do eleitorado na indicação do candidato a Prefeito em 2008.

E a presença de Lula, com todo o peso do investimento Federal, só contribuiria para aumentar essa força, exatamente no terreno de Cesar Maia. A vaia a Lula era uma necessidade, principalmente porque teria todo o apoio da mídia conservadora. Está na cara que ela foi planejada, e muito bem planejada. Mas o autor deixou rastro.

Seria de bom tamanho se o Ministério Público investigasse isso tudo a fundo. Comprovando-se as suspeitas o governo Federal deveria fazer com que o prefeito carioca, não a prefeitura, pague as contas do Pan e ainda torná-lo inelegível como manda a lei em casos de improbidade administrativa e malversão de recursos públicos.
Enviada por Sérgio Bertoni / Almir Américo, às 10:30 16/07/2007, de Curitiba, PR / São Paulo, SP


A versão do cifrão: Índio morto em acidente de trabalho se ?suicidou?, diz advogado da Seara/Cargill
?A cega mentira cínica, que da verdade se esquiva? se vestiu de Cargill e adentrou o recinto da Justiça às 10 horas da manhã do dia 6 de julho de 2007 na 4ª Vara do Trabalho de Criciúma.

Está nos autos do Poder Judiciário Federal, da Justiça do Trabalho de Santa Catarina: o doutor Washington Antonio Telles de Freitas Júnior, OAB/SP nº 75.455, ?procurador da ré?, Seara/Cargill, ?disse que o acidente ocorrido em Sidrolândia ? MS, com o trabalhador Marcos Antonio Pedro foi decorrente de suicídio?. Esclareceu ainda que não estava ?prestando depoimento?.

A esposa de Marcos considera a alegação da empresa um despropósito. Ele havia acordado no horário de sempre, às três e meia da manhã, pois entrava no turno da madrugada. Era uma quarta-feira, 28 de março, e Marcos foi pegar o ônibus que o levaria até o frigorífico de Sidrolândia. Ele estava contente com a aproximação do Dia do Índio, 19 de abril, onde iria fazer uma apresentação de dança. A mãe de Marcos contou da sua animação e do convite para que fosse lhe visitar e ver de perto os preparativos. O irmão, Edílson, diretor da escola indígena, fez o mesmo relato, e das expectativas de Marcos com relação às filhas, de 3 e 5 anos, da oportunidade de aprender e progredir. Falou do futebol, da torcida do irmão pelo São Paulo e do caixão em que foi colocado aos 29 anos, menor do que o seu tamanho, da irmã desconfiada afastando as flores e vendo que os pés haviam sido cortados para que coubesse. ?Isso de falarem em suicídio é absurdo, muito cruel", desabafou Edílson, lembrando que na aldeia de quatro mil pessoas nunca se ouvir falar de um único suicídio entre os índios terenas.

Insegurança

O tanque de resfriamento de frangos (pré-chiller), a máquina que moeu Marcos vivo, não tinha a mínima segurança. Prova disso é que a direção da empresa determinou que fossem feitas mudanças no local antes mesmo da chegada dos fiscais do Ministério do Trabalho, pois seria uma confissão de culpa. Como denunciou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Sidrolândia, Sérgio Bolzan, o ambiente foi adulterado, numa atitude criminosa. Depois da tragédia, foram feitas inúmeras melhorias nos itens de segurança, desde a colocação de bordas de inox até o rebaixamento das plataformas móveis, a partir das quais era feita a limpeza.

Índio, 29 anos, Marcos morreu quando caiu dentro do tanque. Escorregou enquanto fazia uma limpeza rotineira de resíduos, com a máquina em movimento. "Queriam cortar o tanque e tirá-lo por baixo, mas, ao invés disso, o controle de qualidade da empresa determinou que se invertesse o movimento de rotação das espirais. Não deu certo e ele foi praticamente cortado ao meio", lembra Clodoaldo, auxiliar de inspeção geral na unidade. "Estive com a menina que presenciou tudo, ouviu os gritos de socorro, foi terrível, Marcos teve ainda a cabeça prensada", acrescenta.

Abuso

Mas, para o procurador da Seara, ?foi suicídio?. A solene mentira só está documentada porque a juíza Desirré Dorneles de Ávila Bollmann garantiu que constasse nos autos do processo ACP 01839-2007-055-12-00-2, movido pelo Ministério Público do Trabalho e pelo Sindicato dos Trabalhadores na Alimentação de Criciúma e Região contra os abusos praticados pela multinacional norte-americana.

O processo que corre em Forquilhinha, pequena cidade catarinense, é outro, não diz respeito diretamente à vida de Marcos, embora agora sirva para que seu nome não seja vilipendiado ? e a família indenizada. Em Forquilhinha também está instalado um frigorífico da multinacional, que exporta, para além de carnes de frango, a saúde e a segurança de muitos brasileiros, com a multiplicação das lesões por esforço repetitivo. A unidade emprega dois mil trabalhadores, submetidos, como amplamente denunciado, à mais absoluta barbárie. Uma vez detectada a gravidade de uma lesão, rua. A Ação Civil Pública que tramita na cidade está "calcada nos documentos juntados aos autos que indicam temperaturas inferiores a 10 graus nas salas de corte", diante do que a Justiça determinou que devem ser feitas pausas, além do fornecimento de melhores equipamentos de proteção individual contra o frio.

?Pelo procurador do Sindicato foi dito que, na verdade, o trabalhador leva o atestado e a empresa recusa o recebimento e ainda faz pressão para o funcionário pedir demissão. Como muitos casos que foram atendidos pelo Sindicato, razão pela qual não vê possibilidade do trabalhador individual ficar lutando contra a empresa?.

?Pelo procurador do Ministério Público do Trabalho foi dito que a empresa está se recusando a cumprir a lei no que diz a sua obrigação primeira de ter que notificar as doenças profissionais querendo atribuir esta obrigação exclusivamente ao trabalhador ou ao sindicato...?

?Pela MM Juíza foi dito que nos Estados democráticos o princípio da justice for all determina que o direito à vida pertence a todos, indistintamente, de tal sorte que o mister se faz conciliar o direito individual à saúde dos trabalhadores com os eventuais interesses econômicos e não sacrificar seja de um ou de alguns trabalhadores em prol da atividade empresarial?.

É o que está escrito.

leonardo@cut.org.br
Enviada por Nilson Antonio, às 15:50 13/07/2007, de Jaraguá do Sul, SC


Venezuela lança carro bolivairaniano!!!
Clique na foto para ver o Centauro
Não! A grafia acima não está errada. Bolivairaniano é fruto da junção de bolivariano com iraniano...

A Venezuela apresentou o fruto de uma parceria do governo Hugo Chávez com indústrias automotivas do Irã: o Centauro, que é baseado na plataforma do Peugeot 405 (fora de linha, mas ainda muito encontrado na França e comum em grandes cidades brasileiras).

Lá no Irã o carro chama-se Samand (nome de uma raça de cavalo de corrida), e é considerado o carro nacional do Irã. E poderá ser agora o carro nacional dos venezuelanos.

Com um motor 1.8 de quatro cilindros, 100 cv de potência máxima a 6.000 rpm e uma velocidade final de 185 km/h (os dados são do fabricante, a iraniana Khodro), o Samand-Centauro deve ser vendido aos venezuelanos por 23 milhões de bolívares, o equivalente a US$ 11 mil -- algo em torno de R$ 22 mil. O veículo é isento de IVA (imposto sobre valor agregado).

Assim, os venezuelanos poderão comprar um sedã três volumes médio, cujo porte pode ser comparado às versões sedã do Astra, Focus, Civic, Corolla, etc, pelo preço, no Brasil, de um Uno Mille 1.0 de duas portas. O Centauro tem como objetivo transformar-se num carro para transportar toda a família.

O outro carro iraniano que está sendo lançado na Venezuela, este realmente popular, é o Saipa 141, que ganhou o nome de Turpial (a ave nacional do país sul-americano). Menor que o Centauro, produzido no Irã pela Saipa, ele tem motor 1.3 de quatro cilindros, com potência máxima de 62cv a 5.500 rpm. Na Venezuela, custa 17 milhões de bolívares -- cerca de US$ 7.900, ou R$ 15,8 mil. Não há nenhum carro zero no mercado brasileiro vendido a esse preço.

O governo venezuelano prometeu distribuir cerca de 300 unidades do Centauro e do Turpial entre os cadetes da Força Armada Nacional, por meio de um convênio estabelecido entre a companhia mista iraniano-venezuelana de automóveis, batizada de Venirauto, o Banco de Fomento Andino (Banfoandes) e a Academia Militar.

A produção fos veículos fica a cargo da Venirauto, empresa criada para este fim, na qual o governo iraniano detém 51% das ações da empresa e o da Venezuela, 49%. A meta é atingir uma produção anual de 26 mil unidades até 2010. No final deste ano, deve colocar no mercado uma linha de caminhões leves.

A iniciativa é interessante porque aponta para para uma nova fase de desenvolvimento da indústria auto na Venezuela, praticamente restrita apenas a montar veículos estrangeiros. Mas também é preocupante, porque a população pode entender isso como um estímulo ao transporte individual e altamente poluente em detrimento do transporte coletivo e ecologicamente mais efeiciente.

Resta esperar para saber como o povo venezuelano irá reagir a esta iniciativa do governo bolivariano...
Enviada por Sergio Bertoni, às 08:15 13/07/2007, de Curitiba, PR


Mais uma dos neoliberais: Europa aperta cerco contra carne do Brasil
Quanto mais as exportações brasileiras de carne bovina crescem, mais ferozes são as reclamações na União Européia contra a entrada do produto no bloco

Aqui vai mais uma das maravilhas do neo-liberalismo euro-americano tão adorado pelos jornalões e pelas elites na América Latina. Ao mesmo tempo em que os europeus e norte-americanos exigem a abertura de nossos mercados para produtos industrializados de suas transnacionais, contando com apoio de governos latinos como o do Chile e do México, os europeus buscam desculpas sanitárias para barrar produtos provenientes dos países em desenvolvimento.

Vimos em matéria anterior os repetidos ataques contra os produtos "chineses". Nesta veremos que o alvo é também a carne do Brasil.

Pergunta-se:
- Como podem eles questionar a qualidade do gado brasileiro, alimentado naturalmente com capim, quando o gado na Europa é alimentado com ração proveniente da soja, muitas vezes transgênica, e de farinhas mil, como aquela de osso que levou à epidêmia da "Vaca Louca"???
Todos sabemos que o principal foco desta doença estava exatamente na Inglaterra e na Irlanda!!!
- Quantos animais eles não tiveram que sacrificar por lá para tentar conter a doença???

Não se trata aqui de discutir a coisa a partir do ponto de vista nacionalista em defesa do boi e do criador brasileiro. Trata-se de denunciar a desfaçatez, a cara-de-pau mesmo, com que os poderosos euro-americanos apresentam suas armas para manter seu status-quo de nações colonizadoras e mais favorecidas pela pobreza reinante nos países do terceiro-mundo.

O bombardeio, liderado por pecuaristas irlandeses, chegou agora ao ombudsman da UE, recurso nunca antes utilizado por representantes europeus do setor agropecuário. O ombudsman investiga casos de má administração em instituições e organismos do bloco. O alvo da ira de um grupo de 12 associações da Grã-Bretanha e Irlanda é o comissário de Saúde e Proteção do Consumidor da UE, Markos Kyprianou, acusado de facilitar a entrada da carne brasileira e de interferir nos direitos dos agricultores europeus.

Sob fogo cerrado, a comissária de Agricultura da UE, Mariann Fischer Boel, também pressiona Kyprianou a realizar "uma convincente e efetiva" investigação sobre acusações domésticas como o uso de hormônios e desrespeitos socioambientais no processo produtivo no Brasil. A ofensiva prosseguirá na segunda-feira, quando o Comitê de Agricultura do Parlamento Europeu examinará um relatório preparado por uma missão não oficial enviada ao Brasil pelos irlandeses para coletar munição.

De acordo com o ex-ministro Pratini de Moraes, presidente da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne Bovina (Abiec), as acusações são baseadas em visitas "a propriedades que ninguém conhece", de regiões que não exportam carne. "Eles não visitaram nenhum frigorífico associado à Abiec", afirma o executivo. Ele observa que a UE já enviou várias missões oficiais ao país para vistoriar a produção de bovinos e fez observações e recomendações, mas sem qualquer condenação.

O verdadeiro problema, diz Pratini, é comercial, já que no caso de cortes nobres a carne européia chega a ser vendida no varejo a preço oito vezes maior que a brasileira. E, com tamanha diferença, as importações da UE seguem em alta, colaborando para o contínuo aumento dos embarques do Brasil, que no primeiro semestre totalizaram US$ 2,2 bilhões.

Se depender das mudanças estruturais em curso na cadeia bovina do país, as reclamações vão aumentar. Com a profissionalização dos frigoríficos - Friboi e Marfrig já abriram o capital -, problemas fiscais e sanitários são mais fortemente combatidos e a eficiência da cadeia tende a crescer.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:20 12/07/2007, de Curitiba, PR


China o novo inimigo da "civilização" ocidental???
Interesses transancionais se aproveitam das chamadas "vantagens comparativas" da China e agora tentam transformá-la no inimigo público número 1

Tá certo que a China é um "terror" no plano dos direitos humanos e trabalhistas: mão de obra semi-escrava, devastação do meio ambiente, falta de liberdade de organização dos trabalhadores, etc. Isso não é novo, mas nada disso impediu que as grandes potências se associassem aos chineses de olho nos fabulosos lucros que a economia chinesa proporcionava, proporciona e proporcionará.

O triste é que, os mesmos que se aproveitam das "vantagens comparativas" chinesas agora querem combater os chineses não com as armas da negociação, mas o terrorismo.

Em 11 de julho a BBC repetiu o dia todo matérias sobre os perigos para a saúde pública britânica causados por produtos chineses (pasta de dente, ração para cachorro, medicamento, etc). No dia 12 nos deparamos com a matéria paga aí em baixo.

Enfim, a OTAN e os interesses transnacionais que ela defende, não precisa de exército. Eles tem a imprensa "livre, independente e democrática" para fazer qualquer serviço sujo.

Não discuti-se aqui o conteúdo das matérias não, pois os chineses andam fazendo qualquer coisa para ganhar dinheiro.

Discuti-se aqui o modus-operandi do terrorismo midiático, disponível para fazer qualquer serviço sujo em defesa dos interesses do imperialismo euro-americano.

O mesmo acontece com relação aos biocombustíveis brasileiros, aos grupos de países em desenvolvimento para defender seus interesses, ao aquecimento global, etc, etc, etc.

Almir Américo

Medo do 'made in China' cresce nos Estados Unidos
Riscos à saúde estimulam movimentos contra produtos chineses

Houve um tempo em que as palavras 'made in China' evocavam imediatamente a idéia de 'inferior'. Ultimamente, muitos americanos têm pensado em 'perigo'.

Depois de notícias sobre pasta de dentes envenenada, pneus que se despedaçam e peixes e ração de animais de estimação contaminados, quem não se assustaria? (ler mais na pág. A15) Para alguns, no entanto, esses temores são um sonho que vira realidade. É o caso de políticos, criadores de bagre e ativistas pró-direitos do consumidor, para citar apenas alguns.

Durante anos, esses grupos questionaram a salubridade dos produtos da China enquanto faziam campanha por suas causas. Agora, eles comemoram a chance de um ataque reforçado. Os produtores de bagre e camarão do sul do país, por exemplo, invocavam imagens de tanques asiáticos borbulhando com antibióticos e poluentes, mas não recebiam atenção dos órgãos reguladores.

'Detectamos produtos químicos proibidos e outros aditivos nos peixes há bastante tempo', disse Dick Stevens, executivo-chefe da Consolidated Catfish, no Mississippi. 'Mas fomos praticamente ignorados quando dissemos isso.'

Os fazendeiros das Grandes Planícies têm feito campanha pela inclusão do país de origem no rótulo dos produtos agrícolas, acreditando que as iniciais 'USA' garantem vantagem. Em 2002, foi aprovada uma lei para incluir a informação na maioria dos produtos agrícolas, mas as indústrias de carnes e outros alimentos lançaram uma campanha e conseguiram impedi-la de entrar em vigor, a não ser para frutos do mar. Agora, a China oferece, sem querer, um impulso à sua causa.

'Creio que vocês percebem, com esse escândalo chinês, que os problemas no suprimento de alimentos representam riscos reais para as pessoas e os animais de estimação', disse o senador democrata Kent Conrad, de Dakota do Norte. 'As pessoas acreditam ter o direito de saber de onde vem sua comida.' O advogado William Marler diz que as notícias sobre alimentos contaminados da China criaram muitas oportunidades. Ele é especializado em representar clientes que adoeceram por consumir alimentos estragados. Seu caso mais recente foi contra o fabricante de um produto chamado 'Veggie Booty', um salgadinho popular entre as crianças. Em alguns sacos, o tempero 'veggie' (vegetariano), fabricado na China, estava contaminado por salmonela, que deixou ao menos 57 pessoas doentes.

'Meu palpite é que, com o aumento da globalização, os bilhões de dólares em jogo e a negação do problema pelos chineses, é melhor eu recapitular meu chinês', escreveu Marler em seu blog.

No Congresso, os problemas com os produtos chineses já renovaram a argumentação dos defensores dos direitos do consumidor e dos parlamentares que, no fim dos anos 90, opuseram-se ao ingresso da China na Organização Mundial do Comércio (OMC). Na época, a maioria das objeções envolvia direitos humanos, trabalho e meio ambiente. Agora, a questão é a segurança.

'Aplicamos padrões bem rígidos para alimentos e drogas', afirmou a deputada democrata Marcy Kaptur, de Ohio. 'Os importadores estão sempre tentando diminuir essa rede de segurança.' Obviamente, o impacto dos escândalos a longo prazo dependerá de quantos produtos com defeito ainda surgirão e - por mais sombrio que possa soar - de quantas pessoas ou animais de estimação ainda poderão se ferir, adoecer ou morrer. De qualquer modo, eis um palpite razoável: um pedido dos chineses para exportar frango cozido para os EUA, em estudo pelo Departamento de Agricultura, será arquivado.

Enquanto isso, outros grupos também esperam ser beneficiados. Os congressistas que defendem padrões mais rígidos para o sistema de segurança alimentar do país agora têm mais um exemplo do que pode dar errado quando a vigilância falha. E os protecionistas têm mais um argumento contra os acordos de livre comércio.

Mas a realidade é que as importações de produtos da China continuarão a crescer. Os artigos simplesmente são baratos demais e estão por toda parte.

Sara Bongiorni já sabe disso. Ela decidiu que sua família tentaria passar um ano inteiro sem usar produtos fabricados na China. Suas descobertas estão detalhadas no livro recém-lançado A Year Without 'Made in China': One Family's True Life Adventure in the Global Economy (Um ano sem 'Made in China': a aventura real de uma família na economia global).

'Em nenhum lugar é possível viver uma vida normal sem comprar coisas da China', diz Bongiorni. Ela observa, por exemplo, que quase todos os aparelhos telefônicos fixos e celulares são fabricados lá.

Nota desta redação: Quem são os gringos e os europeus para questionar a China?
Afinal, na época do comunismo maoísta os chineses andavam de bicicleta, usavam seus uniformizinhos cinzas e não tomavam Coca-Cola, nem comiam hamburgues ou se locomoviam em automóveis. Todas esta porcarias foram introduzidas na China graças a aliança entre pseudo-comunistas chineses e a elite capitalista transnacional que abriu as portas para que as empresas ocidentais levassem para a China seu "know-how". Agora elas estão lá e produzindo porcaria, explorando os chineses e fechando postos de trabalho no ocidente. E a grande maioria destas empresas tem suas sedes na Europa ou nos EUA!!!
Senhores, não há de se reclamar da China, nem estigmatizá-la, pois seu povo continua vivendo mal e sendo explorado barbaramente.
É preciso lutar contra aqueles que financiam e se beneficiam das chamadas "vantagens comparativas" chinesas, ou seja, as grandes potências ocidentais e os grupos transnacionais.
Enviada por Almir Américo, às 08:45 12/07/2007, de São Paulo, SP


Argentinos protestam em frente à embaixada do Brasil em Buenos Aires
A BBC Brasil noticiou que "a sede da embaixada do Brasil em Buenos Aires foi cercada nesta quarta-feira por dezenas de policiais que tentam evitar a aproximação de caminhoneiros argentinos.

Eles protestam contra pagamentos atrasados da cervejaria Quilmes, que pretence ao grupo brasileiro Ambev."

Alguém precisa avisar aos argentinos que protestam e aos birtâncios que divulgam a notícia que a AmBev é só um dos tentâculos da transancional belga e maior cervejaria do mundo, a InBev.

O protesto deveria ser em frente à embaixada da Bélgica, pois quem manda na AmBev e na Quilmes são os capitalistas belgas.

Enquanto os europeus se protegem, os latinos se atacam. Seria culpa só do imperialismo???
Enviada por Almir Américo, às 08:16 12/07/2007, de São Paulo, SP


A direita continua achando que o povo brasileiro é babaca
Car@s companheir@s e amig@s,

A direita nacional acha mesmo que o povo brasileiro é idiota e babaca e reafirmam isso a todo momento.

Vejam este artigo de Edward Amadeo, sócio de Armínio Fraga* na Gávea Investimentos.

É só eleogio para o "Farol de Alexandria", como diz Paulo Henrique Amorim.

É pura babação de ovo nas realizações (sic!, argh! blakh!, uuugo!) do "principe" dos sociólogos.

É só revelações:

- FHC consolidou a democracia!
- Salvou o sistema bancário!
- Melhorou a educação!
- Privatizou acertadamente as mineradoras!
- Aumentou a produtividade do país!
- Baixou os preços das telecomunicações!
- Aumentou o bem-estar dos cidadãos!
E até o golpe do câmbio na crise 98-99 é considerado como passo importante para diminuir o dreno da poupança pública no país!!!!!

Só falta dizer abertamente que a estabilidade mundial é obra de FHC.

Se FHC é este gênio todo, que fez todas estas "bondades" para o Brasil e o mundo, das duas uma:

- ou deveria estar no lugar do Cristo Rendentor como uma das novas 7 maravilhas do mundo;
- ou o povo brasileiro é babaca e ingrato porque votou contra o candidato do FHC.

Só podemos concluir isso deste artigo altamente ideológico, um verdadeiro panfleto de direita publicado no Valor Ecônomico desta quarta-feira 11.07.07.

É, realmente a grande imprensa não tem jeito. Não se emenda e segue na tentativa de fazer um quinto turno (mesmo já tendo perdido 4 - 2 de 2002 mais 2 de 2006) para recolocar no governo federal aqueles que tanto ama. Nossa elite não se importa com o fato da aliança dem-tucana ter detonado o país.

Eles nunca conseguiram aceitar nem governos trabalhistas ou sociais-democratas controlados por gente proveniente da própria elite branca e sulina. Porque aceitariam um governo dirigido por um ex-metalúrgico nordestino???

A esquerda e o movimento sindical precisam se ligar, parar de frescura, de divisionismo babaca e infantil. É momento de começar a pensar grande. Já passou da hora de termos um grande orgão de imprensa moderno e inteligente que possa contrapor-se a hegemonia da mentira, da ideologia, da direitona atrasada.

* Para quem não se lembra: Armínio Fraga foi presidente do Banco Central. Como Armínio era funcionário do mega-especulador George Soros na época em que foi nomeado para o BC, Vicentinho, então presidente da CUT declarou que FHC estava "colocando a raposa para tomar conta do galinheiro"...Nada estranho, portanto, que seu sócio repita as mesmas mentiras tucanas e globais. Eles sabem a serviço de quem estão.
Como sabemos, no sentido marxista do conceito, Ideologia é uma versão falsa da realidade, é a falsificação dos fatos, ou seja, no popular - mentira!

Sérgio Bertoni

Para não olvidar as verdadeiras causas

Por Edward Amadeo

O Brasil passa por um bom momento de sua história. O crescimento do PIB está caminhando para 4-5% e a inflação abaixo de 4%. A quem se deve creditar esse sucesso: ao governo Lula ou ao governo FHC? Se fosse para listar um conjunto de dez fatores que explicam o desempenho das economias, os destaques seriam: a educação, a política macroeconômica, a situação fiscal, o fomento à poupança, a abertura da economia, a solidez do sistema financeiro, o desenvolvimento do mercado de capitais, o ambiente de negócios, a governança das empresas, a flexibilidade do mercado de trabalho e a capacidade do governo de promover reformas. Em todos os itens, o Brasil hoje está muito melhor que há 10 anos atrás.

Na educação, o maior trunfo de FHC foi colocar todas as crianças na escola. O governo Lula privilegiou a universalização do acesso às universidades, o que é botar a carroça na frente dos bois - enquanto não houver melhora na qualidade da educação pública fundamental e média o acesso às universidades será necessariamente desigual.

No primeiro mandato do governo FHC, houve uma inconsistência entre as políticas fiscal e cambial. Com o fiscal e o prêmio de risco país piorando, o real deveria depreciar. Mas a política de combate à inflação fazia o BC evitar a depreciação. Essa inconsistência se corrigiu a partir de 1999 com o ajuste fiscal e a adoção do sistema de câmbio flutuante. O governo Lula manteve a política econômica - em particular a independência do Banco Central - o que permitiu a queda da inflação.

O aumento do superávit primário no período FHC veio acompanhado de algo mais estrutural - a assunção de esqueletos e a renegociação das dívidas dos Estados e municípios -, e a criação de um arcabouço legal para evitar uma nova onda de endividamento, a chamada Lei de Responsabilidade Fiscal. Essas duas medidas deram transparência aos dados e tornaram muito mais difícil um retrocesso fiscal, com o que contribuíram para a redução do risco-país, das taxas de câmbio, juros e inflação.

O ajuste fiscal, desde 1999, foi um passo importante para diminuir o dreno de poupança do setor público. O governo Lula teve a oportunidade de avançar nessa direção, reduzindo o crescimento dos gastos com custeio e transferências, e aumentando os gastos com investimentos, mas o que tem se visto é exatamente o oposto.

FHC consolidou a democracia e avançou com reformas difíceis, em um ambiente de oposição hostil, e Lula, com uma oposição cooperativa, não fez reformas.

O sucesso da estabilização, bem como o aumento dos saldos comerciais, se beneficiaram de uma medida do governo Collor: a redução das barreiras às importações. Essas medidas foram relevantes porque aumentaram a competição externa e valorizaram os setores com vantagens competitivas, como a agropecuária e as indústrias de exploração de recursos naturais - que explicam o boom das exportações no governo Lula. Com exceções pontuais, nem FHC nem Lula cederam à tentação de elevar tarifas. Porém tampouco levaram adiante qualquer medida para tornar a economia mais aberta.

O sistema financeiro foi abalado pela desinflação desde 1995 porque muitos bancos sobreviviam graças à inflação. O governo FHC teve que lidar com a liquidação de bancos privados e públicos, com todas as repercussões fiscais e políticas que elas criam. Se tivesse empurrado com a barriga, mais dia, menos dia, teria que lidar com uma crise bancária ou com a inadimplência dos bancos estaduais, ambos mais caros e mais complicados que as liquidações. Nessa mesma área, o governo FHC promoveu a capitalização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal, o que fez mudando o sistema de governança dos dois para reduzir o risco de que a insolvência se repetisse.

O governo FHC fez privatizações que aumentaram a produtividade das empresas, o bem-estar dos cidadãos e as exportações brasileiras. O caso mais bem-sucedido foi, sem dúvida, o das telecomunicações que barateou preços e abriu espaço para o aproveitamento dos avanços tecnológicos no setor.

Outro caso de muito sucesso foi a privatização das empresas de exploração de minérios. O salto de investimentos e produtividade da Companhia Vale do Rio Doce e Companhia Siderúrgica Nacional deram origem a empresas preparadas para aproveitar o boom de commodities dos últimos anos e contribuir para o aumento do saldo comercial. O setor de portos que, além da privatização propriamente dita, teve que lidar com uma estrutura sindical obsoleta, é outro exemplo em que a iniciativa privada está investindo com excelentes resultados.

Durante o governo FHC, houve avanços menos impressionantes nos setores de geração de energia e concessão de rodovias. Nos dois, o governo Lula claramente retrocedeu: não se tem notícia de investimentos privados relevantes em geração elétrica e o processo de licitações de rodovias foi sustado no início do segundo mandato.

Por fim, é importante mencionar as inovações no mercado de capitais - a introdução do novo mercado e a aprovação da lei das SAs - que, ao lado da redução da taxa de juros, são responsáveis pelo boom das ações negociadas pública e privadamente. Esse canal de financiamento pode ser a origem de uma onda de investimentos em um segmento que jamais floresceu no Brasil, o das pequenas e médias empresas. O governo Lula contribuiu para essa agenda com a aprovação da nova lei das falências.

A agenda de reformas está inacabada. A reforma da previdência está incompleta, a reforma trabalhista nem começou. A privatização da geração elétrica e as concessões de rodovias foram interrompidas. As PPPs não saíram do papel. A redução das tarifas de importação ficou escondida atrás das negociações multilaterais. A autonomia das agências regulatórias está aquém do necessário para dar estabilidade e segurança aos investidores.

Quanto à pergunta inicial, a resposta é inequívoca. FHC consolidou a democracia no país e avançou com reformas difíceis em um ambiente de oposição hostil, para dizer o mínimo. Lula, mesmo com uma oposição cooperativa, não fez reformas. Deve-se creditar ao governo FHC o atual momento da economia brasileira.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:05 11/07/2007, de Curitiba, PR


Sindicatos de 5 países querem apóio de seus governos ao Brasil
A notícia abaixo é uma das mais interessantes coisas que eu li ultimamente.

A disputa entre os países em desenvolvimento e as potências no hemisfério norte começa a mobilizar e posicionar os representantes dos trabalhadores na América Latina.

Os governos do Chile e Peru tentam fragmentar a coesão conquistada pelo Brasil, Índia, África do Sul e outros do G20, mas não contam com apoio de seus trabalhadores.

É um fato marcante que a classe trabalhadora se organize para pressionar seus governos na direção de uma coesão desenvolvimentista.

Acho até que as centrais sindicais deveriam criar um fórum internacional paralelo à cada rodada de negocição da pauta de "Doha" para deixar claro o seu apoio e criar um fato político marcante. Se não fizer a turma do Bové vai fazer seu barulho lá para manter os injustos subsídios europeus.

Acho que o governo brasileiro precisará de apoios institucionais de toda natureza, sobretudo dos trabalhadores, pois claramente os europeus e americanos identificam o Brasil como o líder nas negociações em curso.

Almir Américo

Pedido é dos trabalhadores do Chile, Colômbia, Costa Rica, Peru e México

Por Jamil Chade

GENEBRA - Sindicatos de trabalhadores do Chile, Colômbia, Costa Rica, Peru e México pedem que seus governos se unam ao Brasil nas negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC). Esses países propuseram há duas semanas uma abertura dos mercados dos países emergentes para produtos industrializados que ia além do que o Brasil estava disposto a oferecer.

A iniciativa foi considerada como um racha e uma demonstração da fragilidade da união entre os países em desenvolvimento da América Latina. O chanceler Celso Amorim chegou a ligar para as autoridades chilenas para tentar uma reaproximação. Agora, são os sindicatos de trabalhadores desses governos que decidem pedir que o grupo faça uma revisão de suas posições, alertando que a abertura proposta traria conseqüências "preocupantes".

A proposta sugere que as tarifas de importação para bens industriais sejam reduzidas dos atuais 33,6% para 12,5%. "Não podemos apoiar essa proposta", afirmam os sindicatos em uma carta enviada aos governos.

Já a proposta do Brasil, apoiada pela Argentina, África do Sul, Venezuela, Índia e outros governos, indica que o corte máximo que poderiam aceitar seria de 50% nas tarifas.

Tanto os Estados Unidos como os europeus se recusaram a negociar diante das bases da proposta do Brasil e o fracasso nas negociações da conferência de Potsdam, no mês passado, ocorreu em parte por causa dessas diferenças. Já as idéias de Peru, Chile e dos demais países latino-americanos foram consideradas como "positivas" pelos americanos e europeus.

Divergências

Mas os sindicatos dos trabalhadores têm outra opinião. "Não é o momento adequado de se apresentar propostas que sejam satisfatórias para os interesses dos Estados Unidos e Europa", diz a carta, assinada pela Central única do Trabalhadores do Chile, Confederação dos Trabalhadores da Colômbia e outras cinco entidades.

Tanto Washington como Bruxelas estimam que somente poderiam apresentar propostas amplas de liberalização do setor agrícola quando forem retribuídos com a abertura dos mercados emergentes. Para os sindicatos latino-americanos, porém, essa lógica não deve prevalecer:>br> "O acesso aos mercados agrícolas não deveriam ser obtidos em troca de uma desindustrialização ou de compromissos que impeçam os países a se industrializar", afirmam.
Enviada por Almir Américo, às 08:59 11/07/2007, de São Paulo, SP


O que dirá Miriam Leitão???
Antes de ficar nervoso com a babaquice global ou com as previsões de Leitão, leia abaixo os artigos Etanol não encareceu alimentos de Alberto Tamer e Lula diz que Brasil não aceitará "cartel dos poderosos" contra biocombustíveis da Agência Brasil

Por Paulo Henrique Amorim

. O Ibama finalmente resolveu aprovar as duas usinas do Rio Madeira: o bom senso prevaleceu

. A história de "apagão energético" em 2011 é outra previsão catastrófica, que Tolmasquim refuta nessa mesma entrevista.

. Nesta segunda-feira, dia 09 de julho, saiu a pesquisa Focus do Banco Central, com o resultado das opiniões de economistas de instituições particulares.

. A previsão para o crescimento do PIB subiu na última semana.

. 2007 e 2008 terão crescimento econômico acima de 4%.

. A inflação ficará abaixo da meta fixada pelo presidente Lula: 4,5%, em 2007 e 2008.

. A balança comercial e o saldo em contas correntes devem crescer; e o investimento estrangeiro direto será de US$ 20 bilhões em 2007, e outros US$ 20 bi em 2008.

. Ou seja, as perspectivas econômicas são brilhantes ? SEGUNDO A OPINIÃO DOS AGENTES PRIVADOS QUE RESPONDEM À PESQUISA FOCUS.

. O que a mídia conservadora (e golpista) pode fazer para derrubar o presidente Lula e/ou impedir que seu Governo seja bem sucedido e ele possa fazer o sucessor ?

. A mídia vai fazer qualquer coisa para botar areia nas hidrelétricas do Madeira e nas previsões da Focus.

. Como diz o Globo, a mídia vai "empacar" o PAC.

. Como fez a Miriam Leitão, que demonstrou por "a" mais "b" que construir as duas usinas no rio Madeira era uma ameaça ao equilíbrio da Humanidade (e dos bagres).

. A próxima trincheira da Miriam Leitão é desmontar o programa de bio-combustivel, um dos pontos centrais do Governo Lula (e para o futuro do Brasil).

. Ela invoca duas teses que não ficam de pé ? que vai faltar comida por causa da cana e que a cana vai desmatar a Amazônica.

(O Governo Lula deveria dar de graça uma gleba do Governo na Amazônia à Miriam Leitão, para ver se ela consegue fazer o que ninguém conseguiu fazer até hoje: produzir cana, com eficiência, no solo amazônico ...)

. O meu amigo Luis Hafers, que foi presidente da Sociedade Rural Brasileira, me contou ontem que fez várias tentativas de telefonar à Miriam Leitão, mas não consegue ser atendido.

. Ele tentaria demonstrar que a cana vai crescer em cima da pastagem.

. E que o Brasil é um produtor de carne tão eficiente, que, cada vez mais, precisa de menos pastagens para produzir carne...

. Outra trincheira da mídia conservadora (e golpista), agora com o apoio de seu principal ideólogo, o Farol de Alexandria e seu Instituto, é minar o Governo Lula com a tese de que a questão central do Brasil é a violência.

. Aparentemente, não é mais "a crise de valores", desde que o problema de Renan Calheiros ? usar dinheiro de empreiteiro para pagar a conta de um filho fora do casamento ? bateu na trave dos tucanos ...

. A mídia, agora, tentará provar que o Rio ? a capital do problema da violência ? é irrecuperável.

. E a tentativa do Presidente Lula de usar dinheiro do PAC para urbanizar as favelas do Rio e retomar dos traficantes o controle do território, como o do Alemão, resultará inútil.

. A mídia conservadora (e golpista) de São Paulo faz aí uma combinação sinistra.

. Primeiro, tenta colar o problema da violência no Governo Lula (como se a ocupação de São Paulo pelo PCC tivesse ocorrido num governo não-tucano).

. E segundo, revela um traço separatista da "elite branca" paulista: desvalorizar e demonizar o que se encontra pelo caminho quando você segue para o Norte, na Via Dutra.

. Na hora em que o Vale do Paraíba do Sul entra no Rio, os valores são outros, menores.

. A distância de São Paulo para o resto do Brasil ? segundo essa visão tétrica da "elite branca", expressa na mídia conservadora (e golpista) de São Paulo ? se amplia aceleradamente.

. Breve assistiremos em São Paulo à criação do partido Forza Itália ? o que estará na capa da revista Veja ?, ou ao ataque ao Forte Sumter, no próximo dia 09 de julho.

Em tempo: o "Bom (?) Dia Brasil" desta manhã conseguiu transformar a licença para construir as usinas do Madeira numa péssima notícia. Os cinco notáveis especialistas ? Renato Machado, Renata Vasconcellos, Claudia Bom (?) Tempo, Miriam Leitão e Vladimir Neto ? botaram defeito na licença, nas usinas e cantaram a mesma ladainha: vai faltar energia em 2009, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 ... Por que será que a Globo não conseguiu prever o apagão do Governo do Farol de Alexandria ?

Enviada por Almir Américo, às 13:51 10/07/2007, de São Paulo, SP


Contradição: Mega-Shows poluem em 1 dia mais que 4.000 pessoas em 1 ano!!!
Live Earth, mega-shows em defesa da natureza, emitiu 31,5 mil t de CO2, calcula cientista

Os mega-shows em defesa da causa ecológica realizados no sábado, 07 de julho de 2007, em nove cidades do mundo emitiram 31,5 mil toneladas de dióxido de carbono, segundo estimativa do cientista John Buckley, do site carbonfootprint.com.

O cálculo, realizado a pedido do jornal inglês "The Observer", considerou deslocamento de artistas e público e consumo de energia no Live Earth. O total equivale, em média, ao que 4.000 latino-americanos lançam na atmosfera em um ano.

Quanta contradição?

Ao mesmo tempo em que os primiero-mundistas têm iniciativas "bonitas" em defesa do meio-ambiente, como esta mais poluente que 4000 almas, criticam experiências provenientes do terceiro-mundo que efetivamente reduzem o consumo de energia e apresentam alternativas para sua geração sustentável.

É um verdadeiro disparate, mentiras deslavadas, para poder manter o status-quo que impuseram ao mundo há séculos por meio de invasões, guerras, violências de todo tipo, escravidão e extermínios étnicos e religiosos.

O petro-cartel está se armando de calúnias na vã tentativa de inviabilizar os biocombustíveis em escala global. Não lhes interessa a fragmentação do poder exclusivo que a oligarquia euro-americana estabeleceu a custo de sangue e corrupção.

Compraram famílias reais inteiras, subornaram governos, depuseram outros e fizeram guerra em todos os cantos, onde os povos nativos não se submeteram aos caprichos da "civilização" (sic!) ocidental.

Os líderes das "potências" ocidentais, viciadas em combustíveis fósseis e incapazes de encontrar alternativas economicamente viáveis no curto e médio prazo, começam a reproduzir as palavras que os lobistas do petro-cartel lhes colocam na boca. A imprensa vendida, idem.

A diplomacia brasileira tem que abrir caminhos, descobrir onde são menores os focos de resistência e trabalhar por aí. O nosso norte é o Sul. A libertação do Sul será obra do próprio Sul.

O primeiro-mundo é uma farsa. É marketing. Querem despoluir o mundo fazendo concerto de rock e propaganda do tipo "estou fazendo minha parte". A mesma transnacional que polui rios, ares e mares, financia o plantio de algumas mudas de árvore e gasta mais dólares ou euros na divulgação do fato que na compra das próprias mudas plantadas.

Poluíram o mundo com suas indústrias e seu modinho de vida consumista. Agora querem se passar de bonzinhos e cobrar a fatura da desgraça toda da China e da Índia. Ninguém assume sua parte.

Eis que "de repente", mas nem tão de repente assim, pois o Brasil está nessa desde meados dos anos 1970, aparece uma proposta para reduzir a escala da desgraça, o etanol, a ser produzido em países do terceiro mundo e a resposta deles é: imposto de importação de 55%, sendo que o petróleo não paga nada, "não aceitamos etanol sujo", "vão destruir a Amazônia", e blá blá, blá. Quem são eles para nos dizer como preservar a Amazônia quando destruíram todas as suas florestas naturais??? É a euro-hipocrisia!

Com contribuições de Almir Américo e Sérgio Bertoni
Enviada por Cidinha Domingues, às 13:40 10/07/2007, de São Paulo, SP


Etanol não encareceu alimentos
Por Alberto Tamer

Mais uma onda de reação ao etanol. A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), que antes era favorável, agora mudou (por que será?). Associa-se à Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) para dizer que o álcool combustível é bom, tem futuro no Brasil, mas ameaça os preços dos alimentos. Uma estranha coincidência (será?) divulgar o relatório nas vésperas da reunião sobre o tema, em Bruxelas, onde Lula foi o principal convidado. Isso confirma apenas que o lobby da Opep ganha força e agressividade. Afinal, seus integrantes embolsam dezenas de bilhões de dólares vendendo por US$ 74 o petróleo que produzem por US$ 10 o barril.

É mentira deslavada! Lula reagiu à altura. Por que não falaram no aumento do preço dos alimentos quando o petróleo pulou de US$ 28 para US$ 74? Ninguém respondeu porque não tinha o que responder.

OS PREÇOS SUBIRAM ANTES

Mas Lula perdeu excelente oportunidade para refutar a grande mentira endossada pela OCDE e pela FAO, a de que o etanol é a causa da elevação dos preços dos produtos agrícolas. Mentira, mentira deslavada e vergonhosa que precisa ser desmascarada. Por quê? Nos últimos 12 meses, os preços de todas as commodities agrícolas, metálicas e minerais explodiram! E o etanol ainda nem havia entrado no mercado! Vamos aos números.

1) Em 12 meses, o índice em dólar de todas as commodities aumentou 22,7%, com base em 2000.

2) O das commodities alimentícias subiram 28,7%.

3) Dos metais, 23,5%.

4) De todas as commodities industriais, 17,9%.

A fonte é a revista britânica Economist, que publica semanalmente a evolução dos preços.

FOI A CHINA

O que aconteceu? Ora, todos sabem. Peter Mandelson sabe, Susan Schwab sabe, Durão Barroso sabe. Mas não admitem e não dizem. Os preços de todas as commodities - e não só as agrícolas, senhores "protetores da humanidade" - explodiram quando a China entrou no mercado comprando tudo o que precisava. Alimentos, minerais, tudo. A culpa não é nossa. É dela.

Tomem nota, senhores que contestam; atente para isso, presidente: "Os preços dos alimentos aumentaram antes, muitíssimo antes de o etanol ter surgido como opção parcial para combater o aquecimento global. Ele não gera fome, gera a salvação ambiental. E essa fome consumidora dos países emergentes recém-chegados ao mercado vai continuar, pois a China cresce a 10,8%, a Índia, a 9,1%, e a Rússia, a 7,9%, sem contar outros asiáticos. Esse é um problema antigo e o etanol é novo.

EUA, TEIMOSIA IRRACIONAL

E os EUA? Esse é um caso especial de teimosia inspirada em falso geopoliticismo. Eles insistem em produzir etanol do milho a um custo de US$ 65, quando o etanol da cana não passa de US$ 35. E ainda gastam US$ 4,5 bilhões subsidiando a produção. Poderia ser compensador ante os US$ 74 do petróleo, mas não é, pois este produz uma gama de produtos essenciais, como a nafta, não só gasolina.

Argumento: não queremos depender do etanol importado. Sim, mas continuam dependendo do petróleo em US$ 74, que importam desse imprevisível Oriente Médio islâmico que fanatizou o petróleo e nos mantém como reféns?

Os americanos absorvem 21 milhões barris por dia e importam 60% do que consomem. Um dia, terão de optar entre importar etanol do Brasil ou aceitar um aumento ainda maior dos preços dos alimentos, provocado pela redução da área plantada com produtos agrícolas em favor do milho. É ilógico, é irracional, mas é isso. São cautelosos quanto à sua soberana independência, mas terão de se curvar ao etanol, como se curvam ao petróleo do Oriente Médio, entre eles o do Irã. O problema é inteiramente deles, não nosso. Estamos investindo em 86 usinas até 2012. Teremos etanol para quem quiser, sobretudo para China e Japão, que está construindo gasodutos aqui.

MAIS IRRACIONALIDADE

Os EUA taxam pesadamente o etanol de cana para proteger os produtores de milho, que subsidiam. Com isso, porém, pressionam o preço do etanol, do milho e de outros produtos que consomem internamente. E depois vêm culpar o etanol... Por que não deixar o nosso produto entrar por US$ 35 para substituir o deles, de US$ 65, e incentivar os fazendeiros para que continuem a produzir milho e outros grãos a preços menores para o mercado interno e também exportar, reduzindo as pressões inflacionárias?

E A AMAZÔNIA, HEIN?

E agora os europeus, que, como sempre dizem sim, mas agem como não, querem defender a nossa Amazônia da invasão da cana. Querem também defender os países pobres que sofrerão com a alta dos alimentos, mas pouco ou nada fazem para ajudar as antigas colônias africanas, essas, sim, necessitadas de socorro. Eles são vítimas da corrupção endêmica de seus governantes, quase sempre ditadores sanguinários que roubam ou vendem os alimentos doados.

A culpa é nossa? É do etanol? Mentira escandalosa, que precisa ser desmistificada.Quanto à Amazônia dos europeus, dos americanos, da FAO, da OCDE, também é burrice ou má-fé. Escolho a segunda opção, pois os técnicos agrícolas europeus - mundiais - sabem perfeitamente que o solo amazônico não é apto para o plantio de cana. Mas outras culturas desalojadas pela cana podem invadir a Amazônia! Certo? Errado. A cana ocupa apenas 0,4% do território nacional, 2% das terras agricultáveis, refuta Lula

POBREZA? MAS ELA DIMINUIU!

Mas aumenta a pobreza! Também não, embora haja muita exploração do trabalhador rural, o que deve ser combatido pela fiscalização, não com o fim do emprego. "A indústria do etanol já criou, diretamente, 1,5 milhão de empregos e indiretamente, 4,5 milhões, no Brasil", afirma Lula, em artigo no Valor de quinta-feira. Mas no Brasil a pobreza diminuiu com o etanol, contra-ataca o presidente. Com a simples adição de 25% de álcool de cana reduzimos 40% do consumo e a importação de combustíveis fósseis. Mais: deixamos de emitir 120 milhões de toneladas de gás carbônico.

E OS OUTROS? HÁ SOLUÇÃO

Certo, mas os outros países produtores de etanol não estão fazendo, refutam os europeus e as eternas carpideiras, fanáticas das ONGs que são contra o óleo combustível nas termoelétricas, a energia nuclear e as hidrelétricas que 'ameaçam" o ambiente (Ufa! Haja ignorância ou má fé!). Ora, se não estão fazendo isso, é problema deles. A solução não é acabar com o etanol, mas não comprar desses países que o produzem com custos humanos e ambientais.

Enviada por Almir Américo, às 13:22 10/07/2007, de São Paulo, SP


Piracicaba vive boom econômico
"Procuram-se aposentados para trabalhar em metalúrgicas"

A notícia corre de boca em boca nas principais indústrias de transformação e autopeças da cidade de Piracicaba. E a demanda por mão-de-obra especializada tem levado parte das indústrias locais a contratar trabalhadores aposentados ou de fora da cidade para compor seu quadro de funcionários.

A corrida por mão-de-obra especializada em Piracicaba ocorre há pelo menos três anos. O reaquecimento do setor sucroalcooleiro, devido ao boom do etanol, é um dos fatores que impulsionam a economia. Mas não é só isto. A cidade que teve forte investimento com o Proálcool nos anos 70, passou por uma crise provocada pelo próprio álcool no fim dos anos 80 e durante os anos 90. Para não fechar as portas, a indústria teve de se adaptar à realidade diversificando sua produção e ramos de atuação.

Sérgio Fortuoso, diretor-executivo da Associação Comercial e Industrial de Piracicaba (Acipi), acredita que uma eventual crise no setor sucroalcooleiro hoje não provocaria o mesmo efeito devastador na região como no fim dos anos 80 e 90. "A cidade cresceu, expandiu as atividades, tem várias universidades e várias empresas varejistas e de serviços na região."

O forte da atividade sucroalcooleira na região está nas indústrias que fornecem equipamentos para as usinas da região (10 unidades).

Aparecida de Jesus Pino, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Piracicaba, diz que os problemas deflagrados pelo Ministério Público do Trabalho em canaviais como trabalhadores em péssimas condições de trabalho em outros pólos do Estado não atinge sua região. Mesmo assim, a cana inflaciona os salários de Piracicaba. O rendimento médio do cortador de cana da região gira em torno de R$ 700, 40% mais que de um lavourista de laranja.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:20 10/07/2007, de Curitiba, PR


Saldo na balança comercial cresce... mesmo com real "forte"
A balança comercial apresentou um superávit de US$ 927 milhões na primeira semana de julho (entre os dias 1º e 8), segundo divulgou ontem o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Esse resultado contribuiu para o superávit comercial acumulado no ano de US$ 21,589 bilhões, que representa um crescimento de 1,6% em comparação com o mesmo período do ano passado (US$ 21,238

Onde estão os críticos que diziam que as exportações do país iriam por água baixo por conta da queda do dólar?

Por que nossos especialistas e economistas se esquecem de falar que o dólar se desvalorizou muito em relação ao Euro?

Em junho de 2001 você precisava de apenas 85 centavos de dólar para comprar um Euro. Em junho de 2007 já eram necessários 1 dólar e 34 centavos. Em 09/07/07 um Euro já valia US$ 1,36. Uma desvalorização do dólar de quase 60% em 6 anos.

Em 30 junho de 2001 eram necessários R$ 2,30 para se comprar um dólar. Em 09 de julho de 2007 R$ 1,89, ou seja uma valorização do Real de 21,7%. Portanto, no período de seis anos o Real valorizou-se menos que o Euro em relação ao dólar.

Desvalorização do Dólar em relação ao Euro
Data Euro Dólar
Jun-2000 1,00 0,95
Jun-2001 1,00 0,85
Jun-2002 1,00 0,95
Jun-2003 1,00 1,16
Jun-2004 1,00 1,21
Jun-2005 1,00 1,21
Jun-2006 1,00 1,26
Jun-2007 1,00 1,34

Onde estão os periodistas "nacionais" que não tem coragem de dizer aos brasileiros que não é exatamente o real que se valoriza em relação ao dólar, mas sim o dólar que se desvaloriza em relação a todas as moedas internacionais???

A previsão do mercado financeiro é que o saldo fique positivo em US$ 42,6 bilhões. A projeção anterior era de um saldo de US$ 42,20 bilhões.

A meta do ministério para este ano é exportar US$ 152 bilhões, mas ela será revisada já, que com o resultado da última semana as vendas no acumulado de 12 meses ultrapassaram esse valor, chegando a US$ 153,3 bilhões.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 09:48 10/07/2007, de Curitiba, PR


Indústria cresce em 10 de 14 regiões pesquisadas pelo IBGE
A indústria paulista puxou o crescimento da produção brasileira em maio/07

O maior parque industrial do país cresceu entre abril e maio a mesma taxa da média da indústria (1,3%). Trata-se do quarto mês seguido de crescimento da indústria paulista, período em que acumula alta de 4,1%.

Segundo André Macedo, da Coordenação de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a indústria paulista concentra a maior parte dos segmentos de bens de capitais, que são o grande destaque da produção brasileira neste ano. As maiores contribuições vieram de máquinas e equipamentos e material de informática, nos quais se destacam os centros de usinagem, computadores e máquinas agrícolas.

Nos primeiros 5 meses de 2007 os maiores avanços percentuais ficaram com os Estados do Rio Grande do Sul (8,8%), Paraná (8,1%) e Minas Gerais (7,2%) se comparados aos 5 primeiros meses de 2006.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 09:06 10/07/2007, de Curitiba, PR


Brasil poderá ser o maior produtor de combustíveis da América do Sul
Segundo AIE, Agência Internacional de Energia, o Brasil poderá tornar-se o maior produtor de petróleo da América do Sul

O Brasil será o principal ganhador entre os países não membros da Opep em termos de aumento da produção de petróleo nos próximos cinco anos, superando a Venezuela, se Caracas não aumentar sua produção nos próximos anos, estima a AIE.

O cenário é favorável, quando se considera que a AIE prevê maior tensão nos mercados do petróleo, nos quais o preço subiu para mais de US$ 70 o barril, por causa da demanda da China e outros emergentes em expansão.

A produção brasileira deve pular de 2,36 milhões de barris por dia, ao final de 2007, para 2,67 milhões de baris diários em 2012, enquanto que a produção venezuelana deve ficar estável em 2,6 milhões de barris.

Nem por isso o país deixa de pensar e desenvolver alternativas ao uso de combustíveis fósseis, visando diminuir a poluição e melhorar as condições climáticas do planeta. Trata-se de uma visão de longo prazo e de compromisso com o planeta e com as futuras gerações. Uma política de Estado que vai além dos interesses imediatos das grandes empresas petrolíferas ou dos colecionadores de petro-dólares/petro-euros.

Com Etanol serão 3,3 milhões de barris/dia

Se considerarmos a produção de etanol o Brasil produzirá 3,3 milhões de barris de combustíveis por dia em 2012, oque lhe garantiria a posição de maior produtor de combustíveis.

Segundo as previsões, a produção brasileira de etanol deverá pular dos atuais 293 mil barris diários para algo em torno de 528 mil barris dentro de cinco anos.

Já a produção brasileira de petróleo cresceu mais de 500 mil barris por dia nesta década. A produção da Petrobras cresce em Jubarte, Roncador, Marlin, Golfinho e Alcacore. A Shell se concentra na produção de 50 mil barris diários em Bijupira, mas, ao lado da Chevron e da Norsk Hydro, a empresa prevê ampliar a produção no projeto para 300 mil barris até 2012.

Apesar de maior estoque no Brasil no médio prazo, a exportação de petróleo da América Latina continuará limitada. A demanda continuará forte principalmente no mercado interno.

Quanto ao refino, a expansão regional é dominada pelo plano da Petrobras de melhorar sete de suas refinarias. Além disso, a empresa tem um projeto de construção da refinaria Abreu e Lima em Pernambuco, em parceria com a PDVSA da Venezuela. A obra é prevista para terminar em 2012.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:54 10/07/2007, de Curitiba, PR


Saramago alerta sobre "tentações autoritárias" na esquerda latino-americana e na direita européia
E que os pseudo-revolucionários não se atrevam a acusar Saramago de traidor ou reformista somente porque fala a verdade

O escritor e comunista português José Saramago, prêmio Nobel de Literatura (1998), falou nesta segunda-feira à imprensa colombiana sobre uma "tentação autoritária" observada em setores de esquerda que chegaram ao poder na América Latina.

Nada restou dos ideais

Em entrevista coletiva Saramago disse que a esquerda "sofre uma espécie de tentação maligna que é a fragmentação" ao responder a uma pergunta do jornal El Tiempo sobre o ressurgimento de governos desta tendência na América Latina.

"Há uma tendência autoritária em muitos países. Nada restou dos ideais", afirmou o prêmio Nobel.

"Há desaparecidos, seqüestrados, paramilitares e guerrilheiros que, no começo, suponho que tivessem vontade de mudar algo, mas se tornaram seqüestradores e narcotraficantes, e o pior é que eles já não saberiam viver de outra forma", lamentou.

Néo-Fascismo Europeu

O escritor octogenário também advertiu para o ressurgimento do fascismo no velho continente. "Na Europa estamos assistindo ao ressurgir da direita, à presença da extrema direita com insígnias fascistas", alertou ele.

Deixou claro, no entanto, que continua sendo comunista, "embora as coisas não sejam tão puras como imaginei".

"Não vejo nada mais estúpido do que a esquerda", acrescentou o escritor, "uns enfrentam os outros, por grupos, por partidos, por opções".
Enviada por Sérgio Bertoni, às 00:29 10/07/2007, de Curitiba, PR


Infraero faz proposta e aeroportuários suspedem greve
O sindicato que representa os aeroportuários decidiu suspender o movimento de greve e a paralisação programada para a próxima quarta-feira (11). A decisão foi anunciada pelos dirigentes do Sina (Sindicato Nacional dos Aeroportuários) após uma reunião com a direção da Infraero (estatal que administra os aeroportos do país).

Proposta

A proposta da Infraero contempla principalmente quatro pontos: reajuste de 6% retroativo a maio, dois padrões de promoção para a categoria, e a decisão de não retirar os benefícios dos trabalhadores. Está prevista ainda a contratação de 1.800 trabalhadores para a substituição de terceirizados.

A reivindicação inicial dos trabalhadores era de 33% de recomposição de perdas e a elevação do vale-refeição. A Infraero acenava com um reajuste de 4%.

A proposta de pôr fim à greve será debatida em assembléias marcadas para a próxima sexta-feira. A tendência, porém, é a de não dar continuidade às manifestações.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 00:15 10/07/2007, de Curitiba, PR


Governo Federal abrirá 30 mil vagas para diminuir terceirização
O governo federal planeja abrir mais de 30 mil vagas por concurso público até 2010 para substituir servidores terceirizados, conforme afirmou o novo secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Duvanier Paiva Ferreira. Ele informou ainda que os gastos da União com pessoal atingirão R$ 128 bilhões em 2007.

"A política de substituição de terceirizados teve início em 2003 e busca diminuir os contratos de prestação de serviços, substituindo vagas por servidores efetivos", disse o secretário. Ele citou acordo do governo com o Tribunal de Contas da União (TCU) e com o Ministério Público do Trabalho para eliminação dos terceirizados.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 00:12 10/07/2007, de Curitiba, PR


Lula diz que Brasil não aceitará "cartel dos poderosos" contra biocombustíveis
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira em seu programa de rádio Café com Presidente, que o país precisa estar preparado contra adversários dos biocombustíveis.

Segundo ele, o Brasil não pode abrir mão da defesa do etanol e do biodiesel, uma "matriz energética revolucionária já comprovada há 30 anos".

Jornais europeus afirmaram na semana passada que a União Européia não quer o "etanol sujo" vindo do Brasil e que a plantação de cana-de-açúcar poderia invadir o território da Amazônia. "Temos adversários que vão levantar todo e qualquer tipo de calúnia contra a qualidade do etanol, contra a qualidade do biodiesel", disse Lula.

Segundo o presidente, a tecnologia brasileira de biocombustíveis também significa distribuição de renda para países mais pobres. "Esse é um debate que o Brasil não tem de ter medo. Nós não vamos aceitar outra vez o cartel dos poderosos do mundo tentando impedir que o Brasil se desenvolva, tentando impedir que o Brasil se transforme numa grande nação."

De acordo com Lula, afirmar que a produção de biodiesel pode causar interferência na produção de alimentos "é uma coisa totalmente descabida". O presidente ainda negou que a produção de biocombustíveis possa invadir o território da Amazônia.

"Portugal chegou aqui em 1500 e há 470 anos introduziu a cana no Brasil e a cana não chegou na Amazônia por uma razão simples: os portugueses descobriram há muito tempo que na Amazônia não é lugar de plantar cana porque a temperatura não é propícia para isso."

Na semana passada, na Bélgica, o presidente participou como convidado de honra da Conferência Internacional sobre Biocombustíveis, organizada pela Comissão Européia. Ele disse, em seu programa de rádio, que o encontro serviu também para cobrar uma posição mais clara dos países europeus em relação às altas taxas de importação de biocombustível brasileiro.

"É engraçado porque eles cobram impostos do nosso álcool, cobram do nosso biodiesel, mas não cobram do petróleo. (...) Hoje nós temos 20 países que produzem petróleo por 200 países. Com o biodiesel nós vamos poder ter mais de 100 países, ou seja, nós vamos democratizar a produção de combustível no mundo."

Fonte: Agência Brasil
Enviada por Almir Américo, às 13:26 09/07/2007, de São Paulo, SP


Denúncia anônima: Abuso de poder e assédio sexual na Balas Peccin S.A.
Recebemos esta denúncia anônima e a publicamos porque parece que Trabalhadores nesta empresa estão com muito medo.
Infelizmente, ainda há em nosso país situações em que o Trabalhador não pode se manifestar abertamente, pois há empresas que ainda não saíram da época feudal e seus supervisores se imaginam verdadeiros feitores açoitando escravos.
Solicitamos aos companheiros do setor que verifiquem o que está passando nesta empresa e nos enviem mais informações.

ola pessoal nao quero me identificar . pois quero fazer uma denuncia.

os operários da industria de balas peccin s.a. de erechim rio grande do sul estao indignados com seus encarregados e superiores.

vou citar algus casos dessa semana. no setor de drageados, existem trabalhadores que nao suportam mais seu encarregado chamado LUCAS , que além de vir trabalhar bebado, tenta seduzir as funcionárias do setor, já foram feitas reunioes para afastar o mesmo mas nao adiantou. porque o supervisor do LUCAS , O MARCELO , encobre os absurdos que seu empregado LUCAS faz, alem de nao dar valor aos funcionarios. E o IVAN, supervisor do MARCELO E DO LUCAS sabe e ao mesmo tempo nao faz nada. gostaria que tomassem uma providencia para o caso, pois os funcionarios nao tem culpa.

obrigado pela atençao.
Enviada por Anônimo, às 10:33 07/07/2007, de Erechim, RS


Denúncia Gravíssima: Trabalhador morre Fatiado na Seara/Cargill
Familiares de vítima fatal de acidente de trabalho na Seara/Cargill denunciam abandono

Crime, descaso e preconceito

Por Leonardo Wexell Severo

Com céu azul, sol forte e pó grosso grudado nas roupas, chegamos na aldeia Cachoeirinha para lá do meio dia do domingo, 1º de julho. Embora saindo cedo de Sidrolândia, nos perdemos pelo caminho e, não fosse por Edilson, irmão do falecido, que nos recepcionou na estrada e nos guiou até a casa, os crimes aqui relatados continuariam guardados com os índios Terena, na aldeia de quatro mil pessoas localizada no município de Miranda, no Mato Grosso do Sul, a 200 quilômetros da fronteira com a Bolívia.

A meu lado, Clodoaldo Alves, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação (Sindaves) de Sidrolândia, auxiliar de inspeção geral da Seara Cargill no frigorífico da cidade e que acompanha o caso desde o dia 28 de março, data da morte de Marcos Antonio Pedro, funcionário do setor de higienização e limpeza na mesma unidade.

Índio, 29 anos, pai de três filhos, Marcos morreu quando caiu dentro do tanque de resfriamento de frangos (chiller), ao escorregar enquanto fazia uma limpeza rotineira de resíduos. Como não havia proteção, e a higienização até então era feita com a máquina em movimento, o trabalhador foi sugado pela espiral (caracol) que puxa as aves para a água. "Quando os mecânicos chegaram, queriam cortar o tanque e tirá-lo por baixo, mas, ao invés disso, o controle de qualidade da empresa determinou que se invertesse o movimento de rotação das espirais. Não deu certo e ele foi praticamente cortado ao meio", lembra o auxiliar de inspeção geral na Seara/Cargill. Conforme Clodoaldo, no momento em que as espirais puxaram o trabalhador para baixo, Marcos foi fatiado vivo, cortando nervos e a coluna: "Estive com a menina que presenciou tudo, ouviu os gritos de socorro, foi terrível, Marcos teve ainda a cabeça prensada".

Neste tempo, a família já deveria ter recebido o dinheiro do seguro privado (cerca de 20 mil reais), cujo prazo de demora é de um mês. Passaram-se mais de três. Além disso, a empresa já deveria ter sido intimada judicialmente e penalizada a indenizar monetariamente - com algumas centenas de milhares de reais - a família, já que houve um acidente fatal pelo qual tem responsabilidade inquestionável. Nada disso ocorreu e a mulher Edneuza Pereira, e as filhas Greice Kelly, de 4 anos, e Kellijane, de 3, foram completamente abandonadas pela Cargill. Sem recursos, voltaram para a aldeia, abrigadas pelos pais de Edneuza e um salário mínimo da Seguridade Social. Fogão, guarda-roupa, geladeira e sofá estão na casa de uma irmã na capital, Campo Grande, a 60 quilômetros de Sidrolândia, o mais próximo da aldeia que o minguado dinheiro da rescisão do contrato - ela própria trabalhadora da Cargill - conseguiu fazer chegar. O guarda-roupa mais novo, maior, ficou na casa de aluguel, não cabia no veículo.

Após a tragédia, informa Clodoaldo, "tudo foi inteiramente modificado pela empresa na noite do acidente. Diminuíram a altura das plataformas próximas ao chiller, pois antes você batia a cabeça, tinha de andar curvado, ficando bem na borda do tanque, sem a mínima segurança. Esse desnível acentuado favoreceu a queda de Marcos. Também colocaram chapas de proteção de inox em volta do chiller, um item de segurança que nunca existiu. Além disso, agora a higienização está sendo feita com a máquina desligada, colocaram sensores, baixaram a tubulação para ler os hidrômetros que ficavam lá em cima perto das bordas do pré-chiller e o local ficou completamente isolado".

De acordo com Sérgio Bolzan, da executiva da Federação dos Trabalhadores da Alimentação do Mato Grosso do Sul e presidente do Sindaves, "houve uma adulteração da cena do crime, pois quando os fiscais do Ministério do Trabalho chegaram para inspecionar já haviam sido feitas as modificações de segurança na plataforma e na máquina".

Soma-se ao abuso, a tentativa de transformarem a vítima em culpado. Apostando no preconceito contra os indígenas, um boato veiculado afirmava que Marcos teria se suicidado. O fato é que os casos de suicídio de índios ocorrem na região de Dourados, junto aos Kaiowá Guarani, e Marcos era um Terena, em cuja populosa aldeia nunca se soube de um único caso. Sem falar na forma estúpida com que o jovem pai teria decidido se sacrificar no altar do lucro fácil erguido pela multinacional.

Mãe Rosalina

Encontramos a mãe de Marcos, Rosalina, na chegada do cemitério da aldeia, após uma exaustiva caminhada de seis quilômetros que ela, apesar da idade, faz todo final de semana para depositar flores no túmulo do filho. "Todo mês ele me chamava e eu ia lá em Sidrolândia. No sábado antes de morrer Marcos me convidou para a apresentação da dança do bate-pau, que ele preparou para apresentar no Dia do Índio (19 de abril). Marcos estava animado, com saúde. Me disse: Mamãe, vai ficar bonito isso aqui. Na quarta-feira me avisaram".

Diretor da Escola Municipal Indígena Nicolau Horta Barbosa, o irmão de Marcos Antonio, professor Edílson, lembra do amor do irmão pelo futebol, que jogava todos os finais de semana com os índios amigos em Sidrolândia, onde há uma aldeia dentro da cidade. "Era torcedor do São Paulo e gostava de jogar de centroavante. Ele vivia alegre com a esposa e as duas filhas. Tinha ido para a cidade pois planejava um bom futuro para as crianças. Isso de falarem em suicídio é absurdo, muito cruel", relatou Edílson. O irmão lembra com orgulho que, assim que foram informados do acidente, todos os índios saíram da linha de produção em solidariedade.

Durante a curta estada, fomos ao cemitério, rodeado pelo verde estonteante da mata, onde a mãe de Edneuza chorou pelo genro como quem pranteia um filho. Em meio ao cântico Terena aos mortos, mexia as mãos e clamava aos céus para que Deus ajudasse a acelerar a justiça do homem branco. Assistimos a tudo com esperança que o clamor fosse atendido.

Nos despedimos com Edílson ao lado de dona Rosalina, segurando o laudo do exame de corpo de delito como se ainda ali não estivesse tudo. Para completar o escárnio, o corpo havia sido violado: "Foi minha irmã quem se atentou para o fato. O Marcos era grande demais para aquele caixão. Nos entregaram ele com os dois pés do lado das pernas, foram cortados para que ele coubesse".

Exame necroscópico

Conforme o laudo de exame de corpo de delito - exame necroscópico nº 007/2007, do inquérito policial nº 043/2007, realizado pela perícia do Instituto Médico Legal de Sidrolândia, o ajudante de produção da Seara morreu às 9 horas do dia 28 de março, tendo o corpo dado entrada no Instituto apenas às 10h45.

"No exame externo observamos: 1. Ferimento corto contundente em região lombar, atingindo (sexoneido) da coluna vertebral a nível da L4, medindo 30 centimetros de comprimento; 1.2 - Ferimento cortante na região occipital medindo 3 centímetros; 1.3 - Ferimento corto contundente na região frontal direita, medindo 7 centímetros; 2 - Escoriações múltiplas na região torácica posterior com hematomas subjacentes, medindo 20/20 centímetros, atingindo a coluna vertebral; 3 - Fratura de osso frontal e orbital superior; 3.2 - Fratura de nariz; 3.3 - Fratura de arcos costais esquerdo a nível da linha axilar média; 4 - Escoriações múltiplas no tórax anterior esquerdo e abdômen e quadril esquerdo; 5 - Esmagamento de tórax. Exame interno: a) cabeça: Não realizado. Parágrafo único do artigo 162 do Código de Processo Penal. Pescoço e tronco: Procedemos a abertura através de uma incisão biacrômio/manúbrio/púbica e afastados os retalhos cutâneos, retirados o plastrão condro/esternal: Observamos: 5 - Fratura de arcos costais esquerdos, fratura de coluna torácica, fratura de coluna vertebral a nível de L3 e L4. 6 - Hemorragia e lesão de pulmão esquerdo e perfuração de lobo médio do pulmão esquerdo. 7 - Hematoma em corpo venal esquerdo. 7.1 - Hematórax de 300 ml de sangue à esquerda. Ante ao observado e ao que acima foi exposto, podemos concluir que examinamos um corpo em estado de morte real, cuja causa mortis foi politraumatismo por esmagamento torácico". Qual a causa da morte? "Choque hipovolêmico por hemorragia aguda interna". Qual o instrumento, agente ou meio que a produziu? "Ação contundente".

Entrevistamos Lucimari Galhardo, técnica em enfermagem do Hospital Beneficente Elmira Silvério Barbosa, que recebeu o corpo. "Pediram a ambulância, mas quando estávamos nos preparando para ir eles chegaram com o Marcos no carro da empresa. O corpo chegou em óbito com bastante hematomas no tórax, muitas escoriações, aparentemente fratura no nariz, e com orifício na região occipital, na testa, grande e profundo. Ele tinha sinais de esmagamento, como se tivesse sido retorcido, todo cheio de hematomas e sinais de esquimose, que é aquele sangue bem coagulado. Nós fomos retirar a roupa, toda molhada, e ao virarmos o corpo vimos um sangramento. Então verificamos que ele tinha um outro orifício na coluna vertebral. O orifício era bem grande, o espaçamento dava para colocar duas mãos juntas, uma em cima da outra. Ele usava uma capa de plástico para não molhar o uniforme, estava de botas, de meia. A capa não estava rasgada, só nas costas mesmo. O corte foi na região frontal e nas costas. A roupa não estava amassada, estava esmagada. O laudo está bem completo e certinho".

Moendo carne humana

O pré-chiller é um tanque de dez metros de comprimento, onde o frango percorre pelo caracol, que empurra a ave para ser submersa a uma temperatura de 16 graus, recebendo o primeiro choque térmico para fechar os poros e não entrar água. Há uma espiral, um caracol, que vai do fundo do tanque até a aba, com cerca de dois metros de altura. O caracol realiza um trabalho contínuo e lento, fazendo o giro completo em torno do próprio eixo em dois ou três minutos. "Foi neste início do caracol que Marcos deve ter sido pego pelas costas, quando estava abaixado, limpando provavelmente o ladrão, pois ali você tem que ficar sobre as bordas do tanque, para fazer a higienização manual. Aí ele deve ter sido puxado", explica Clodoaldo.

Na verdade esta plataforma móvel era usada para fazer a higienização com o chiller ligado - hoje isso não é feito mais. A plataforma também era usada para fazer a leitura do hidrômetro, para ver a quantidade de litros de água que são consumidos por frango. Estes hidrômetros antes estavam na borda do pré-chiller, agora foram removidos e estão na altura de um metro e meio do piso.

Rosana fazia a checagem da higienização depois de terminado o abate, nos intervalos de janta ou almoço, quando é feita nova inspeção para conferir se o trabalho estava bem feito. Do contrário, a limpeza deve ser refeita e segurado o abate. Naquele momento tudo quase havia sido concluído. Deu um oi para Marcos no início do pré-chiller e foi para o final fazer uma pré-verificação. Foi neste momento que ouviu o grito e o pedido de socorro.

Conta Clodoaldo: "Aí veio a movimentação do pessoal, onde o caracol já havia sido parado. O Marcos já estava em baixo do caracol, ali, entre o caracol e a parede do pré-chiller. Na verdade, se tiver algum atrito entre o disco e a parede, o caracol desarma. A força deste caracol para empurrar os frangos é de 8 a 15 mil quilos. Ele desarmou com o Marcos embaixo, submerso na água, e percorrendo um trajeto de um metro e meio até chegar no fundo, sendo esprimido. Foi tudo de imediato. Um dos mecânicos pediu que fosse aberto, cortado o tanque por baixo para o Marcos ser retirado. Aí chegou o responsável pelos mecânicos e disse não, não vamos fazer isso porque vai demorar depois para reiniciar o abate. Resolveram reverter o caracol e aí todo mundo sabe o que aconteceu..." Bolzan ressalta que "nada vindo da Seara/Cargill surpreende, pois se a empresa demite por justa causa trabalhadores que ela própria inutilizou e manda embora funcionários às vésperas de se operarem, insistindo na subnotificação de acidentes de trabalho para não ter de pagar por lesões e mutilações, o que dizer num caso como esse, onde terá de pagar uma enorme indenização à família?".

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac/CUT) e coordenador do Instituto Nacional de Saúde no Trabalho (INST), Siderlei de Oliveira, defende que "é hora das autoridades se mobilizarem e darem um basta, pois a Cargill já foi longe demais. A família necessita ser indenizada e a empresa punida de forma exemplar". Para Siderlei, "fiante de tantas e tão fartas demonstrações de barbárie, são necessárias ações e fiscalizações mais rigorosas, envolvendo os Ministérios do Trabalho, da Saúde e da Previdência numa verdadeira força-tarefa para pôr fim aos desmandos desta multinacional que tem espalhado, por meio da superexploração e da intensidade do ritmo de trabalho, lesões e mutilações em todo o país".

Leonardo@cut.org.br
Enviada por Nilson Antonio, às 10:53 06/07/2007, de Jaraguá do Sul, SC


Avaliação de Lula sobe 6%, diz CNI-Ibope
Para 50% dos brasileiros, o governo Lula é ótimo ou bom; 33% consideram-no regular, e 16%, ruim ou péssimo. É este o resultado de uma pesquisa encomendada pela Confederação Nacional das Indústrias ao Ibope, que realizou 2.002 entrevistas em 140 municípios entre os dias 28 de junho e 1º de julho. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Em um ano, a avaliação positiva do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva subiu seis pontos percentuais, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira. Em junho do ano passado, 44% dos entrevistados achavam ótimo/bom o governo Lula. Hoje, 50% consideram ótimo/bom.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:40 06/07/2007, de Curitiba, PR


Sadia entra numa fria
Empresa é multada em 1 Milhão de Reais por conduta anti-sindical

O Tribunal Regional do Trabalho em Minas Gerais (TRT-MG), em decisão inédita, tomada no dia 19 de junho, condenou a Sadia por danos morais coletivos e determinou que a empresa terá que pagar multa no valor de R$ 1 milhão, a ser revertida para o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).

O motivo da condenação foi a "conduta anti-sindical" da empresa durante as negociações salariais de 2006. A denúncia não havia sido aceita em primeira instância, mas foi julgada procedente por unanimidade no Tribunal.

A condenação diz respeito a uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho, após denúncia formulada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins de Uberlândia - STIAU.

Segundo a decisão judicial, a Sadia ainda deve se abster de praticar qualquer ato de coação contra seus empregados quanto a qualquer questão sindical, especialmente no sentido de que estes se desvinculem do sindicato ou deixem de praticar atividades sindicais. A decisão do TRT ainda determina que a empresa se abstenha de qualquer tipo de represália ou ato discriminatório contra os empregados ou o sindicato, por motivo de filiação ou atividade sindical, sob pena de multa no valor de R$50.000,00 pelo descumprimento de quaisquer destas obrigações (valor também a ser revertido ao FAT) e sob pena de configuração de crime de desobediência.

Empresa desrespeita trabalhador e sindicato

Conforme denúncia formulada pelo coordenador geral do STIAU, Humberto de Barros Ferreira, e amplamente confirmada pelos promotores do MPT, depois de ter sua proposta de acordo recusada pelos trabalhadores em Assembléia Geral, a Sadia passou a pressionar seus empregados para reverter a decisão da assembléia. Mantido o impasse, a empresa, segundo apurou o próprio Ministério Público do Trabalho, "dirigiu a formação de uma comissão supostamente representativa dos trabalhadores que se encarregou de coagir outros empregados a aceitarem as bases de acordo propostas pela empresa".

Como resultado dessas pressões, vários empregados da Sadia foram demitidos por discordarem dos métodos adotados pela empresa. Seus depoimentos constam da denúncia apresentada pelo MPT.

Mas a conduta anti-sindical da Sadia em Uberlândia chegou mesmo ao cúmulo quando a empresa tentou depositar no Ministério do Trabalho um acordo coletivo ilegal, assinado pela empresa e a autodenominada ?comissão interna de trabalhadores?, e apoiado por uma lista de assinaturas obtidas mediante pressão e ameaças de demissão.

Neste ?acordo?, o reajuste pedido pelos trabalhadores (5%) foi convertido em apenas 3,5%; o piso ficou em R$ 402, quando o reivindicado era de R$ 441, e das 12 cestas básicas no valor de R$ 50 cada reivindicadas pelos trabalhadores, a empresa concedeu apenas seis de R$ 35 cada.

Ambos os documentos (acordo e lista) foram enviados ao Ministério Público pelo subdelegado regional do trabalho em Uberlândia e arrolados como prova contra a empresa na Ação Civil Pública. O falso ?acordo coletivo? foi anulado em outra ação civil pública, julgada pelo TRT de Minas Gerais.

Sindicato e trabalhadores também estudam entrar com ações na Justiça

A Sadia não é a única culpada pela confusão gerada na campanha salarial de 2006. O STIAU estuda entrar com ação na Justiça contra os integrantes da autodenominada ?comissão interna de trabalhadores?, pedindo a condenação dos mesmos por calúnia e difamação contra o sindicato e seu coordenador. Para tentar justificar a sua existência, a tal comissão chegou a afirmar publicamente que o sindicato havia abandonado as negociações e que o seu coordenador havia transferido a representação dos empregados da Sadia para a comissão, o que não passa de uma mentira deslavada.

Já a empresa ainda pode ser processada por dezenas de trabalhadores, demitidos injustamente por terem se recusado a assinar a lista de apoio ao acordo ilegal patrocinado pela empresa, e pode ser condenada a pagar mais indenizações por dano moral.

Segundo o coordenador geral do STIAU, Humberto de Barros Ferreira, a Sadia entrou verdadeiramente numa ?fria? quando resolveu apostar na conduta anti-sindical como método de negociação. A empresa, inclusive, feriu o seu próprio Código de Ética, aprovado pelo Conselho de Administração no início 2006.

Uma coisa é certa, esses fatos repercutiram muito mal tanto no ambiente interno e externo à empresa. E ainda podem causar sérios prejuízos para a imagem da Sadia, inclusive em nível internacional.

Esperamos que a Sadia, agora, pense duas vezes antes de interferir com os direitos e garantias sindicais dos seus trabalhadores.

JORNALISTA RESPONSÁVEL: FRANCISCO MEDEIROS. MTB. 14.904/SP

CONTATO PARA MAIS INFORMAÇÕES: 034-3236-2223 / 9151-6277
Enviada por Sindicato dos Trabalhadores na Alimentação, às 16:29 05/07/2007, de Uberlândia, MG


A alternativa dos biocombustíveis
Por Luiz Inácio Lula da Silva

Hoje, em Bruxelas, abrirei, juntamente com o presidente da Comissão Européia, Durão Barroso, a Conferência Internacional sobre Biocombustíveis. Será uma excelente oportunidade de chamarmos a atenção da comunidade internacional para um tema prioritário da agenda global: as fontes alternativas de energia.

Multiplicam-se catástrofes naturais, conseqüência do aquecimento climático, assim como as incertezas em torno do fornecimento dos combustíveis fósseis. O mundo está confrontado com um duplo desafio: como alcançar a segurança energética sem causar desequilíbrios ambientais? Como reduzir padrões insustentáveis de consumo nos países desenvolvidos e, ao mesmo tempo, atender às aspirações ao bem-estar de povos em países pobres?

O programa brasileiro de biocombustíveis - testado e aprovado desde 30 anos - mostra que temos à nossa disposição uma resposta promissora para essa questão que envolve a segurança nacional e mesmo planetária.

Ao adicionar 25% de etanol derivado da cana-de-açúcar à gasolina ou utilizar álcool puro em carros "flex-fuel", reduzimos em 40% o consumo e a importação de combustíveis fósseis e deixamos de emitir, desde 2003, mais de 120 milhões de toneladas de gás carbônico.

O potencial das biomassas vai além da geração de energia limpa e renovável. A indústria do etanol já criou, diretamente, 1,5 milhão e, indiretamente, 4,5 milhões de postos de trabalho no Brasil. O programa do biodiesel, em fase inicial, já emprega mais de 250 mil pessoas, sobretudo pequenos agricultores em zonas semi-áridas deprimidas, gerando renda e ajudando a fixar a população à terra.

Esses programas reduzem migrações desordenadas e o conseqüente inchaço das grandes cidades e a marginalização urbana. Diminui a pressão de garimpeiros e agricultores sobre florestas nativas.

Contrariamente ao que alguns afirmam, os biocombustíveis não ameaçam a segurança alimentar, pois sua produção ocupa em torno de 2% das terras agriculturáveis do país. A expansão da cana tem contribuído para recuperar áreas de pastagem degradadas, de baixo ou nenhum potencial agrícola. Ocorre em regiões distantes da Amazônia, cujo solo e clima são inadequados para o cultivo da cana.

O programa de biocombustíveis se soma assim às ações governamentais em defesa da biodiversidade amazônica: repressão ao desmatamento e à grilagem de terras, além da criação de 20 milhões de hectares em unidades de conservação. Juntamente com a concessão de terras para a exploração sustentável de madeira, esse conjunto de medidas permitiu reduzir em mais de 50%, nos últimos três anos, as taxas de desmatamento e, portanto, de emissão de gases de efeito estufa.

Por meio de sistema nacional de certificação, vamos garantir que toda a cadeia de produção dos biocombustíveis no país respeite critérios ambientais, sociais e trabalhistas consagrados na legislação e exigidos pela sociedade.

Aí reside a grande força dos programas brasileiros de biocombustíveis: eles fazem parte de uma estratégia integrada de proteção ambiental, centrada no desenvolvimento sustentável do país em termos econômicos, sociais e ambientais.

Estou convencido de que os biocombustíveis devem ocupar lugar central em uma estratégia planetária de preservação do meio ambiente. Por isso, o Brasil defende esforço concertado para difundir essa revolução das biomassas. Acordos que assinamos com Estados Unidos e que estamos estabelecendo com países europeus prevêem a implantação de projetos triangulares na América Central, Caribe e África unindo tecnologia brasileira a condições climáticas e de solo favoráveis nessas regiões.

Todos sairemos ganhando. Países em desenvolvimento gerarão empregos e renda para populações marginalizadas, e divisas para dinamizar suas economias. Países desenvolvidos poderão acessar fontes de energia limpas a preço competitivo, ao invés de investir em custosas inovações para tornar menos poluentes os combustíveis convencionais.

Nada disso diminui a responsabilidade dos países desenvolvidos de adotar sérias normas de controle de emissões. Não diminuirá tampouco a disposição de países em desenvolvimento em implementar políticas de redução de emissões, apoiadas por um efetivo fluxo internacional de recursos e tecnologia. É esse o sentido da proposta brasileira de incentivos aos países em desenvolvimento que desacelerarem o desmatamento.

A resposta à ameaça do aquecimento global não está, portanto, em restringir o acesso de populações pobres a padrões mínimos de bem-estar. Não é necessário forçar os países em desenvolvimento a uma escolha injusta: reduzir seu ritmo de crescimento ou adotar novas tecnologias altamente onerosas.

Ao mesmo tempo, queremos desenvolver a próxima geração desses combustíveis, que poderá ser extraída de praticamente qualquer dejeto orgânico, em qualquer parte do mundo. E será a base de toda uma alternativa orgânica à petroquímica.

Além de vultosos recursos, esses avanços requererão tempo. E tempo é o que os países mais pobres - e nosso planeta - não têm. Urge implementar políticas que ajudem a garantir que a humanidade prosperará como um todo, sem deixar ninguém para trás, nem hipotecar o futuro das novas gerações.

Essa é a mensagem que levo à Conferência de Bruxelas: estão ao nosso alcance experiências amplamente testadas e comprovadas para começarmos a responder a um desafio que se avoluma a cada dia. Por essa razão, o Brasil está organizando, em 2008, uma Conferência Mundial sobre Biocombustíveis. Juntos, poderemos construir uma estratégia verdadeiramente global, justa e duradoura.

Luiz Inácio Lula da Silva é presidente da República FEderativa do Brasil
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:57 05/07/2007, de Curitiba, PR


Inveja opõe Sorbonne a SENAI
O Lula é o que está a sua esquerda, tá?
Extraído do site VI O MUNDO do jornalista Luiz Carlos Azenha

FHC, o invejoso

FHC ressuscitou.

Está em todas.

Nunca um ex-presidente foi tão citado pela mídia.

A mídia golpista adora o FHC.

Teriam sido as "negociatas" da privataria?

A base de Alcântara, que FHC queria "entregar" aos americanos?

Ou teria sido o ministro da Justiça de FHC, um certo Renan Calheiros?

FHC palpita sobre tudo, mas nenhum repórter tem coragem de perguntar a ele quem é que pagou as contas do filho do senador com a jornalista da Globo.

Se não foi o próprio FHC, quem foi?

E o que recebeu em troca?

Eu juro para vocês: se eu encontrar o FHC na rua ou em algum evento público eu vou fazer essa pergunta.

Não devemos admitir a hipocrisia: se o Lula teve de responder e o Renan Calheiros também, devemos poupar FHC?

Devemos poupar as crianças, que não têm nada com isso.

Digo, antes de prosseguir, que o fato de que Lula desperdiça sua taxa de aprovação apoiando Renan Calheiros é nojento.

Nada justifica isso, nem a tal "governabilidade".

Renan, ACM, Sarney, Roriz - essa gente deveria ser enterrada.

É o atraso do atraso do atraso do atraso.

Pior que a elite brasileira, que é apenas o atraso do atraso do atraso.

O problema do Lula é que ele tem medo.

O sonho de Lula é ser o FHC.

E o sonho do FHC é ser tão popular quanto o Lula.

À revista Economist, que o considera presidente-em-exercício, FHC papagaiou um bordão que deve ter sido produzido no mesmo laboratório de onde saiu o Pan do Brasil.

Alguma coisa do gênero: chega de fazer comparações com o passado, devemos fazer comparações com os nossos competidores.

É óbvio que FHC não quer mais comparações com o passado.

O governo Lula dá de dez a zero em todos os sentidos, inclusive no número de CPIs instaladas e em atividade, no combate à corrupção, na defesa dos interesses nacionais, na economia, na distribuição de renda e por aí afora.

FHC comprou a sua reeleição e a mídia abafou o escândalo.

O problema do sociólogo é que a comparação do Brasil com os competidores é favorável... ao Brasil.

Se você isolar o número do PIB - que é o que fazem os puxa-sacos de FHC -, o Brasil sai perdendo.

Mas você gostaria de morar na China , país de partido único, sem democracia, com a imprensa amordaçada, problemas gravíssimos no meio ambiente, falta de terras, de água e 200 milhões de camponeses miseráveis que detonam o seu salário?

E na Índia, em pé de guerra com um vizinho, com graves problemas entre hindus e muçulmanos, terrorismo, fome, falta de água e a divisão da sociedade em castas?

E na Rússia, com um regime autocrático, em guerra com uma de suas províncias, "cercada" pelos americanos, com centenas de mísseis nucleares apontados em sua direção?

Dos BRICs o Brasil é a melhor opção para os investidores estrangeiros.

Ou é por acaso que está chovendo dinheiro no Brasil?

Que o dólar só faz despencar?

O Brasil oferece uma plataforma razoavelmente segura para investimentos, sem comoções internas, com ótimas perspectivas de crescimento, terra e água à vontade e um monte de brasileiros dentro.

É o lugar ideal para se instalar e disputar um mercado em crescimento, o da América Latina.

Sim, temos um gravíssimo problema de violência, uma guerra civil não declarada por causa de uma distribuição de renda criminosa.

Mas o governo que está no poder está enfrentando o problema, com resultados visíveis.

Em que país do mundo as vendas pela internet têm aumento de 49% em relação aos primeiros seis meses do ano anterior?

Eu não vou ficar aqui desfiando todos os números da economia.

Faça isso você mesmo e vai ver que o governo Lula, ainda que enrolado com todo tipo de trapaceiro, dá de dez a zero no de FHC.

Se o Lula ousasse um pouquinho mais e usasse a autoridade que tem com mais de 60 por cento de aprovação popular poderia passar feito um rolo compressor sobre FHC e sua turma... politicamente.

Mas o Lula é de negociar, busca sempre o consenso, o que dá a impressão de paralisia.

O Lula é melhor presidente e melhor político que FHC.

E eu imagino o quanto deva doer, num professor da Sorbonne oriundo da aristocracia paulistana, o fato de perder para um nordestino que se formou no SENAI.
Enviada por Almir Américo, às 10:01 05/07/2007, de São Paulo, SP


Basta de persecución sindical y despidos en Lavaderos Virasoro
Los trabajadores del Lavadero Virasoro estamos desarrollando medidas de fuerza por la reincorporación de nuestro compañero Mario Guzmán, despedido sin causa y por el fin de la persecución a la organización gremial de los trabajadores.

El jueves 27 de Junio los trabajadores tomamos la planta de la calle Ovidio Lagos, pero fuimos desalojados por la fuerza policial, permaneciendo, a partir de ese momento, instalados en la puerta, mientras continua el paro.

En los últimos 6 meses los trabajadores de esta empresa estamos trabajando en un clima de persecuciones, aprietes, discriminación gremial, suspensiones sin causa, vaciamiento, amenazas de todo tipo y daño psicológico y moral de parte de la patronal en respuesta a nuestra justa demanda de un salario digno y el respeto a la organización sindical de los empleados.

La empresa se niega a dialogar y no recibe a los delegados elegidos democráticamente por todo el personal.

Lavadero Virasoro S.A. es una empresa propiedad del Sr. Jorge Guidetti. En ella trabajan 350 empleados y produce para marcas de ropa como KOSIUKO, LEE, LEVY?S, CHUBBY, UFO, TUCCI, NASA, 47 STREET, ONA SAEZ, RAPSODIA, CANALLA, CASTA Y PURO, ESSENZA, CRUZ DIABLO, MARÍA VAZQUEZ, AYRES, OSSIRA, RAPSODIA, PEUQUE, BENSIMON, entre otras.

El barrio está contaminado con los productos químicos que utiliza en forma indiscriminada, en su mayoría cancerígenos, como metabisulfito, permanganato, soda cáustica, hidrosulfito, ácido acético, hipoclorito de sodio, etc., sustancias que los trabajadores deben manipular habitualmente, poniendo en serio riesgo su salud.

Reclamamos:

* INMEDIATA REINCORPORACIÓN DEL CRO. MARIO GUZMAN
* RECONOCIMIENTO DE LA COMISIÓN INTERNA
* POR UN SALARIO BÁSICO DE $ 1.800

Convocamos a la solidaridad con nuestro reclamo y solicitamos se envíen mensajes dirigidos a la empresa, a las autoridades y a las grandes empresas que la subcontratan, exigiendo el fin de la persecución sindical y los despidos en Lavaderos Virasoro S.A..

Comisión Interna de Delegados de Lavadero Virasoro S.A.

Rosario, 4 de Julio de 2007

Enviar la siguiente nota a (ver direcciones mas abajo)

Sres. del Lavadero Virasoro S.A.
Sres. de la Secretaria de Trabajo de la Provincia de Santa Fé
Sres. de las empresas que subcontratan al Lavadero Virasoro S.A.

Por la presente exigimos el fin de la persecución gremial y los despidos en el Lavadero Virasoro S.A., así como la inmediata reincorporación de Mario Guzmán, despedido únicamente por su actividad sindical. Del mismo modo exigimos el respeto a los más elementales derechos humanos, democráticos y sindicales y el reconocimiento de la Comisión Interna elegida democráticamente por el conjunto de los trabajadores.

El garantizar el estricto cumplimiento de la ley y de los derechos básicos de los trabajadores no sólo es responsabilidad de la empresa, sino también de las autoridades y de las empresas que contratan al Lavadero.

Direcciones de correo Lavadero Virasoro:
jguidetti@arnet.com.ar
y
lavaderovirasoro@arnet.com.ar

Secretario de Estado De Trabajo y Seguridad Social: Dr. Alberto H. Gianneschi
secretario@trabajosantafe.gov.ar

Secretaria de Estado de Trabajo y Seguridad Social regional Rosario:
regionalrosario@arnet.com.ar

Lee:
rrhh@vfc.com.ar contacto@vfc.com.ar

Ona Saez:
info@onasaezshop.com

Levi?s:
crodriguez@leuru.com.ar

Ufo:
rrhh@vfc.com.ar ; contacto@vfc.com.ar

Tucci:
correo@tucciweb.com

Nasa:
marketing@nasa.com.ar
nasa@nasa.com.ar
prensa@nasa.com.ar
rrhh@nasa.com.ar
imagen@nasa.com.ar

Rapsodia:
infoa@rapsodia.com.ar

Casta y puro:
info@castaypurojeans.com

Ayres:
cv@surrealmkt.com.ar

Peuque:
info@peuquejeans.com.ar

Bensimon:
producto@bensimon.com.ar
publicidad@bensimon.com.ar

Solicitamos enviar copia a la Comisión Interna de Delegados:
carlozmedina@hotmail.com
cominlv@hotmail.com
Enviada por TEL-Argentina, às 17:48 04/07/2007, de Buenos Aires, Argentina


Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté sofre atentado a tiros
A sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté (CUT) foi alvo de mais um atentado na noite desta segunda-feira, dia 2, por volta das 22h20, quando cinco disparos de revólver foram feitos contra a portaria da entidade.

O vigia noturno da entidade não estava na guarita no momento dos disparos e não houve feridos. A Polícia Militar foi chamada ao local e a Polícia Técnica recolheu as cápsulas de balas que foram encontradas no local.

Para o vice-presidente do Sindicato, Isaac do Carmo, esse é mais um atentado contra a liberdade e a autonomia sindical feito pela oposição que disputa a eleição sindical 2007.

?Estamos às vésperas do processo eleitoral do Sindicato, que é um dos mais importantes e representativos do Estado de São Paulo e da categoria metalúrgica no Brasil. Essa atitude é sem dúvida de uma oposição desesperada que não tem condições de realizar o debate político no chão de fábrica com os trabalhadores e que parte para a intimidação moral e física?, disse Isaac.

Bombas ? Para o vice-presidente do Sindicato, os disparos efetuados na noite de segunda-feira estão relacionados às bombas que foram atiradas contra a sede da entidade no dia 05 de junho.

Uma bomba foi retirada da sede do Sindicato pela Polícia Militar na tarde do dia 05, e encaminhada para a Polícia Técnica para perícia.

Na ocasião telefonemas anônimos também foram feitos à sede do Sindicato com ameaças de morte ao presidente Valmir Marques da Silva, o Biro Biro, e seus familiares.
Enviada por Gabriela Benvenuto, às 08:32 03/07/2007, de Taubaté, SP


Sadia é multada em R$ 1 mi por conduta 'anti-sindical'
O Tribunal Regional do Trabalho em Minas Gerais (TRT-MG) condenou a Sadia por danos morais coletivos e determinou que a empresa terá que pagar multa no valor de R$ 1 milhão. O motivo da condenação foi a "conduta anti-sindical" da empresa. A Sadia teria coagido empregados a aceitarem acordo coletivo já rejeitado pelo sindicato. A empresa informou que vai recorrer da decisão.

A condenação na Justiça diz respeito a ação civil pública do Ministério Público do Trabalho, após denúncia do Sindicato dos Trabalhadores de Alimentação de Uberlândia. A denúncia, envolvendo negociações para reajuste salarial em novembro de 2006, não havia sido aceita em primeira instância. Diz a denúncia do MPT que, após o impasse nas negociações do acordo coletivo, ocorreu impasse na definição do percentual de reajuste, no valor do piso salarial da categoria e no fornecimento das cestas básicas.

Conforme o procurador do Trabalho Fábio Lopes Fernandes, a Sadia, então, "dirigiu a formação de uma comissão supostamente representativa dos trabalhadores que se encarregou de coagir outros empregados a aceitarem as bases de acordo propostas pela empresa". Empregados teriam sido demitidos por discordarem disso. Após recusada proposta da Sadia por 1.502 votos contra 1.299, a empresa pressionou para firmar acordo coletivo, obtendo o resultado que desejava, diz a denúncia.

O reajuste pedido era de 5%, mas foi concedido 3,5%; o piso reivindicado era de R$ 441, mas ficou em R$ 402. E das 12 cestas básicas, no valor de R$ 50 cada, prevaleceram seis de R$ 35 cada.O MPT informou que já havia conseguido, na Justiça, anular o acordo. Na decisão judicial, a Sadia deve se abster de praticar qualquer ato de coação ou represália ou ato discriminatório. A decisão vale para todas unidades.

Em comunicado, a Sadia informou que vai recorrer ao Tribunal Superior do Trabalho. Disse que, em março de 2007, em decisão da 4ª Vara do Trabalho de Uberlândia, "a Justiça julgou totalmente improcedente a ação proposta, concluindo que não houve cometimento de nenhuma prática anti-sindical".
Enviada por STI FUMO DE UBERLÂNDIA, às 16:39 02/07/2007, de Uberlandia, MG


PF prende mais e investiga mais crimes da elite
Desde 2003, primeiro ano do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Polícia Federal já desencadeou 357 grandes operações com a prisão de 6.225 pessoas, média de quase quatro suspeitos detidos por dia. Segundo a polícia, entre os presos estavam pelo menos 945 servidores públicos acusados de corrupção.

Os números são comemorados pela direção da PF como um marco no combate ao crime. "A polícia busca hoje maximizar os meios de investigação, desarticular quadrilhas em todo o país, como nunca foi feito antes", disse o delegado-geral da entidade, Paulo Lacerda.

Não há dados seguros para comparar as operações da gestão de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e da atual, já que nem todos os trabalhos do período tucano estão registrados na Polícia Federal.

Para o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, é mérito da atual PF a nação ter despertado para o combate ao "crime de elite", mas, disse ele, é preciso existir uma blindagem legal para evitar injustiças.
Enviada por Sergio Bertoni, às 12:05 02/07/2007, de Curitiba, PR


Desvalorização do dólar é problema do Bush
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira que a depreciação do dólar frente ao real é um problema dos Estados Unidos. "O real não está valorizado sobre o euro, por exemplo. O dólar está desvalorizado em relação a todas as moedas. Ninguém tem coragem de dizer porque [os EUA] são grande, mas há um déficit fiscal dos EUA", disse.

Crescimento

O presidente lembrou que no mandato de Juscelino Kubitschek o país teve crescimento, em média, de 7%, mas que, à época, a inflação era de 23%.

Lula citou os números para dizer que, em sua opinião, o Brasil nunca apresentou a combinação de crescimento da economia e distribuição de renda que vê hoje.

"Não há, em 118 anos de República, um momento que o país estivesse com a sustentabilidade de hoje. Não há qualquer possibilidade de a economia não crescer. Mas, para chegarmos aqui, tivemos que comer o pão que o diabo amassou", afirmou.
Enviada por Sergio Bertoni, às 12:02 02/07/2007, de Curitiba, PR


Quem trabalha a noite vive menos e se divorcia mais
Trabalhadores noturnos vivem menos, se divorciam mais e estão mais propensos à doenças cardíacas, digestivas e transtornos neuropsicológicos. A conclusão é de uma série de estudos desenvolvida nos últimos anos pela Unidade do Sonho do Instituto Dexus de Barcelona e pelo Serviço de Neurofisiologia do Hospital da Paz de Madri, ambos na Espanha.

Os números são alarmantes: quem trabalha a noite perde cinco anos de vida a cada 15 trabalhado; se divorcia 3 vezes mais e têm 40% mais chances de ficar doente. Os estudos revelam ainda que 90% dos acidentes mais graves em empresas acontecem exatamente no período da noite.

Por causa destes números, os países nórdicos proibiram que pessoas com mais de 35 anos trabalhem em jornada noturna. No Brasil não há nenhuma restrição e a estimativa é de que 10% dos brasileiros trabalham neste período.

Qualidade de vida

É fato que o trabalho é fundamental para o ser humano, mas estudos revelam que quem trabalha depois das 22 horas é mais infeliz com a sua qualidade de vida.

Segundo o doutor Eduard Estivill, chefe da Unidade do Sonho do Instituto Dexeus, insônia, irritabilidade, angústia, depressão, transtornos digestivos, ataques de pânico, doenças cardiovasculares por estresse crônico, dependências a tranqüilizantes, estimulantes ou álcool e tabaco são alguns dos costumes que acompanham quem trabalham fora do horário do sol.

Estes distúrbios acontecem porque o corpo humano tem um biorritmo que obedece os sinais de claro e escuro. Além disso, quem precisa dormir de dia, raramente mantém um sono de 8 horas seguidas e o cérebro acaba sofrendo uma predisposição à fadiga.

Cuidados com a saúde

Se você trabalha no período da noite preste atenção em como melhorar sua qualidade de vida: Procure ter um sono de qualidade. Mesmo sem se sentir cansado, procure relaxar. Desligar a televisão, deixar o ambiente escuro e tomar leite quente antes de deitar, podem ajudar. Lembre-se que a insônia atinge trabalhadores noturnos, e ela pode se tornar crônica.

Caso seja possível, tente estabelecer pausas durante o serviço. Quinza minutos de sono durante o expediente podem fazer milagres. Converse com seu chefe.

Trabalhadores noturnos sofrem mais com úlceras e problemas intestinais. Faça exames e visite seu médico regularmente

Evite ao máximo usar estimulantes a noites e remédios para dormir de dia. Ambos viciam e fazem muito mal para a saúde.
Enviada por Geraldo Werneck, às 09:55 02/07/2007, de Juiz de Fora, MG


>>
Próximos eventos

Clique aqui para ver mais notícias.