TIE-Brasil
18/12/2017
Cadastre-se | Esqueci a senha!
Nome: Senha:

Notícias(Dezembro/2009)

(clique para ver todas)

Feliz Ano DEZ!!!
Clique aqui para abrir o cartão
Feliz Ano Novo para tod@s aquel@s que fizeram de um ano perdido o ano de vitórias e superações.

Feliz Ano Novo para toda a Classe Trabalhadora Brasileira que não entrou na baila da elite e seus urubólogos de todas as matizes, levantou a cabeça, acreditou em seu próprio Potencial e nas capacidades do Brasil e tirou nossa economia da crise criada pelos banqueiros de olhos azuis.

Parabéns à Classe Trabalhadora que, pela quantidade de rojões e fogos de artifício queimados nesta virada, está comemorando, JUSTAMENTE, este ano de vitórias e realizações.

Parabéns a todos nós, Trabalhadores brasileiros, que estamos fazendo história ao fazer deste país um lugar bom de viver para tod@s @s que aqui habitam.

Boas festas a tdo@s na certeza de que o ano que chega será DEZ!

2010 é o nosso ano!!!
Enviada por TIE-Brasil, às 22:24 31/12/2009, de Brasil


Bolsa de Valores de SP fecha 2009 com a maior valorização em 18 anos
O Ibovespa (principal índice da Bolsa paulista) teve em 2009 uma valorização de cerca de 145% em dólar

Esse é o maior ganho da Bovespa em 18 anos, desde 1991, quando subiu 288%. É também a terceira maior alta da história, desde a criação da Bovespa, em 1968.

Só para lembrar. Em 1991 o presidente não era FHC, mas outro Fernando, o Collor de Melo. Aquele mesmo que havia derrotado Lula em 1989 e tinha aquilo roxo, lembram-se?

Pois é... E o PiG e a elite seguem com saudades dos demo-tucanos...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:39 30/12/2009, de Curitiba, PR


Vendas de natal na Internet crescem 28%, mas entregas atrasam e reclamações dobram
As vendas de bens de consumo pela internet tiveram um crescimento de 28% no período de 15 de novembro até o último dia 24 na comparação com o mesmo período de 2008, com o movimento de R$ 1,6 bilhão --contra R$ 1,25 bilhão um ano antes. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pela consultoria e-bit, especializada no setor.

Os sites de comércio eletrônico podem comemorar o aumento das vendas, mas os consumidores não estão nada contentes. Isso porque os serviços de entregas falharam brutalmente e as reclamações dobraram. Calcula-se que 20% das compras feitas entre os dias 18 e 24 de dezembro ainda não foram entregues.

É interessante notar que no início do comércio eletrônico no Brasil a maioria das entregas era feita pelos Correios, empresa estatal. Porém, nos últimos anos os sites de comércio eletrônico preferiram contratar empresas privadas que atuam na área de logística e estas não deram conta de entregar os produtos dentro dos prazos.

Os Correios dizem desconhecer problemas nas entregas feitas pela empresa estatal durante o período do Natal. Sem dúvida problemas pontuais podem ocorrer, mas os Correios oferecem um serviço de atendimento gratuito ao consumidor, através do 0800, para solucionar eventuais atrasos.

No caso da maioria das empresas privadas de logística contratadas pelos sites, o consumidor nem sabe qual é a empresa que fará a entrega de sua encomenda, ficando sujeito a todo tipo de barbárie e incompetências por parte de empresas mal organizadas e mal estruturadas.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 15:19 30/12/2009, de Curitiba, PR


Lula resolveu soltar o verbo para afrontar a elite e o PiG (**)
Por Paulo Henrique Amorim

Do presidente Lula, hoje, em São Bernardo, ao inaugurar uma unidade do SUS:

- Nós não fazemos distinção de que partido é o prefeito e o governador – disse Lula … O povo precisa e a gente tem mais é obrigação de fazer sem olhar… Vocês não podem deixar de dar comida para um porco porque você não gosta do dono do porco. É preciso tratar as pessoas com o respeito que as pessoas precisam ter nesse país.

De Lula, hoje, no Blog do Planalto, “O Presidente Responde”:

Murilo Oliveira, 26 anos, publicitário de Amparo (SP) – Nos anos 90, o sr. dizia que se eleito acabaria com o monopólio da mídia. Por que o sr. ainda não cumpriu o prometido?

Presidente Lula – Não há dúvida de que o monopólio da mídia não é bom para a democracia. Aliás, a Constituição é clara: “Os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio.” Mas cabe ao Congresso regulamentar os mandamentos constitucionais. As próprias mudanças econômicas e sociais, no entanto, vêm provocando transformações na comunicação social no Brasil. Há cinco anos, os jornais tradicionais do eixo Rio-São Paulo estão estacionados em 900 mil exemplares, enquanto os jornais das demais capitais cresceram 41%…

Nos últimos tempos, o presidente Lula passou a usar uma linguagem mais solta, rústica, mais acessível.

Saiu do campo das metáforas de futebol para invadir outros.

Como agora, com essa do “porco”.

Ora, dirão, os colonistas (*) do PiG (**), isso é linguagem de campanha eleitoral.

É isso e muito mais.

Conversei hoje com minha ilustre irmã, Marilia, especialista em Linguística e professora da Universidade de Paris.

Marilia se diverte com esse novo Lula.

Para ela, Lula resolveu chutar o pau da barraca – Marilia, entre outros atributos, é carioca, e, portanto, chegada a uma metáfora praiana.

Chutar o pau por vários motivos.

Porque ele saiu da província e foi para a capa do Monde.

Clique aqui para ler sobre o que o Financial Times e o Monde fizeram com Lula, neste fim de ano

O Lula é “o cara”, e ninguém mais tira dele o que é dele.

Porém, mais do que isso, observa a Marilia: Lula resolveu mostrar à elite que não leva a elite a sério.

Ele anuncia que, no dia seguinte, o PiG (**) vai escarnecer da linguagem dele.

E escarnece da elite.

Lula não bate de frente. Ele não bateu no PiG (**). Mas, agora, ele se considera em condições de botar o PiG (**) e a elite branca no seu devido lugar: eles são minoria com complexo de maioria…

Lula diria assim: olha, eu sei que vocês me acham um nordestino inferior, um metalúrgico ignorante.

Então, eu vou me comportar como se eu fosse.

Vou incorporar o estereótipo em que vocês querem me aprisionar.

E vou rir de vocês.

Lula, sábio, picaresco, incorpora personagem do “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna, outro pernambucano sábio.

Mais do que isso, Lula, aos poucos, mostra ao PiG (**) que o PiG (**) é insignificante.

Um câncer em estado terminal: há cinco anos, a tiragem do Globo, da Folha (***) e do Estadão não sai dos 900 mil exemplares.

Por que Lula haveria de polir a linguagem só para agradar o PiG (**) ?

Para dar pérola aos porcos ?

----------

(*)Não tem nada a ver com cólon. São os colonistas do PiG (**) que combatem na milícia para derrubar o presidente Lula. E assim se comportarão sempre que um presidente no Brasil, no mundo e na Galáxia tiver origem no trabalho e, não, no capital. O Mino Carta costuma dizer que o Brasil é o único lugar do mundo em que jornalista chama patrão de colega. É esse pessoal aí.

(**)Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista

(***) Folha é um jornal que não se deve deixar a avó ler, porque publica palavrões. Além disso, Folha é aquele jornal que entrevista Daniel Dantas DEPOIS de condenado e pergunta o que ele achou da investigação; da “ditabranda”; da ficha falsa da Dilma; que veste FHC com o manto de “bom caráter”, porque, depois de 18 anos, reconheceu um filho; que avacalha o Presidente Lula por causa de um comercial de TV; que publica artigo sórdido de ex-militante do PT; e que é o que é, porque o dono é o que é ; nos anos militares, a Folha emprestava carros de reportagem aos torturadores.
Enviada por Almir Américo, às 01:28 30/12/2009, de São Paulo, SP


Se continuar como está, a pobreza cai à metade em 2014
Por Paulo Henrique Amorim

Saiu no Valor de hoje, pág. A11, artigo de Marcelo Neri, “Cenários de crescimento, desigualdade e pobreza”:

Se até 2014 acontecer o que aconteceu entre 2003 e 2008 (ou seja, no Governo Lula – PHA), “é possível obter uma redução da pobreza à metade … de 16% da população para 8%… (O Brasil) já cumpriu a primeira meta do Milênio de fazer a pobreza cair à metade em metade do tempo. Isso significa cumpri-la de novo, em 5 anos, invés de 25 anos.”

A conseqüência é a seguinte: a queda da classe D, que passará de 24% para 20% da população; aumento da classe C (passará de 49% para 56%); e aumento da classe AB, que passará de 10% para 16% da população.

“Ou seja, o cenário auspicioso mostra que se a pobreza cai à metade, a classe AB dobra”.

Marcelo Neri, chefe do Centro e Políticas Sociais do IBRE/FGV, é um dos especialistas em políticas públicas, questões de desigualdade e renda, e um dos primeiros a falar da ascensão da classe C.

Ou seja, se a Dilma fizer o que o Lula faz, o Brasil extirpa a pobreza.

O perigo são os tucanos.

Há 15 anos eles governam São Paulo.

Reduziram a participação de São Paulo no PIB.

Desmontaram o ensino e a saúde pública.

E transformaram uma parte da cidade de São Paulo – Zona Leste – numa Veneza pútrida: a região está alagada há 20 dias.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 01:21 30/12/2009, de Curitiba, PR


México: crisis afecta más a las Trabajadoras en las maquiladoras
El impacto de la crisis económica en el sector manufacturero, donde se ocupan 2.8 millones de mujeres en el país, se caracteriza por la disminución de personal, menos horas trabajadas, reducción salarial y de prestaciones sociales.

Esta situación afecta particularmente a las trabajadoras, pues en su mayoría son madres solteras, y de su salario promedio, que es de 450 pesos semanales, depende la manutención de sus hijas e hijos, señaló en entrevista Rosario Ortiz Mallagón, integrante de la Red de Mujeres Sindicalistas (RMS).

En 2006, había 2.8 millones de mujeres empleadas en el sector manufacturero, según la Encuesta Nacional de Ocupación y Empleo. Las obreras de los estados fronterizos representaban 53 por ciento del total de la mano de obra en la región.

Con los paros técnicos, medida implementada por el gobierno federal para evitar los despidos, las trabajadoras de la maquila trabajaban 2 ó 3 días por semana, dejaron de percibir hasta la mitad de su sueldo, y al final del año, no recibieron aguinaldo.

De acuerdo con el último reporte del Instituto Nacional de Estadística y Geografía (Inegi), sobre el impacto de la crisis en este sector en octubre pasado, con respecto al año pasado, el personal ocupado en la manufactura descendió menos 7.1 por ciento.

Además de los despidos a causa de las bajas en la producción y el cierre de maquiladoras, las horas trabajadas fueron menores 8.6 por ciento, los salarios cayeron hasta 4 por ciento, y las prestaciones sociales 2 por ciento, indica el Inegi.

En los primeros diez meses del presente año los principales indicadores del sector manufacturero de transformación mostraron el siguiente comportamiento: el personal ocupado disminuyó 9.9 por ciento y las horas-hombre trabajadas cayeron 11.5 por ciento, en tanto que las remuneraciones medias reales aumentaron 0.4 por ciento con relación al mismo periodo de 2008.

Este panorama es resultado de que el gobierno federal no tiene una política que fortalezca este sector, ya que "lejos de garantizar el empleo y los mínimos derechos laborales para la clase trabajadora, se centró en el alza a los impuestos", manifestó Ortiz Mallagón.

Al respecto, el Informe sobre el trabajo en el mundo 2009, de la Organización Internacional del Trabajo (OIT), señala que la duración de la crisis del empleo puede reducirse si las políticas se centran en el empleo y la protección social como respuesta a la recesión.

A decir de Ortiz Magallón, esta recomendación internacional ha sido ignorada por el gobierno federal, afectando de manera "importante" las condiciones laborales de las y los trabajadores del país, quienes "cada vez más" se incorporan al sector informal para complementar su salario o en sustitución del mismo, en caso de quedarse sin empleo.

Cabe mencionar, que la OIT consideró en su último informe del año, que el riesgo "particularmente grave" de perder el empleo lo corren las mujeres, y quienes enfrentan mayores dificultades para emplearse son también las mujeres, las personas jóvenes, las de edad avanzada, y la mano de obra poco calificada.

Rosario Ortiz Magallon es de la RMS - Red de Mujeres Sindicalistas, Miembro Directiva de CJM e integrante del PLA - Proyecto Latinoamericano

Fuente: Guadalupe Cruz Jaimes. "Las trabajadoras de la manufactura, las más afectadas por crisis. Desoye Gobierno recomendaciones para enfrentar recesión". CIMAC - Noticias, México DF, 29 de diciembre de 200
Enviada por Cynthia Uribe, às 01:14 30/12/2009, de San Antonio, EUA


"Nunca antes na história deste país" o BNDES emprestou tanto dinheiro como em 2009
Os números preliminares, divulgados hoje (29), revelam que os recursos liberados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) atingiram o recorde histórico de R$ 137,3 bilhões este ano, com aumento de 49% em relação aos desembolsos de R$ 92,2 bilhões registrados em 2008.

“É um desempenho memorável e extraordinário”, comemorou o presidente do BNDES, Luciano Coutinho.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva exaltou nesta terça-feira o desempenho do BNDES e da Caixa Econômica Federal ao longo de 2009, comparando os números com os de 2004.

"O BNDES, em 2004, emprestou 40 bilhões de reais. Tirou do bolso e jogou na economia. Este ano, fechamos novembro com 140 bilhões de reais desembolsados", afirmou Lula durante evento público em São Bernardo do Campo.

Os bancos públicos tiveram papel fundamental na concessão de crédito nos momentos mais duros da crise financeira internacional.

E aí, cornetas? É tudo a mesma coisa?

Certamente haverá pessoas dizendo que o governo Lula é igualzinho ao de FHC. Mas ninguém poderá negar que neste governo, o governo passou a governar e o Estado a cumprir seu papel de Estado junto ao povo brasileiro.

Lembrem-se de como estava o Brasil em 1999 depois do arremedo de crise na Rússia. Comparem com o Brasil de 2009 depois da pior crise nos EUA desde 1929. Comparem. Mas sejam honestos na comparação.

Sem dúvida há muito o que fazer para que o Brasi latinja níveis de justiça e igualdade memoráveis e dignos da bravura e fortaleza de nosso povo. Mas estaríamos muito pior se a turma do demo-tucanato estivesse mandando em Brasília.

Certamente lá também já teria tido inundação....
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:19 29/12/2009, de Curitiba, PR


2010 será uma festa
...para quem ganhar os mais de 120 milhões na Mega Sena
"Teremos um prêmio superior a R$ 120 milhões. Acredito que ficará bem acima disso", afirmou Moreira Franco, vice-presidente de Governo e Loterias da Caixa Econômica Federal (CEF) ao se referir ao último sorteio da loteria Mega Sena da Virada, cujo sortei oocorrerá no dia 31 de dezembro de 2009. O valor é recorde. O prêmio mais alto pago até hoje pela Mega Sena foi de R$ 65 milhões, em outubro de 1999, ganho por um único apostador, de Salvador (Bahia).

Boa sorte!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:09 29/12/2009, de Curitiba, PR


Enquanto isso... seguem inundados os bairros onde mora a plebe do reino demo-tucano
A Subprefeitura de São Miguel, na zona leste de São Paulo, afirmou no início da tarde desta terça-feira que cinco bairros da região permanecem alagados após as fortes chuvas que atingiram parte da região metropolitana de São Paulo nos últimos dias.

Ó, súditos infelizes, quando entendereis que vossos soberanos demo-tucanos vos odeiam de todo o coração???

Será que não enxergais que os bairros onde moram a nobreza paulistana não são atingidos pelas inundações?

Será que não percebeis que as "catastrofes" paulistanas não são culpa de Deus, nem de São Pedro, mas sim dos maus administradores que insistentemente elegeis para governar o estado e a capital?

Acordai meu povo, pois se não o fizeres morrerás afogado nos esgotos do Tietê!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 16:09 29/12/2009, de Curitiba, PR


Financial Times coloca Lula entre as 50 pessoas mais influentes na última década
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido pelo jornal britânico “Financial Times” como uma das 50 personalidades mais influentes da última década, identificando Lula como "o líder mais popular da história do Brasil".

"Charme e habilidade política sem dúvida contribuem [para sua popularidade], assim como a baixa inflação e programas de transferência de renda baratos, mas eficientes", afirma o jornal.

"Muitos, inclusive o FMI, esperam que o Brasil se torne a quinta maior economia do mundo até 2020, trazendo uma mudança duradoura na ordem mundial”, complementa.

É muita responsabilidade para nosso país, para nosso povo. Portanto, não podemos deixar que isso tudo pare e volte à desgraça dos apagões, das privatizações, das compras de votos para reeleição, das três falências nacionais, de "fazer" os italianos, da subserviência aos interesses dos gringos e das grandes potências, das passadas de sacolinha e das dívidas com o FMI, das humilhações em palácios estrangeiros, dos chás de cadeira no FMI e no Banco Mundial...

Conquistamos todo este respeito internacional porque há décadas vimos construindo nossa alta-estima e o auto-respeito que permitiram a Lula e à diplomacia brasileira falar grosso quando assim foi necessário.

Como Lula é resultado de anos e anos de Luta da Classe Trabalhadora Brasileira, ficamos orgulhosos com estes elogios todos, porque na verdade eles são para a Classe e para os Movimentos Sindical e Sociais que fizeram de Lula o que ele é hoje.

Podemos afirmar, sem falsa modéstia e sem arrogância, que o Financial Times elegeu os Movimentos Sindical e Sociais brasileiros como os mais influentes do Mundo, pois Lula é resultado disso tudo que construímos.

Parabéns à Classe Trabalhadora!!!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 15:48 29/12/2009, de Curitiba, PR


Em Portugal, os políticos enfrentam a "Miriam Leitão" local
Alguns jornalistazinhos estão se achando. Acham que podem tudo e, por isso, até mentir vale... Sacaniemo-los, pois

Os dois vídeos abaixo indicados são da TV portuguesa, mas parecem uma paródia à TV brasileira e seus preconceitos contra o país que lhes dá lucros.

É muito legal ver o político portugues enfrentando a Miriam Leitão lusitana que, assim como a brazuca, sempre recorre aos mesmos "especialistas" quando quer emitir opinião e passar-se por imparcial e profissional ética...

Clique aqui e confira.

Mas esta paródia de entrevista na paródia do telejornal Jornal Nacional (os protugueses também tem o seu, ora pois), é imperdível. A voz do comentarista nos faz lembrar aquele Teles do Canal Livre da Band.

Assitam aos vídeos, primeiro o da "Miriam Leitão" e depois o do "Jornal Nacional". Divirtam-se.

Em tempo: Deixamos aqui o comentário de nossa companheira portuguesa Dina Carla:

Esse caso da Manuela Moura Guedes (assim se chama a senhora) deu aqui muito que falar, principalmente depois de ela ter sido amavelmente "convidada" a sair do Jornal Nacional. A senhora em questão era nem mais nem menos que a esposa do diretor da estação de televisão (TVI). Depois de isto acontecer e de o esposo dela ter saído do canal (e ter entretanto ido passar umas férias ao Brasil) a senhora foi literalmente mandada embora (atualmente está sem trabalho).

Aqui o pessoal aplaudiu - já andamos fartos da arrogância destes jornalistas de merda que fazem tudo menos jornalismo sério e que adoram ter opinião sobre tudo e condenar Deus e mundo só para ter mais 0,2% nas audiências - apesar de o senhor do video (nada mais, nada menos que o bastonário da Ordem dos Advogados) não ser pessoa que goze de particular popularidade. De qualquer modo, devo dizer, teve tomates para pôr a senhora no lugar dela.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 15:30 29/12/2009, de Curitiba, PR


NY Times confirma: sem EUA e CIA Jango não cairia em 64
Por Paulo Henrique Amorim

O jornal New York Times publicou no dia 21 de dezembro, na página A29 , a notícia da morte de Lincoln Gordon.

Gordon foi embaixador dos Estados Unidos no Brasil e teve papel decisivo na intervenção militar que, em 1964, depôs João Goulart, o presidente eleito segundo a Constituição vigente.

Veja o que disse o necrológio do New York Times:

“O Presidente Goulart foi deposto num golpe militar de direita, em 1964. Acusações de que o Dr. Gordon, seu staff e a CIA se envolveram no golpe foram repetidamente negadas.”

“Mas, em 1976, quase uma década depois de deixar o cargo de embaixador, o Dr. Gordon admitiu que o Governo (Lyndon) Johnson estava preparado para intervir militarmente para evitar uma tomada do poder pela esquerda.”

Ou seja, nem o Dr Gordon seria capaz de acreditar no que dizem certos especialistas brasileiros.

Como se sabe, há uma corrente de historiadores, especialistas e jornalistas que se pensam historiadores que criaram a teoria de que a intervenção militar de 64 foi genuinamente brasileira.

Segundo essa iluminada corrente de pensamento – ressurrecta no golpe contra Zelaya em Honduras -, foi o povo brasileiro que se cansou do petebo-anarquismo-sindicalismo-comunismo que Jango instalou no poder.

O povo brasileiro, reunido em legiões de proletários, trabalhadores rurais, professores, profissionais liberais, multidões se reuniam no IBAD, no IPES e na casa do Dr Galotti, presidente da Light, e provocaram a queda de Jango.

Na verdade, a intervenção militar no Brasil se deu no quadro da Guerra Fria.

Sem Gordon, a CIA e a Marinha de Lyndon Johnson, aquelas reuniões no IBAD seriam uma espécie de assembléia ampliada do “Cansei”.

Sem Lyndon Johnson, o general Golbery seria um estrategista tão genial quanto o Rodrigo Maia.

É o que demonstra o New York Times.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:09 29/12/2009, de Curitiba, PR


Juros ao consumidor são os menores desde 1994
Os juros de empréstimos bancários cobrados no Brasil são exorbitantes, um verdadeiro assalto, onde o assaltante, além de posar de mocinho, conta com a conivência do assaltado

Contudo, segundo o Branco Central do Brasil, os juros atingiram o menor patamar desde julho de 1994. Em novembro, a taxa ficou em 43% ao ano, contra 44,2% em outubro. Para pessoa jurídica, os juros foram de 26%, os mais baixos desde fevereiro de 2008.

A taxa média caiu para 34,9% a.a. (ao ano) em novembro, com reduções de 0,7% no mês e de 9,2% em 12 meses.

Porém, para os críticos de Lula, tudo está exatamente igual a época de FHC...

E parece que eles realmente acreditam no que falam...

Seria o complexo de vira-lata ou a política de dependência (eterna) que não os deixa ver a realidade?
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:04 29/12/2009, de Curitiba, PR


O papel decisivo de Lula em Copenhague. E o crime do PiG
Por Paulo Henrique Amorim

Obama chegou a Copenhague decidido a pressionar a China a aceitar um controle externo sobre emissões de gás carbônico.

Por isso, sua primeira reunião bilateral foi com o primeiro ministro chinês Wen Jiabao.

Em pouco tempo, presidente americano percebeu que o chinês não cederia em nada.

Obama saiu da reunião tão indignado, que pediu outra entrevista bilateral com Wen e disse aos assessores que, daí em diante, só falaria com Wen cara a cara.

Ao mesmo tempo, os Estados Unidos tentavam organizar uma reunião com Lula, Manmohan Singh (da Índia) e Jacob Zuna, da África do Sul.

Nessa altura, a confusão era monumental.

Ninguém sabia quem estava onde, e que delegação permanecia em Copenhague.

Uma reunião de Obama com Wen foi agendada para às sete da noite.

Quando Obama saiu de um encontro com líderes europeus, e foi em busca de Wen, lhe informaram que a sala prevista já estava ocupada.

E na sala estavam Wen, Lula, Singh e Zuma.

Obama abriu a porta, entrou e perguntou a Wen, em voz alta – essa parte foi gravada por emissoras de televisão: “Você está pronto para a nossa conversa ?”

E entrou.

Não havia sequer cadeira para o presidente americano. Obama disse que não tinha problema.

Ele se sentaria ao lado do amigo Lula.

E Lula lhe cedeu a cadeira de um dos assessores.

Na verdade, arrumou duas cadeiras, porque Obama veio com Hillary.

Obama decidiu que essa era a oportunidade para falar com todos de uma vez só.

E sua ousadia acabou por lhe ajudar.

Obama anunciou que se eles cinco não fechassem um acordo ali, na hora, ele, Obama, faria um acordo em separado com os europeus.

Não se sabe o que passou a acontecer na reunião.

Mas, daquela reunião saiu o único acordo que hoje se pode celebrar.

Lula não é apenas um lince da política.

Quando ele percebeu que a reunião tinha entrado em ponto morto, pronunciou um ovacionado discurso e, pela primeira vez, para surpresa de seus próprios assessores, anunciou que o Brasil estava disposto a contribuir para um fundo verde global.

Lula sabia que, com isso, deixava Obama com um perfil baixo.

Uma vez mais, Lula soube jogar suas cartas com astúcia e sem estridência.

Não é à toa que Obama disse que ele é “o homem do momento”.

Em seu discurso, Lula disse que o Brasil não aceitaria que as figuras mais importantes do planeta assinassem um documento qualquer só para decidir que nós outros também o assinamos.

Disse que, como crê em Deus e em milagres, “se se produz o milagre, quero fazer parte dele”.
(El País, página 40, domingo, 20 de dezembro de 2009)

Obama se fechou por cinquenta e cinco minutos com Wen.

A Casa Branca anunciou que haveria um segundo encontro.

Na hora marcada para esse segundo encontro, Obama constatou que Lula, o primeiro ministro da Índia Singh, e o presidente sul-africano Zuma estavam já reunidos com Wen.

E estes cinco lideres negociaram o acordo de três paginas que foi apresentado à sessão final.

O que aconteceu em Copenhague ?

A Europa defendeu objetivos ambiciosos que ela não pode e não soube compartilhar com os outros países.

A Europa foi marginalizada por uma coalizão que testemunha a divisão do poder político no mundo de hoje: os Estados Unidos, a China, a Índia, o Brasil e a África do Sul.
(Le Monde, paginas 6 e 2, domingo, 20 de dezembro de 2009)

De volta ao Brasil, me contam que o PiG menosprezou o papel decisivo de Lula em Copenhague.

Criou uma falsa gafe de Dilma.

Deu destaque ao não-evento, que foi o memorável encontro do Zé Alagão com o Berlusconi da Califórnia, Arnold Schwarzenegger.

E disse que Copenhague foi um fracasso.

Esses foram alguns dos pequenos crimes que o PiG cometeu ultimamente.

Na categoria “grandes crimes” se inclui mentir.

Em tempo: amigo navegante, imagine quantos dedos da mão daria o Farol de Alexandria para participar dessa reunião dos cinco grandes.
E, amigo navegante, sabe por que ele vai entrar para a História sem ter participado de uma reunião dessas?
Porque a política externa dele era a “Política da Dependência”.
Enviada por Almir Américo, às 12:48 28/12/2009, de São Paulo, SP


A popularidade de Lula
Por Marcos Coimbra

Como fizemos no final do ano passado, a coluna de hoje e as próximas duas são dedicadas a um balanço do ano político que termina. Nelas, vamos discutir três assuntos que poderiam ser considerados os mais importantes de 2009.

Em um repeteco de 2008, o primeiro e o que mais impacto teve na nossa vida política este ano voltou a ser o tamanho da popularidade de Lula. Ela chega, neste dezembro, a novos níveis históricos e influenciou de maneira decisiva o segundo tema de que trataremos, a maratona eleitoral em direção a 2010, uma corrida tão longa que ameaça deixar esgotados candidatos e eleitores.

Lula tem hoje uma popularidade que não conhecíamos em nossa experiência democrática.

Sobre os presidentes da República de 1945, quase não há dados comparáveis, mas toda a evidência, baseada em outras fontes, diz que não. Quem consultar a imprensa do período, quem ler seus intérpretes, quem tiver memória própria, saberá que nenhum deles gozou da unanimidade com que conta o atual.

Fora o fato de todos, com a possível exceção de Dutra, terem enfrentado crises agudas onde seus mandatos foram questionados, através de golpes, ameaças de golpe e sublevações diversas, de origem civil ou militar.

Da redemocratização em diante, o mesmo. Sarney, Collor, Itamar e Fernando Henrique, cada um à sua maneira, tiveram seus auges de aprovação.

No governo Sarney, ele foi alcançado dois anos depois da posse e durou alguns meses, na breve vida do Plano Cruzado. Quando o plano acabou de maneira decepcionante, Sarney nunca mais se recuperou.

O de Collor foi o mais engraçado, pois aconteceu antes que chegasse ao governo. No intervalo entre a vitória em dezembro de 1989 e a posse em março de 1990, as pesquisas mostraram que eram elevadíssimas as expectativas sobre seu desempenho e a avaliação positiva quase universal. Do discurso de posse ao final antecipado do governo, no entanto, os números só foram ladeira abaixo.

Itamar experimentou algo parecido, mas terminou de maneira diferente. Quando assumiu, em meio à crise do impeachment, toda sociedade torcia por ele e lhe tinha apreço. Mas seu governo teve uma aprovação sempre declinante, até ser recuperado pelo Plano Real. Se Sarney começou baixo (pela frustração com a morte de Tancredo e a desconfiança que contra ele existia), subiu (com o Cruzado) e terminou mais baixo ainda, Itamar fez o percurso inverso: de alto a baixo e depois a alto de novo.

Sobre a avaliação de Fernando Henrique, o que mais chama a atenção, atualmente, é quão mal ela resistiu à passagem do tempo. Ao contrário dos bons vinhos, quanto mais tempo passa, pior fica.

Os elementos que fizeram com que ela fosse elevada, há poucos anos, como que sumiram. As realizações de seu governo, decisivas para que o país estivesse hoje melhor, ficaram secundárias, frente à antipatia com que é visto pela maioria das pessoas.

E Lula? Não só sua avaliação média, nos últimos dois anos, ganha de goleada da que todos tiveram, quanto os ultrapassa nos seus picos de popularidade. Ou seja, o Lula do dia a dia é mais bem avaliado que o Sarney do Cruzado, o Collor de antes da posse, o Itamar do dia da posse, o FHC do Plano Real.

Deixando de lado as explicações que têm sido aduzidas para esse fenômeno, de uma coisa podemos estar certos: a campanha eleitoral de 2010 só vai fazer com que Lula fique maior.

Do lado de Dilma, sua figura será enaltecida a ponto de se confundir com os arcanjos e os querubins. Sua campanha dirá que a obra de Lula é extraordinária, para justificar sua proposta de apenas mantê-la.

Do lado de Serra, ele mesmo tem afirmado que pretende polemizar é com Dilma, pois quer tudo, menos se defrontar com o presidente. Se Dilma ganhar, algo que hoje parece muito possível, teremos criado, em Lula, uma figura que nossa imaginação política não conhecia e que nossa cultura não está preparada para absorver: um líder inconteste, legitimado por um apoio popular quase unânime.

Querendo, voltaria à Presidência quantas vezes pudesse. O perigo é que, nesse ponto, só sua convicção democrática nos separaria de outra aventura autoritária. Ainda bem que a tem.

MARCOS COIMBRA é sociólogo e presidente do Instituto Vox Populi

marcoscoimbra.df@dabr.com.br

Nota desta redação:
Entre algumas das "grandes" realizações de FHC destacamos: a privataria; a precarização do Trabalho e da Vida dos brasileiros, a parca geração de empregos, o aumento do desemprego; "fazer os italianos"; "conquistar" o direito a reeleição; o apagão de 2001; a falta de investimentos na educação pública de qualidade (em geral) e na educação técnica (especificamente); e o roubo de paternidade do Real, que foi obra do governo de Itamar Franco, mas sorrateiramente atribuída ao principe dos sociólogos.

Não seriam estes, alguns dos motivos que explicariam a queda constante na popularidade de FHC e que levariam a população a querer esquecê-lo???
Enviada por Almir Américo, às 12:12 27/12/2009, de São Paulo, SP


La Jornada contrasta o México com o Brasil
No seu editorial desta quinta-feira (24), o jornal mexicano La Jornada faz um curioso paralelo entre o Brasil e o México, a começar pelo salário mínimo, comparação que considera "inevitável". Sem ser acrítico em relação ao governo Lula, o diário mexicano conclui que este tem "uma visão de Estado" que vem faltando aos governantes mexicanos. Confira o texto.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, instituiu um aumento de 10% no salário mínimo, o que significa, quando a medida entrar em vigor em janeiro próximo, um aumento real anual, descontada a inflação, de 5,5% no poder aquisitivo dos trabalhadores. Desde 2003, quando Lula iniciou seu primeiro mandato como presidente, o indicador salarial brasileiro acumulou um aumento de 53,4% em termos reais.

Isto não apenas ajuda a explicar a enorme popularidade de que goza o governante de origem operária. Mais importante, permite-nos compreender a solidez da economia do maior país da América Latina.

Na verdade, o crescente poder de compra dos salários tem dado ao Brasil um mercado interno consolidado que proporciona um crescimento sustentado dos ramos agrícola, industrial e de serviços. Isso permitiu que a crise econômica mundial tenha sido, nessa nação do Sul, muito menos prejudicial do que em outros países. Na verdade, apesar de toda a falência financeira global registrada no ano, a economia brasileira registrou em 2009 números positivos.

Em todas estas áreas, os salários, os mercados domésticos, crises econômicas e mudanças no PIB, é inevitável comparação entre o Brasil e o México. De 2003 até esta data, o salário mínimo no México aumentou 20,4% nominalmente, mas quando comparado com a inflação desse período, a segunda metade do mandato presidencial de Vicente Fox e a primeira da administração de Calderón, o mínimo perdeu, em termos reais, cerca de 10% do seu poder de compra. Isto é simplesmente a etapa mais recente de uma desvalorização deliberada e sistemática de trabalho, estipulada pelo programa neoliberal em curso desde 1988 – ou desde 1982, de acordo com outros critérios.

Esse plano para punir os salários e facilitar a concentração da riqueza em poucas mãos, não só foi catastrófico para os trabalhadores, mas também para a economia como um todo, uma vez que impediu o crescimento de um mercado capaz de sustentar atividades produtivas. No final, e obsessão neoliberal e antinacional dos governantes – por atrair investimento estrangeiro, aumentar as exportações às custas do bem-estar da população, submeter o país ao arbítrio de todo tipo de agentes externos – impôs à atividade econômica um rumo de colapso. Isto pode ser visto no total desamparo do México face aos embates de uma recessão global e suas conseqüências, mais desastrosas e duradouras aqui que no resto das nações do continente.

Não se deve omitir, é claro, as terríveis conseqüências sociais e políticas das estratégias antissalariais e antitrabalho com que se governou nas últimas décadas. O aumento descontrolado das taxas de criminalidade, a crescente desintegração social, as evidente carências em educação, saúde e habitação constituem um saldo que,se não mudar o rumo, mais cedo ou mais tarde desembocará na ingovernabilidade, na desestabilização e numa violência ainda maior do que a sofrida atualmente.

O governo Lula não poderia ser classificado como socialista radical. Ao contrário, em diversas áreas da esquerda se critica o presidente brasileiro por abandonar os postulados ideológicos de sua origem sindicalista, por ter virado as costas, depois de chegar ao poder, aos movimentos sociais que o apoiaram em sua carreira política, e até por ter assumido algumas premissas da ortodoxia neoliberal.

O que ninguém, nem da esquerda nem da direita, nega a Lula é uma visão de Estado.

Como corolário destas considerações pode-se assinalar que não é preciso manter posições progressistas nas esferas social e econômica para entender como é importante a manutenção e melhoria dos níveis de salário. Para partilhar essa visão e essa práxis governamental, basta por o interesse nacional acima daquele de um pequeno grupo de potentados nacionais e estrangeiros.

www.jornada.unam.mx

Apesar de entender as necessidades que levam os mexicanos a escrever tal editorial, esta página não compartilha a linha central definida para o mesmo por considerá-la estreitamente economicista, jogando peso em apenas um dos muitos fatores que explicam os porques o Brasil é diferente do México e porque conseguimos fazer com que o tsunami internacional não passasse de uma marolinha em nossas praias.

Também consideramos equivocada a necessidade de rotular os governos. É uma mania acadêmica que nada tem a ver com a realidade do povo.

Não são rótulos (conferidos ou por acadêmicos ou este ou aquele grupo político), mas as ações concretas que definem um governo em relação a seu povo, a seu país e aos capitais nacionais e internacionais. E nosso mundo é muito mais diverso que uma simples divisão entre vermelhos e brancos, comunistas e capitalistas, bons e maus, democratas e ditadores, etc.

É preciso analisar o conjunto da obra em seu contexto histórico, humano, social, político e econômico para se entender a complexidade das relações sociais e econômicas brasileiras.

Mesmo assim, divulgamos aqui o editorial do periódico mexicano para que o leitor brasileiro saiba o que estão publicando sobre nosso país no exterior.
Enviada por Almir Américo, às 11:56 27/12/2009, de São Paulo, SP


Pobres fazem a festa dos shopping centers e vendas tem crescimento real de 7%
A entrada das classes D e E no mercado consumidor, somada à oferta de crédito com juros competitivos e aos incentivos fiscais em setores que amargaram um fraco desempenho nas vendas do Natal passado, contribuiram para que o varejo de shopping este ano conquistasse um crescimento real (descontada a inflação) de 7% na comparação com 2008.

Algumas lojas ficaram desabastecidas dias antes do Natal. Isso sem contar as lojas de comércio eletrônico que venderam até o que não tinham em estoque e ainda não conseguiram entregar todas as mercadorias vendidas pela internet.

Ainda não há uma avaliação do desempenho do comércio em geral, mas certamente baterá recorde.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 20:30 26/12/2009, de Curitiba, PR


Projeto OLPC divulga mais detalhes sobre notebook XO-3, de 75 dólares
Clique aqui para ampliar a foto
O projeto Um Notebook Por Criança - One Laptop Per Child (OLPC) apresentou recentemente informações mais detalhadas de seu futuro tablet XO-3, além de conceitos e recursos

O computador, que possui mais ou menos o tamanho de uma folha de papel A4, agora tem instalado na parte traseira uma câmera, para gravar vídeos de maneira mais intuitiva que o XO-1. Os desenvolvedores ainda afirmam que, para agradar aos desejos de Negroponte, do computador não ter empecilhos, haverá ainda o uso de energia sem fio. Audaciosos, sem dúvida.

Atrás do LCD haverá um painel plástico, para evitar quebras, além de um anel no canto superior, para melhorar a aderência, ou mesmo pendurar o dispositivo, quando não está em uso. O anel pode virar para trás quando o usuário desejar, sendo sustentado por imãs. A tela é da Pixel Qi, que pode ser legível à luz do dia e alternar para um modo de baixo consumo. Haverá ainda um processador ARM, e o PC será ainda a prova d'água, tendo aproximadamente 6 milímetros de espessura.

Clique aqui para ver mais fotos do novo notebook XO-3.

O XO-3 é um projeto de longo prazo para a organização, sendo programado para ser lançado até 2012. Neste meio tempo, a OLPC pretende atualizar o XO atual, com o "XO-1.5", que terá processador VIA com o dobro da velocidade, quatro vezes a quantidade de memória RAM, e preço similar, de 200 dólares, com as vendas sendo inicias em janeiro de 2010. Uma atualização para 2011, o "XO-1.75", será o primeiro a ter processador ARM, mas terá um quarto do consumo de energia e custará 150 dólares ou menos.

Enviada por Sérgio Bertoni, às 22:43 25/12/2009, de Curitiba, PR


Microsoft é proibida de vender Office e Word nos EUA
A Microsoft perdeu sua apelação contra uma indenização de 290 milhões de dólares e contra a proibição da comercialização da suíte Office e Word do mercado estadunidense. Um tribunal dos EUA deu o veredito que parte do código XML usado no Word 2003 e 2007 viola as patentes dos plugins XML da pequena empresa canadense i4i, sediada em Toronto. A partir de 11 de janeiro, as vendas do Office e do Word estarão proibidas lá na terra de Obama, a menos que a Microsoft corrija o problema.

Não é certo se a Microsoft pode fazer alterações simples no código, já que os formatos DOCX e DOCM são parte integrante do pacote Microsoft Office. Vale lembrar que outros softwares que também manipulam arquivos XML, como o iWork Pages, TextEdit e o próprio OpenOffice, não possuem estes códigos indevidos.

A Microsoft disse que vai minimizar o veredito, cumprindo a liminar, mas removendo o recurso "pouco usado" do Office, e disponibilizando as vendas do novo Office 2010 antes de 11 de janeiro. A Microsoft afirma que as versões betas do Office 2010 e Word 2010 não incluem a tecnologia da i4i, embora isto não tenha sido confirmado.

Fontes:

guia do hardware.net

osnews.com

electronista.com
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:20 25/12/2009, de Curitiba, PR


FHC sem cotovelos: Lula é eleito o homem do ano pelo Le Monde
Que presente de natal!!!
Pela a primeira vez em sua história, o jornal francês Le Monde decidiu designar a personalidade do ano. Elegeu Lula!!!

Moçada! Preparem-se pois a fúria dos demo-tucanos será maligna. FHC já deve estar sem cotovelos de tanta dor e de tanto tentar roê-lo. Até o conservador Le Monde, da adorada França de FHC, está elogiando o peão metalúrgico.

"Carismático, de sorriso fácil e jovial, Lula, nascido em 27 de outubro de 1945 no estado de Pernambuco, ex-torneiro mecânico e sindicalista, transformou o Brasil em ator essencial do cenário internacional".

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido o "homem do ano" pela redação do jornal francês Le Monde porque "aos olhos de todos encarna o renascimento de um gigante".

"O presidente brasileiro, que no fim de 2010 deixará a presidência sem ter tentado modificar a Constituição para concorrer a um terceiro mandato, soube continuar sendo um democrata, lutando contra a pobreza sem ignorar os motores de um crescimento mais respeitoso dos equilíbrios naturais", segundo o Le monde...

O que o PiG irá dizer agora?

Com certeza acusarão o Le Monde de ser chavista ou de ter algum negócio com o governo brasileiro. rá! rá! rá!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:04 24/12/2009, de Curitiba, PR


Salário mínimo atinge seu maior valor em dólares desde 1940
Clique na figura para ampliá-la
A transferência de renda com o salário mínimo é melhor do que outro tipo de gasto, até mesmo porque estimula os investimentos

O aumento do salário mínimo de R$ 465 para R$ 510 vai aumentar o poder de compra das famílias mais pobres. Com os trabalhadores comprando mais, a demanda aumentará, provocando aumento na produção e, consequentemente, de vagas no mercado de trabalho. Dando continuidade ao círculo virtuoso de crescimento criado no governo do operário Luís Inácio Lula da Silva.

O salário mínimo anunciado pelo governo nesta semana e que entra em vigor a partir de janeiro de 2010, deve ser o equivalente a cerca de US$ 290, tendo por base a cotação da última quarta-feira (R$ 1,757). Trata-se do maior valor do salário mínimo em dólar desde a instituição de uma quantia nominal para o benefício no Brasil.

Em 1940, quando o mínimo foi criado, a remuneração básica era de 240 mil réis. Dois anos depois, o mínimo ainda não tinha sido alterado e o dólar era cotado em 19,26 mil réis. Portanto, o primeiro salário mínimo do Brasil foi de US$ 12,23. Mesmo com todas as alterações da moeda nacional, o salário mínimo em dólares nunca ultrapassou o patamar em que se encontrará em janeiro.

No último ano do governo de FHC o mínimo valia R$ 200,00.

No último ano do governo Lula valerá R$ 510,00.

Isso e muitas outras coisas mais não podem parar.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:55 24/12/2009, de Curitiba, PR


Perguntinhas aos paulistas e seu governador
Por Luiz Carlos Azenha

Guia de perguntas impertinentes que não devem ser feitas às autoridades paulistas, especialmente ao prefeito Gilberto Kassab e ao governador José Serra:

1. A limpeza da calha do rio Tietê, daquela obra gigantesca que prometia acabar com as enchentes, vem sendo feita de forma regular e adequada?

2. O ritmo normal de gastos foi mantido ou o estado e a prefeitura cortaram esses gastos enquanto investiam em publicidade (por exemplo, na propaganda da Sabesp fora do estado de São Paulo)?

3. Como é que é? Duas das barragens que regulam a vazão do Tietê em São Paulo são controladas pela Sabesp e as outras duas pela Empresa Metropolitana de Águas e Energia? Esses dois órgãos conversam? Tem algum plano de emergência para as tempestades? Houve alguma falha gerencial nessa coordenação?

4. A varrição das ruas de São Paulo, para tirar a sujeira que corre para os rios através dos bueiros, sofreu cortes? A culpa é só da população ou também do poder público?

5. São Paulo tem “facilidades” com São Pedro?
Enviada por Sérgio Bertoni, às 11:26 21/12/2009, de Curitiba, PR


Longe dos holofotes (e das algemas?): Serra e Arruda em Copenhague
Por LAERTE BRAGA

É visível o esforço que o governador de Minas Aécio Pirlimpimpim Neves está fazendo para dissimular o ódio (ódio sim) ao governador de São Paulo José Jânio Serra. As notícias de explosões de raiva em ambientes palacianos ultrapassaram esses ambientes. Aécio foi posto, literalmente, na parede por Serra. Ou desistia de disputar a indicação presidencial com Serra, ou notas "jornalísticas" dos muitos Juca Kfoury que existem por aí iriam mostrar a dependência do governador mineiro em relação à cocaína.

Minas inteira sabe disso e o Mineirão cantou isso em coro num jogo Brasil e Argentina em meados do ano que passado. O que menos importa neste momento é se Aécio como disse o Mineirão "cheira mais que Maradona". O que mais importa, neste momento, é o caráter chantagista de um dos políticos mais perversos e perigosos de toda a história recente do País, José Jânio Serra.

Corrupto, autoritário, paga o preço que for preciso, qualquer preço, para ser o próximo presidente da República. Não tem um pingo de escrúpulos, ou respeito por qualquer coisa que seja, por quem quer seja, que não ele próprio.

Do jeito dos grandes chefes mafiosos José Serra embarcou para Copenhague com a senadora do DEM Kátia Abreu e um único objetivo real. O de enquadrar o governador de Brasília José Roberto Arruda, uma espécie de pulga que havia se atrevido a chantageá-lo, como fez ele Serra com Aécio. Arruda mandou avisar a Serra que se continuasse a sistemática campanha para o seu impedimento, principalmente no JORNAL NACIONAL, cairia, mas levaria todo mundo com ele.

Copenhague foi o centro das atenções do mundo nessa semana que termina. Serra não tinha, nem tem o que dizer a Copenhague, ao mundo ou ao Brasil e aos brasileiros. É um FHC que não dissimula raiva e atira pelas costas sem a menor preocupação de remorso, nem sabe o que é isso.

Foi lá para exibir-se e liquidar a fatura Arruda. Kátia Abreu, senadora que responde a processos por corrupção, é do DEM, partido de Arruda, foi como pistoleira para o acerto de contas, devida e antecipadamente paga.

Sem saída, pelo menos até que se descubra o que de fato aconteceu em Copenhague e deve ter acontecido um acerto, Arruda é ladrão de galinhas perto de Serra, o governador de São Paulo adicionou um "extra" ao JORNAL NACIONAL (já está comprado desde que começou, há quarenta anos) e acertou pequenos extras com outras empresas, pequenas empresas, para deixar o assunto Arruda morrer. Não interessa a ele nem que se fale tanto no caso e nem que o governador caia atirando.

O acerto com Arruda em Copenhague é para que ele caia e não atire. Leve uma compensação qualquer, para ficar quieto. Dinheiro não falta. Essa gente representa o que há de pior no País (a elites paulista FIESP/DASLU), o latifúndio, os banqueiros, os interesses dos Estados Unidos na Amazônia, no pré-sal e em instalar bases militares no nosso País. Não se trata de mala propriamente dita, mas de imensos baús repletos de dólares para comprar o que for preciso e eliminar obstáculos à chegada do mafioso tucano à presidência da República.

Se Arruda resolver ou resolveu dar uma de herói, azar dele. Vai ser jogado às feras, devorado em seu próprio partido e sair de mãos abanando, quer dizer, só com o que já levou.

O próximo passo de Serra é tentar mostrar a Aécio, através de terceiros, que é um bom negócio ser senador e pode até, quem sabe, virar vice do algoz e esperar um pouco mais. Vice e nada nesse caso é a mesma coisa. Se Aécio vai engolir isso ou não é outra história. Aécio é do tipo também que não tem nem princípios e muito menos condições de decidir assuntos dessa relevância já que vive em Alfa. Quem escolhe a gravata dele é a irmã, não há necessidade de perguntar no twitter como faz o venal William Bonner se alguém quer bom dia.

O risco de Serra é Aécio fazer corpo mole em Minas, deixar a coisa rolar livre e Minas é o segundo colégio eleitoral do Brasil, decisivo para as pretensões criminosas de José Jânio Serra. Mas como há muitos interesses cruzados, muito dinheiro em jogo e tucano vive disso, trapaça, corrupção, chantagem, Aécio é só um cadáver político insepulto.

Virou um Eduardo Azeredo da vida.

De quebra ainda carrega um mala sem alça, Itamar Franco. Pode vir a ser a saída do governador para enfrentar o ministro Hélio Costa, uma espécie de vingança contra Serra e contra a GLOBO, já que o Costa (que ganhou a convenção do PMDB em Minas) é ministro da GLOBO.

É o que chamam de jogo político, de manobras. É só um monte de fatos repugnantes que mostram o estado pútrido do chamado institucional. Gilmar Mendes presidindo o que chamam de Corte Suprema (há ministros dignos). Temer (doublé de tucano/PMDB com laivos petistas e o resultado disso é quero o meu) que já foi encurralado por Serra em pequenas denúncias que podem virar grandes manchetes escandalosas de jornais e redes de tevê compradas pelo tucano (GLOBO, BANDEIRANTES, VEJA, FOLHA DE SÃO PAULO, etc).

Por pior que possa parecer e por mais ofensivo que isso possa soar, ou baixo, Serra, como FHC, ou qualquer tucano, repito qualquer tucano, privatiza mãe ou terceiriza, se por trás do negócio estiver uma gratificação de pelo menos 20%.

Não é um partido, o PSDB, é uma quadrilha que traz a reboque o que há de mais atrasado na política brasileira, o DEM, antigo PFL, antigo PDS, antiga ARENA dos tempos da ditadura militar.

O golpe em Aécio, o acerto de contas com Arruda em Copenhague, as manchetes obtidas em noticiários de tevê, JORNAL NACIONAL principalmente, foi como se tivéssemos com métodos diversos, mas efeitos semelhantes (você pode achar que está morto e está vivo, e pode estar vivo, mas estar morto, caso de Aécio), foi como se tivéssemos o episódio da Noite de São Valentin, onde numa garagem, Al Capone eliminou seus concorrentes de uma só feita.

Resta saber se os brasileiros vão cair no conto do governador ?eficiente? de São Paulo alagada, de obras superfaturadas, de uma elite fantasmagórica e fétida que pretende numa simples assinatura de "escritura" mudar a grafia da palavra BRASIL para BRAZIL.

Foi o que FHC começou a fazer é o que Serra quer terminar?

E foi fazer o acerto final longe dos holofotes (e das algemas), numa conferência onde se buscava uma solução, ou um caminho para salvar o planeta da devastação do "progresso" capitalista.

É o jeito deles, passam um filme bonitinho, mas são ordinários. Cínicos à perfeição.
Enviada por Ubirajara Freitas, às 22:03 19/12/2009, de BElo Horizonte, MG


COP-15: críticos elogiam Lula e falam em “decepção” sobre Obama
Nota desta Redação:
Embora achemos que pouco adianta debater o clima sem discuti-lo como resultado do modo de produção capitalista, sem discutir a RENÚNCIA da forma de consumo que este sistema gera e sem levar em consideração até mesmo a questão da quantidade de humanos no planeta, reproduzimos aqui o artigo abaixo para que nossos leitores possam tirar suas próprias conclusões.

COP-15: críticos elogiam Lula e falam em “decepção” sobre Obama

Um discursou ocorreu logo após o outro no plenário da Conferência do Clima de Copenhague, na Dinamarca, mas os resultados das falas dos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Barack Obama foram diametralmente opostos nos corredores do Bella Center, onde acontece o evento. Enquanto Lula entusiasmou os poucos otimistas que ainda restam no centro de conferências, Obama foi alvo de críticas e decepcionou quem esperava que ele pudesse mudar o rumo das negociações na reta final.

As diferenças já puderam ser vistas durante os pronunciamentos: Lula teve quatro vezes o discurso interrompido por aplausos, enquanto Obama nenhuma vez — apesar de as palavras do americano serem as mais aguardado de todo o evento. Ao final dos discursos, mais uma vez as palmas enfáticas para o brasileiro se distanciaram dos aplausos meramente protocolares dispensados ao americano.

“O Lula mandou muito bem e abriu a porta para quem sabe as negociações tomarem outro rumo”, disse Paulo Adário, um dos coordenadores do Greenpeace Brasil. Adário elogiou a postura de vanguarda que o Brasil assumiu, ao oferecer contribuição financeira para o Fundo Global de Mudanças Climáticas para os países pobres. “A gente sabe que o Brasil não é mais nenhum Haiti e vínhamos cobrando isso há anos do presidente. Ele fez o que a gente esperava dele.”

O coordenador da ONG Vitae Civilis, Rubens Harry Born, destacou que a fala improvisada de Lula fez toda a diferença. “Ele foi ele mesmo, falou com o coração e passou uma mensagem muito legal de comprometimento. Acho que essa postura pode ter efeitos nas negociações”, afirmou Born. Já o francês Fabrice Bourger, membro da delegação do seu país, achou que o Brasil deu um exemplo “sem precedentes” e que o discurso de Lula o aproxima ainda mais dos europeus. “Foi constrangedor para os outros países. Mas, sinceramente, nós não esperávamos outra coisa de Lula”, afirmou Bourger. “Ele se destaca de todos os outros líderes com essa posição aberta ao diálogo, sem perder a firmeza e a determinação.”

Obama: “mico da história”

Já as palavras em relação a Obama foram bem diferentes. “Arrogante”, “estúpido”, “burocrático” e autor de um “mico histórico” são apenas algumas das definições empregadas nos corredores da COP-15. “Uma parte, foi de palavras da boca para a fora (como a frase de que “não se pode mais perder tempo” para salvar planeta). E a outra, um verdadeiro absurdo. Foi um mico histórico”, disse Born.

Para o coordenador da Vitae Civilis, Obama só reforçou o discurso intransigente que os Estados Unidos vinham defendendo na Cúpula do Clima e não trouxe nenhuma novidade. E ainda usou como desculpa para a falta de ação um argumento que todos os países democráticos poderiam utilizar, se quisessem: o de que não pode fazer nada sem a aprovação prévia do Congresso de seu país.

Adário, do Greenpeace, foi ainda mais duro. “A postura do Obama naquele púlpito foi socialmente arrogante e politicamente estúpida. Não está nem perto de assumir a posição de liderança que as pessoas esperavam dele”, afirmou, destacando que as três condições impostas pelo americano para que assine um acordo — transparência, verificação das ações e metas de redução baixas — devem manter as negociações travadas.

Também a ausência de especificações sobre quanto os Estados Unidos estarão dispostos a contribuir para fundo internacional de financiamento decepcionaram. Obama garantiu apenas que o país vai entrar com recursos, mas não detalhou nem quanto, nem quando. Bourger, negociador francês, preferiu não se estender nos comentários, mas não escondeu a decepção. “Acho que os esforços da Europa não foram suficientes para mudar nem um milímetro da posição americana.”

Também o ministro brasileiro do Meio Ambiente, Carlos Minc, criticou o presidente americano e disse que o seu discurso “foi uma desgraça”. “O Obama foi muito frustrante. Parecia até que o Lula tinha mais responsabilidades do que ele no plano climático mundial, de tanto que o Obama falou mal.”

Publicado em www.vermelho.org.br

Enviada por Sérgio Bertoni, às 03:17 19/12/2009, de Curitiba, PR


Serra lançará o Balsa Família
O governador do demo-tucanato paulista, José Serra, deve ter ido a Copenhagen* para anunciar o novo programa ecológico de seu governo.

É que com esta onda de enchentes (sic!), as comprovadas incompetências da "jestão" demo-tucana no estado dos pobres paulistas e em suas empresas estatais (pois muitas das inundações foram causadas por defeitos nos equipamentos da Sabesp, a empresa que cuida da propaganda do Serra em lugar de fazer saneamento básico) a demo-tucanada de São Paulo prepara o lançamento do programa "Balsa Família", que além de mostrar a porta de saída (de São Paulo), incluiria também o direito a moradia com o "Minha Balsa, Minha Vida".

Os demo-tucanos dizem clara e abertamente que os pobres (em sua maioria nordestinos ou descendentes) sujam a cidade, daí as inundações. Com o Balsa Família e o "Minha Balsa, Minha Vida" os pobres teriam onde morar e seriam levados pelas correntezas para bem longe da capital dos bandeirantes...

Seguindo a lógica demo-tucana se retirar os pobres, a poluição diminui e o aquecimento global acaba ...

* Escrever Copenhague é coisa de pobre, que aportuguesa a lindas palavras estrangeiras
Enviada por Sérgio Bertoni, às 19:55 17/12/2009, de Curitiba, PR


Aécio desiste de 2010 com olhos em 2018
O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), desistiu de tentar a indicação do partido para concorrer à Presidência da República em 2010. O anúncio foi feito pelo governador, por meio de uma nota à imprensa, na tarde desta quinta-feira (17) em Belo Horizonte.

Ao desistir da Presidência, Aécio deve se candidatar a uma cadeira no Senado em 2010.

O mineirinho é esperto. Deixa Serra se queimar em 2010, ganha o senado e vira o líder da oposição. Mas não de uma oposição babaca e raivosa e sim de uma oposição com uma cara "humana", populista e negociadora, que conversa com os poderes legitimamente estabelecidos. Assim Aécio vai criando e solidificando nacionalmente a idéia de que é um político sensato, preparado, conciliador e capaz de dar continuidade a tudo de bom da obra do PT e do "tio" Lula, além de dar um "choque" de gestão no estado. Traduzindo irá privatizar mantendo alguns programas sociais que favoreçam aos mais pobres. Mas isso só lá em 2018, quando todos já terão esquecido o governo neoliberal demo-tucano de FHC.

Se por azar Serra ganhar em 2010, Aécio ainda assim sai no lucro. vira o líder do governo capaz de conversar com a oposição de esquerda e amigo de Lula. E de novo venderá a imagem de bom moço negociador, pacificador, imitando descaradamente o avô.

É cedo para comemorar, mas uma coisa é certa. Depois de 2010 o PSDB de São Paulo não terá mais a mesma força que tem hoje. O centro decisório do partido deve migrar para Minas, isso se Aécio continuar tucano...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 19:34 17/12/2009, de Curitiba, PR


Brasil aprova entrada da Venezuela no Mercosul
O Senado brasileiro aprovou nesta terça-feira (15), por 35 votos contra 27, o Protocolo da Entrada da Venezuela no Mercosul, bloco que reúne Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

Esse é o último passo legislativo para a ratificação brasileira da entrada de Caracas no grupo, e o protocolo de adesão passa a depender apenas da aprovação do parlamento paraguaio para entrar em vigor.

A maioria dos senadores que votaram contra a adesão da Venezuela ao Mercosul são parlamentares ligados aos demo-tucanos, aqueles mesmos que defendiam alegremente a adesão do Brasil a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas) proposta e defendida pelo governo gringo.

Mercado Comum do Sul (Mercosul)

É um projeto de integração regional concebido por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, envolvendo dimensões econômicas, políticas e sociais.

No aspecto econômico, o Mercosul assume hoje o caráter de União Aduaneira, mas seu objetivo é constituir-se em verdadeiro Mercado Comum, seguindo os objetivos estabelecidos no Tratado de Assunção, que determinou a criação do bloco, em 1991. A inspiração do Mercosul foi o Mercado Comum Europeu.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:50 15/12/2009, de Curitiba, PR


Eis a CPI contra a Reforma Agrária
Por Carlos Bandeira

A vontade de um grupelho de parlamentares do DEM foi realizada na tarde desta quarta-feira (9/12), com a instalação da CPI contra a Reforma Agrária. O sorridente deputado federal Onyx Lorenzoni conseguiu colocar seus planos em marcha e conquistou a vice-presidência da comissão.

O presidente da comissão será o senador Almeida Lima (PMDB-SE), que indicou o deputado federal Jilmar Tatto (PT-SP) para a responsabilidade de fazer o relatório final.

Os demos Katia Abreu e Ronaldo Caiado, parceiros de Lorenzoni no esforço para levantar as assinaturas para instalar uma CPI contra as políticas públicas para assentamentos, não estavam presentes na primeira sessão. Quem sabe, estivessem dedicados a temas mais importantes para o país.

Os parlamentares que criaram a CPI garantiram em seus pronunciamentos o compromisso com a reforma agrária e que não pretendem criminalizar os movimentos sociais. Tomara que não seja apenas discurso. A CPI da Terra durou três anos e concluiu apenas que ocupação de terra é “crime hediondo” e “atendado terrorista”.

Os tópicos para investigação que apareceram na primeira sessão são muitos e de diferentes naturezas.

Há preocupações com o desvio de dinheiro público. Pelo que aparece nos jornais e na televisão há uma semana, o melhor lugar para achar é no Palácio dos Buritis ou na Câmara do Distrito Federal.

Outros querem investigar se as famílias assentadas têm aptidão para trabalhar na terra e se abandonaram o lote. Poderiam investigar também se as famílias expulsas do campo pelo agronegócio têm “aptidão” para morar nas periferias das grandes cidades e enfrentar o caos urbano.

Um deputado quer saber mesmo da “interferência externa” nos movimentos sociais do campo. Não é necessário mesmo investigar a “interferência externa” no território brasileiro das grandes empresas da agricultura, como Monsanto, Cargill, ADM, Dreyfus, Bunge e Syngenta. São todas estrangeiras.

Descobrimos também que ali estavam parlamentares responsáveis pela realização da Reforma Agrária no Paraná, no Mato Grosso e no Piauí. Estranho é que o índice Gini, que mede a concentração de terras, está na média de 0,8 nesses estados e não variaram substancialmente de 1985 pra cá.

O consenso geral dos parlamentares se encontra na necessidade de o país encontrar, de uma vez por todas, uma solução para a questão agrária.

É um perigo e não pode continuar um bando de sem-terra nas beiras de estradas. O governo não pode reproduzir um modelo de assentamento sem assistência técnica, crédito agrícola e infra-estrutura. As famílias assentadas têm de gerar renda.

Tudo bem. O país precisa de fato assentar as famílias acampadas e implementar um novo modelo de Reforma Agrária. A democratização massiva de latifúndios deve estar casada com um amplo programa de agroindústrias, gerando renda para os trabalhadores rurais.

No primeiro round, os discursos foram bem bonitos. No entanto, até agora não apareceu nenhum requerimento no sentido da resolução dos problemas apontados.

Só quebra de sigilo das entidades sociais que atuam em assentamentos.

Carlos Bandeira é jornalista
Enviada por MST, às 20:31 12/12/2009, de São Paulo, SP


Honduras: Impugnacion de elecciones espurias
Este dia por la tarde, siendo el ultimo dia para impugnacion de las espurias elecciones celebradas el 29 de noviembre por el regimen golpista, se presento una accion de nulidad contra dichas elecciones. El texto de la misma, es el siguiente:

SE PRESENTA ACCION DE NULIDAD TOTAL DE LAS ELECCIONES GENERALES O VOTACIONES REALIZADAS A NIVEL NACIONAL EL 29 DE NOVIEMBRE DE 2009, POR HABERSE REALIZADO EN EL MARCO DE UN GOLPE DE ESTADO CIVICO MILITAR QUE ROMPIÓ EL ORDEN CONSTITUCIONAL Y DEMOCRATICO DE LA REPUBLICA. SE ACOMPAÑA MEDIO PROBATORIO Y SE SEÑALA EL LUGAR DONDE OBRAN OTROS MEDIOS DE PRUEBA.

Tribunal Supremo Electoral.

Nosotros, FREDIN DE JESUS FUNEZ y MAURICIO TORRES MOLINERO, ambos mayores de edad, solteros, hondureños y de este domicilio, inscritos en el Colegio de Abogados de Honduras bajo el numero 3274 y 06206 respectivamente, con despacho profesional en el Edificio el Centro, primer piso cubículo 101, paseo Liquidámbar, Tegucigalpa, M.D.C. actuando en nuestra condición personal de Ciudadanos Hondureños y en causa propia, respetuosamente comparecemos ante Vos Honorable Tribunal,PRESENTANDO ACCION DE NULIDAD TOTAL DE LAS ELECCIONES GENERALES O VOTACIONES REALIZADAS A NIVEL NACIONAL EL 29 DE NOVIEMBRE DE 2009, POR HABERSE REALIZADO EN EL MARCO DE UN GOLPE DE ESTADO CIVICO MILITAR QUE ROMPIÓ EL ORDEN CONSTITUCIONAL Y DEMOCRATICO DE LA REPUBLICA. Basamos la presente acción en los hechos y fundamentos de derecho siguientes:

HECHOS

PRIMERO: Como es de vuestro conocimiento, en fecha veintiocho de junio de dos mil nueve se llevaría a cabo una encuesta de opinión por el Instituto Nacional de Estadísticas en base a la ley de participación ciudadana, pero sin ningún carácter vinculante su resultado, convocada por el Poder Ejecutivo, para conocer la opinión de los ciudadanos Hondureños en relación a instalar o no una cuarta urna en las elecciones generales programadas para el 29 de noviembre del año en curso y en caso de ser afirmativa la encuesta, el Poder Ejecutivo enviaría al Congreso Nacional, el respectivo anteproyecto de decreto para que éste votara la instalación o no de la misma. De ser favorable la decisión del congreso, en las elecciones del 29 de noviembre se instalaría una cuarta urna en la que el pueblo debería de votar si se instala o no una asamblea nacional constituyente.

SEGUNDO: también es de vuestro conocimiento y del mundo entero, que con el objeto de evitar la realización de la referida encuesta, ese día 28 de junio del corriente año, a eso de las cinco y diez de la mañana, aproximadamente unos cien (100) elementos de la Fuerzas Armadas de Honduras, sin ninguna orden ni mandato judicial, con daños al inmueble, allanaron violentamente el domicilio del Señor Presidente Constitucional de la República, José Manuel Zelaya Rosales, lo privaron de su libertad, sacándolo por la fuerza en ropa de dormir, lo trasladaron violentamente a la Base Militar de Palmerola, para luego expatriarlo vía aérea a San José de Costa Rica, concretándose en este episodio nefasto para el País, el Golpe De Estado Cívico Militar, que hoy todo el mundo conoce y que condena la mayoría del pueblo Hondureño y la Comunidad Internacional, así como la OEA Y LA ONU.

TERCERO: Sucede que posteriormente a la expatriación del Presidente Constitucional de la República, Señor MANUEL ZELAYA ROSALES, el Congreso Nacional Convocó a sesión de emergencia, la cual una vez instalada y horas más tarde, en flagrante abuso de autoridad, traición a la patria y otros delitos, Decretó, DESTITUIR DEL CARGO DE PRESIDENTE CONSTITUCIONAL DE LA REPUBLICA al Señor JOSE MANUEL ZELAYA ROSALES y posteriormente nombró como Presidente de la República al Señor ROBERTO MICHELETTI BAIN.

CUARTO: Es de vuestro conocimiento, que la Constitución de la República, NO ESTABLECE norma alguna que establezca UN PROCEDIMIENTO PARA DESTITUIR AL PRESIDENTE DE LA REPUBLICA, de igual forma NO OTORGA a ninguna Autoridad FACULTAD O ATRIBUCION para que pueda DESTITUIR al Presidente de la República, pues el artículo 2 de la misma, es categórica al establecer que: “La soberanía corresponde al pueblo del cual emanan todos los poderes del estado que se ejercen por representación. La suplantación de la soberanía popular y la usurpación de los poderes constituidos se tipifican como delitos de traición a la patria. La responsabilidad en estos casos es imprescriptible y podrá ser deducida de oficio o a petición de cualquier ciudadano.” De igual forma el artículo 4 de la misma Constitución establece que: “La forma de gobierno es republicana, democrática y representativa. Se ejerce por tres poderes: Legislativo, Ejecutivo y Judicial, complementarios e independientes y sin relaciones de subordinación. La alternabilidad en el ejercicio de la Presidencia de la República es obligatoria. La infracción de esta norma constituye delito de traición a la patria”. Esto indica sencillamente, que las autoridades deben sujetarse a la ley y que los hondureños tienen el derecho de elegir cada 4 años al Presidente de la república y demás cargos de elección popular. Disposición que es refrendada por el artículo 237 que manda: “El período presidencial será de cuatro años y empezará el veintisiete de enero siguiente a la fecha en que se realizo la elección.” Disposiciones que fueron violentadas, al interrumpirse el periodo de 4 años del Presidente de la República, producto del golpe de estado Cívico-militar de que fue objeto, para luego ser expatriado a la República de Costa Rica. El rompimiento del orden constitucional se da desde el momento del allanamiento violento, seguido de la expatriación por la fuerza del Presidente Manuel Zelaya a la República de Costa Rica, continuando con la suplantación de la soberanía popular que hace el Congreso Nacional, hasta concluir con la usurpación de la Presidencia de la República por parte del Señor Roberto Micheletti, ya que el artículo 205 Constitucional, otorga 45 atribuciones al Congreso Nacional, pero ninguna de ellas, ni otra disposición legal, faculta AL CONGRESO NACIONAL PARA DESTITUIR AL PRESIDENTE DE LA REPUBLICA.

QUINTO: sucede que el Golpe de estado ha sido condenado al igual que el pueblo hondureño, por la comunidad Internacional, quien también sin vacilación alguna así lo ha calificado y por ello ningún país del mundo ha reconocido como legitimo al Gobierno Usurpador encabezado por el Señor Roberto Micheletti; por el contrario nuestro País fue sancionado con la suspensión, como miembro de la OEA, y a la vez diversos organismos financieros de carácter internacional han suspendido todo tipo de desembolsos al Gobierno de Facto: asimismo en aras de revertir el Golpe de Estado y superar la crisis política, la Comunidad Internacional realizó diversas gestiones a fin de que se restituyera en su cargo al Presidente Manuel Zelaya a través de la propuesta del Presidente de Costa Rica, Señor Oscar Arias, denominada “ACUERDO DE SAN JOSE”

SEXTO: Producto de las gestiones de la Comunidad Internacional y principalmente bajo el beneplácito de la OEA, Misiones de Cancilleres del Hemisferio, Gobierno de Costa Rica y Gobierno de Los Estados Unidos Americanos, en fecha 30 de octubre de 2009, las comisiones representantes del Gobierno de Facto y representantes del Presidente legitimo Manuel Zelaya, firmaron un acuerdo político denominado “DIALOGO GUAYMURAS-ACUERDO TEGUCIGALPA/SAN JOSE”, en cuyo preámbulo se establece que es “ para buscar una salida política y negociada a la crisis en que nuestro País ha estado sumido en los últimos meses” más adelante en el segundo párrafo del preámbulo se sigue reconociendo la crisis política del País, al establecer “ hemos redactado un Acuerdo Político que habrá de permitir restablecer la convivencia ciudadana y asegurar un clima apropiado para la gobernabilidad democrática en nuestra patria” luego dicho acuerdo en el punto 5, a pesar que deja a criterio del Congreso Nacional resolver lo procedente, respecto a retrotraer la titularidad del Poder Ejecutivo a su estado previo al 28 de junio de 2009, también expresa con meridiana claridad en su párrafo segundo, que “La decisión que adopte el Congreso Nacional deberá sentar las bases para alcanzar la paz social, la tranquilidad política y gobernabilidad democrática que la sociedad demanda y el país necesita” (lo subrayado es nuestro).

Como es de vuestro conocimiento el Congreso Nacional con su actitud, asumida luego de recibir el acuerdo, le restó importancia al mismo al emplear dilatorias injustificadas y en fecha 02 de diciembre en vez de adoptar una decisión para alcanzar la paz social, la tranquilidad política y gobernabilidad democrática que la sociedad demanda y el país necesita, RESOLVIÓ ratificar los decretos mediante los cuales se destituyó al Presidente Constitucional Manuel Zelaya y el otro decreto mediante el cual se nombró al Señor Roberto Micheletti como Presidente.

SEPTIMO: Por lo anterior queda claro, que si bien es cierto las elecciones fueron convocadas en el marco del gobierno legitimo del Presidente Manuel Zelaya, también la legalidad de dicha convocatoria se rompe con el GOLPE DE ESTADO CIVICO-MILITAR, por lo tanto las votaciones del 29 de noviembre del corriente año se realizaron en el marco del GOLPE DE ESTADO CIVICO-MILITAR y solo pudieron revestirse de legitimidad y legalidad, si se hubiera revertido el Golpe de Estado restituyendo a su cargo al Presidente Manuel Zelaya, por lo menos un día antes de las elecciones, lo cual no ocurrió, a pesar de los múltiples recursos de amparo presentados por diversas personas ante la Corte Suprema de Justicia en aras de restablecer el Imperio de la Constitución, ejercitando el derecho que el artículo 375 constitucional otorga. En consecuencia, las elecciones adolecen de vicios de nulidad y por lo expuesto, las mismas se llevaron a cabo sin convocatoria legal, lo cual según el artículo 202 inciso 1) es una causa de nulidad de las elecciones, por consiguiente las autoridades surgidas de dichas votaciones también serán de facto, porque jamás unas elecciones realizadas en el marco de un GOLPE DE ESTADO producirán autoridades legitimas. En consecuencia, al no haberse revertido el golpe de estado, de acuerdo a la doctrina constitucional, el único camino que queda para volver al orden constitucional y democrático y resolver la crisis, es a través de la instalación de una asamblea nacional constituyente participativa, democrática e incluyente, que redacte una nueva carta magna,

PRUEBAS

Sin perjuicio de las investigaciones que el Tribunal Supremo Electoral pueda realizar, se presenta como prueba fotocopia del acuerdo político denominado “DIALOGO GUAYMURAS-ACUERDO TEGUCIGALPA/SAN JOSE”, el cual pido sea cotejado por el Secretario de ese Tribunal con su original que obra en la Secretaría del Congreso Nacional, a la vez señalo el Congreso Nacional y la Empresa Nacional de Artes Graficas (ENAG), como el lugar donde constan como pruebas, los decretos emitidos y publicados, mediante los cuales se destituyó de su cargo al Presidente Manuel Zelaya y se nombró como presidente de la República al Señor Roberto Micheletti Bain y se agreguen al expediente cada uno de los citados documentos.

FUNDAMENTOS DE DERECHO

Se fundamenta la presente denuncia en los artículos 1, 2, 3, 4, 236, 237, 321, 323, 375 y demás aplicables de la Constitución de la República; artículos 2 incisos 1), 3), 5), 8), 10), 11); 200, 202 inciso 1), 203,204,205 y demás aplicables de la ley Electoral y de las Organizaciones Políticas

PETICION

Al Honorable Tribunal Supremo Electoral, respetuosamente pedimos: admitir el presente escrito, tener por presentada en tiempo y forma la presente acción y resolver con los argumentos de hecho y de derecho expresados, la nulidad total y absoluta de las elecciones realizadas a nivel nacional el día 29 de noviembre de 2009.

Tegucigalpa, M.D.C. 11 de Diciembre de 2009
Enviada por Pedro Jimenez, às 20:22 12/12/2009, de Barcelona, Espanha


Lula é escolhido personagem do ano pelo "El País"
Alguém, que mora em Higienópolis, vai roer o cotovelo de raiva e inveja

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escolhido personagem do ano pelo jornal espanhol "El País" e qualificado pelo líder do Governo da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, como "um homem cabal e tenaz", em um artigo publicado na quinta-feira no site do diário.

O perfil de Lula fará parte de um suplemento especial elegendo "Os 100 do Ano" entre homens e mulheres ibero-americanos que marcaram 2009. O artigo será publicado pelo "El País" no domingo, mas foi antecipado por sua versão digital.

O artigo de Zapatero aponta que "Lula tem o imenso mérito de ter unido a sociedade brasileira em torno de uma reforma tanto ambiciosa quanto tranquila. Está sabendo, sobretudo, enfrentar, com determinação e eficácia, os desafios da desigualdade, da pobreza e da violência, que tanto lastreou a história recente do país".

Além disso o governo Lula tem praticado uma política exterior bastante agressiva e contestadora da ordem geopolítica estabelecida até 2003. Lula tem não medo de criticar os ricos e os brancos de olhos azuis, quando assim é preciso. Não tem medo de dizer que o Brasil tem interesses próprios e que está disposto a defendê-los. E mesmo assim é reconhecido como personalidade do ano por um periódico europeu.

E aí fica algunas perguntas:
- De que adianta ser submisso e lambe-botas dos mandantes do Norte?
- De que adiantou todo entreguismo e submissão aos interesses do capital transnacional, tão praticados pela gerentada demo-tucana?

Resta uma grande certeza:
Só é respeitado quem se respeita a si mesmo.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 12:35 11/12/2009, de Curitiba, PR


Mistério no Rio Grande: Gerdau doa dinheiro grosso ao Judiciário guasca
No dia 06 de dezembro de 2009, a Zero Hora publicou uma nota na página 3 sobre a Gerdau: ?Discretamente, como sempre faz, o empresário Jorge Gerdau Johannpeter doou cerca de R$ 1 milhão para que o Tribunal de Justiça do Estado implementasse novos processos de qualidade. Os resultados são animadores.?

No blog http://www.diariogauche.blogspot.com/, o redator Cristóvão Feil expressa alguns questionamentos sobre o fato noticiado em ZH. Veja:

Oito perguntas que não querem calar

Hipoteticamente, alguém tem cerca de 40% do patrimônio em disputa no Poder Judiciário. São demandas as mais variadas, tanto naquelas em que o sujeito é réu, como naquelas em que é autor. Em ambas as situações, o seu patrimônio está em jogo, tanto pode perder quanto pode ganhar patrimônio. Então, é acometido de um ataque agudo de prodigalidade e passa a doar quantias expressivas ao Judiciário. Revelar a sua verdadeira intenção seria transformar a generosidade em ato mesquinho com objetivos repugnantes. Logo, o nosso hipotético benemérito passa a ser cantado em prosa e verso como abnegado mecenas do Direito e das ciências jurídicas.

Deixando as conjecturas de lado, vamos indagar sobre algumas questões:

1) Como o Judiciário irá contabilizar esse um milhão de reais doados espontâneamente pelo empresário Jorge Gerdau Johannpeter ao Poder Judiciário do Rio Grande do Sul?

2) O Poder Judiciário passa recibo e presta contas da aplicação desses recursos ao doador?

3) O referido empresário já fez outras doações em dinheiro vivo ao Poder Judiciário/RS?

4) Outros empresários do estado já efetuaram doações em dinheiro ao Judiciário estadual?

5) Quantos processos tramitam no Judiciário onde o referido empresário é nominado como parte? Que montante de recursos ou bens estão envolvidos nesses processos?

6) Por que o Poder Judiciário/RS não dá publicidade às doações que recebe de pessoas físicas e pessoas jurídicas?

7) Baseado em que legislação o Poder Judiciário aceita/contabiliza recursos monetários originados de doação espontânea de pessoas físicas e/ou jurídicas?

8) A doação - conforme informado pelo jornal Zero Hora, edição de ontem (ver fac-símile acima) - exige alguma contraprestação do Poder Judiciário ao doador? A que "resultados animadores" se refere a nota do jornal?

Por: http://www.diariogauche.blogspot.com/

Publicado no site da CUT/RS
Enviada por Hugo Chimenez, às 12:17 11/12/2009, de São borja, RS


FSM 10 anos Grande Porto Alegre
Em 2010 o Fórum Social Mundial completa 10 anos

Para comemorar a data e debater o futuro do mundo sob uma ótica humanista e social, a primeira grande atividade a ser realizada em 2010 será o Fórum Social 10 Anos Grande Porto Alegre, onde acontecerão atividades autogestionadas, um grande seminário internacional e o acampamento da juventude.

Já estão confirmadas as mesas e alguns nomes de palestrantes do Seminário Internacional “10 Anos depois: desafios e propostas para um outro mundo possível”, que acontecerá dentro da programação do Fórum Social 10 Anos Grande Porto Alegre, de 25 a 29 de janeiro. Entre os nomes já confirmados/as estão Boaventura de Souza Santos (Portugal), David Harvey (EUA), Francisco Whitaker (Brasil), João Pedro Stédile (Brasil), Diana Senghor (Senegal), Immanuel Wallerstein (EUA), Samir Amin (Egito), Christophe Aguitton (França) e Virgínia Vargas (Peru).

As atividades do seminário internacional acontecerão sempre pela manhã, na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre. Confira abaixo a programação das mesas de debate:

Dia 25/01, quinta-feira:
“Fórum Social Mundial – Balanço de 10 anos”

Dia 26/01, sexta-feira:
“Conjuntura mundial hoje”

Dia 27/01, sábado:
“Elementos de uma nova agenda I”

Dia 28/01, domingo:
“Elementos de uma nova agenda II”

Dia 29/01, segunda:
“Sistematização das grandes questões e contribuição para o processo Fórum Social Mundial”

Além do seminário, a programação do Fórum Social 10 Anos Grande Porto Alegre inclui ainda as atividades autogestionadas, que acontecerão sempre à tarde, e a décima edição do Acampamento Internacional da Juventude, que desta vez acontecerá em Novo Hamburgo e cujas inscrições acontecem de 1º a 31/12, através do site http://www.acampamentofsm.org.br

As inscrições das atividades auto-gestionadas serão feitas diretamente com o comitê organizador de cada um dos municípios participantes (Porto Alegre, Canoas, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Campo Bom e Sapiranga) no período de 15 de dezembro de 2009 a 15 de janeiro de 2010".

Outros eventos ocorrerão na região no mesmo período. De 22 a 29 de janeiro, será realizado, em Santa Maria e em Canoas, o I Fórum Social e a I Feira Mundial de Economia Solidária e, de 26 a 28, em São Leopoldo, o Fórum Mundial de Teologia e Libertação.

O Fórum Social 10 Anos Grande Porto Alegre faz parte do processo do Fórum Social Mundial 2010, que acontecerá de forma descentralizada, com eventos e atividades ao longo de todo ano em várias partes do mundo.

Serviço:

Fórum Social 10 Anos Grande Porto Alegre
Quando: 25 a 29 de janeiro
Onde: Porto Alegre, Canoas, Sapucaia do Sul, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Campo Bom e Sapiranga – RS – Brasil
Contato: fsm2010@yahoo.com.br

Acampamento Internacional da Juventude
Quando: 18 a 28 de janeiro
Onde: Novo Hamburgo – RS – Brasil
Contato: gtmobilizaçãofsm2010@acampamentofsm.org Site: http://www.acampamentofsm.org.br

I Fórum Social e I Feira Mundial de Economia Solidária
Quando e onde: 22 a 24 de janeiro, em Santa Maria; e 25 a 29 de janeiro, em Canoas – RS – Brasil
Site: http://www.fsmecosol.org.br
Contato: ecosol@fsmecosol.org.br

Fórum Mundial de Teologia e Libertação
Quando: 26 a 28 de janeiro
Onde: São Leopoldo - RS
Contato: permanentsecretariat@wftl.org

Com informações de http://www.fsm10.org/ e http://www.forumsocialmundial.org.br
Enviada por Sérgio Bertoni, às 22:41 09/12/2009, de Curitiba, PR


Em 2009, um terço dos netbooks vendidos são com Linux
Durante esse meio tempo em que os netbooks se tornaram um sucesso, vimos várias notícias sobre a ascensão do Linux neste mercado. E, para não deixar ninguém na dúvida, tanto a ABI Research quanto a Dell confirmaram: cerca de um terço desses computadores atualmente estão sendo vendidos com Linux pré-instalado. Claro, isso totalizando o mundo todo.

Segundo a ABI Research, do total de 35 milhões de netbooks que serão vendidos neste ano, no mundo todo, 11 milhões serão vendidos com alguma distribuição Linux pré-instalada. Vale lembrar que nesta pesquisa não há a inclusão dos sistemas que são vendidos com o Windows pré-instalado e removido após a compra, para posterior instalação do Linux, e vice-versa, e sim os sistemas que saem de fábrica com determinado sistema.

Este resultado da ABI é similar ao dado pelo Todd Finch, da Dell, em agosto deste ano, onde afirmou que cerca de um terço dos netbooks vendidos são com o Linux pré-instalado. Não obstante, Todd afirmou que tais netbooks possuem a mesma taxa de retorno que os vendidos com Windows. Isso não corrobora com a estatística da Microsoft, que afirma que 93% dos netbooks são vendidos com Windows.

A ABI ainda afirma que a chegada dos netbooks com processador ARM vão empurrar as vendas dos netbooks com Linux, chegando a ultrapassar o Windows por volta de 2013. De acordo com Jeffrey Orr, da empresa, neste ano os ARM só colaboraram para 4% da fatia, e 2010 será o ano de sucesso desta arquitetura:

"Este ano, os netbooks baseados na arquitetura ARM só vão representar em torno de quatro porcento do total de unidades. Estimamos que o Intel Atom estará presente em 90% dos netbooks vendidos neste ano, e os outros seis porcento serão baseados em outros processadores x86, como os da VIA”, afirma Orr. “Apesar disso, muitos netbooks serão vendidos no ano que vem com processadores baseados no ARM Cortex-A8, e dentre eles estamos contando o nVidia Tegra e o Qualcomm Snapdragon, que são basicamente arquiteturas Cortex-A8."

Fontes:

http://www.osnews.com/story/22587/One_Third_of_Netbooks_Ship_with_Linux

http://www.desktoplinux.com/news/NS5114054156.html

Pesquisa:

A HREF="http://www.abiresearch.com/research/1003389">http://www.abiresearch.com/research/1003389

Comente: http://www.guiadohardware.net/comunidade/terco-netbooks/1029517/

Postado em Guida do Hardware.net
Enviada por Sergio Bertoni, às 22:22 09/12/2009, de Curitiba, PR


Honduras subjugada por eleições ilegítimas
Por Adolfo Pérez Esquivel, em Correio da Cidadania

A comunidade internacional, os governos e povos latino-americanos não podem avalizar as eleições imorais e ilegítimas realizadas em Honduras.

O governo dos EUA é cúmplice e gestor do golpe de Estado neste país; um golpe perpetrado para subjugar o povo e impor políticas de dominação e saque na região. O manifesto apoio do governo Obama ao chamado da ditadura às eleições é tentativa de justificar o injustificável, ocultar e desconhecer a soberania de todo um povo e do presidente Manuel Zelaya, que se encontra praticamente encarcerado na embaixada do Brasil há dois meses, suportando a permanente agressão dos golpistas. Deteriora profundamente as democracias de todo o continente e a possibilidade de que os EUA possam construir relações de respeito com seus vizinhos, ratificando mais precisamente que aqueles países que não responderem aos interesses americanos podem sofrer situações semelhantes.

Não posso deixar de destacar a lamentável submissão por parte do presidente da Costa Rica, Oscar Arias, aos desígnios do Departamento de Estado. Apoiar os golpistas no chamado a eleições ilegítimas e guardar silêncio sobre as violações dos direitos humanos que sofre o povo hondurenho nunca pode ser o caminho de construção da Paz.

Em Honduras foram detidos ontem (29/11) nosso companheiro Gustavo Cabrera, coordenador geral do Serviço Paz e Justiça na América Latina, e o pastor menonita Cesar Cárcamo, integrantes de uma missão de observação internacional das igrejas. Ainda que já tenham sido liberados, este fato demonstra que a ditadura hondurenha busca impedir o mundo de saber a verdade do que ocorre no país, ocultando as graves violações aos direitos humanos e em especial as condições repressivas nas quais se levaram adiante os comícios.

Com essa farsa eleitoral se pretende esconder os verdadeiros motivos do golpe em Honduras, que são os de manter o povo na miséria e opressão, a fim de que alguns poucos possam continuar enriquecendo, e à custa da própria natureza. Busca contra-atacar o aumento do salário mínimo e garantir maiores lucros às maquilas (como são chamadas as fábricas e indústrias, especialmente nos setores têxtil e eletrônico); reabrir o país às concessões minerais e florestais; expandir as privatizações e os benefícios do livre comércio às multinacionais dos EUA e Europa; evitar acordos solidários com países latino-americanos; reverter a entrada de Honduras na ALBA; aprofundar e amarrar o país de acordo com seus interesses, econômicos, políticos e militares.

Volto a assinalar que o golpe de Estado em Honduras é um golpe contra todos os povos de toda a região. Impor eleições sem primeiro restituir a ordem constitucional e o legítimo governo do presidente Manuel Zelaya não pode ser algo feito sem a concordância e cumplicidade do Departamento de Estado, do Pentágono e da CIA. Junto à imposição dos grandes projetos de infra-estrutura para o saque (como o Plano Puebla-Panama na Meso-América e o IIRSA aqui no sul), a remilitarização do continente com as sete novas bases militares na Colômbia, outras mais sendo propostas no Panamá e Peru, a presença dos EUA na tríplice fronteira Paraguai, Brasil e Argentina, e a IV Frota nos mares do sul, entre outras políticas, colocam em evidência que os mecanismos de dominação estão em funcionamento. Não acabaram com as ditaduras militares impostas no continente através da Doutrina de Segurança Nacional, com um alto custo de vidas humanas e seus milhares de mortos, torturados, encarcerados e desaparecidos, além da destruição da capacidade produtiva dos povos; tampouco acabaram com a sangria neoliberal provocada pelo endividamento ilegítimo, os conseqüentes ajustes estruturais, as privatizações e a desregulação.

Os grandes meios de comunicação, verdadeiros monopólios a serviço dos interesses de dominação impostos, desatam campanhas nacionais e internacionais contra governos que possuem pensamento próprio e buscam a independência e soberania de seus povos. Se seu bombardeio cultural e os golpes de mercado não bastam, sobrevêm a agressão e as tentativas de golpe de Estado pela CIA e o Departamento de Estado, como ocorrido na Venezuela, Bolívia e na agressão da Colômbia contra o Equador.

Está claro, mesmo assim, que o caminho escolhido pelos golpistas não pode prosperar. O povo de Honduras está em pé para defender sua liberdade e seus direitos; depois de 154 dias de resistência não violenta nas ruas e comarcas de todo o país, no domingo, 29/11, se resguardou majoritariamente em suas casas, dando uma digna e inequívoca resposta à fraudulenta convocatória eleitoral. São muitos os governos do continente, e do mundo inteiro, que se negam a aceitar o governo golpista e que ratificaram seu desconhecimento a respeito desses comícios.

Reclamamos aos demais governos da região, aos organismos internacionais como a OEA, ONU, o Parlamento Europeu e a União Européia, desconhecerem também esta tentativa de maquiagem do golpe de Estado. Há de se insistir no restabelecimento da ordem constitucional, a restituição do presidente Zelaya e a suspensão de qualquer forma de apoio, seja financeiro, comercial, militar, enquanto isso não ocorre.

Conclamamos os organismos de direitos humanos, sociais, culturais e religiosos a assumir solidariamente a defesa da soberania e o Estado de direito do povo hondurenho, rejeitando qualquer cumplicidade que pretende desgraçar o exercício democrático.

A Paz é fruto da justiça; não há outro caminho possível. Por isso também é necessário escutar a voz do povo hondurenho, que segue chamando pela realização de uma Assembléia Constituinte Nacional para refundar o país sobre bases de igualdade e inclusão. Só assim será possível governar.

Adolfo Pérez Esquivel é Prêmio Nobel da Paz de 1980, além de arquiteto, escultor e ativista dos direitos humanos.

Traduzido por Gabriel Brito.
Enviada por Almir Américo, às 23:39 06/12/2009, de São Paulo, SP


Software Livre: TIE-Brasil adota novo sistema operacional
Desde que o desenvolvedor do Kurumin Linux decidiu não mais dar continuidade à mais popular distribuição Linux nacional, vinhamos buscando alternativas Linux para atualizar o Sistema Operacional usado por TIE-Brasil.

Testamos várias distribuições Linux, tais como Kubuntu (8.10, 9.04 e 9.10), Big Linux (4.2 e 5 alpha 2 e 3), Mandriva One 2010, Debian Lenny (5.0) e o Matamorphose 1.5+.

Depois de meses de testes em distintos hardwares decidimos adotar o Metamorphose 1.5+ que é baseada no Kurumin 7.0 e no Debian 5.0, ou seja, é uma espécie de continuidade do Kurumin (com todas as suas facilidades de instalação, atualização e manutenção) com a reconhecida estabilidade e segurança do Debian.

Nós até chamamos o Meta 1.5+ de Kurumin 10.0, tamanha a semelhança e quantidade de scripts do Kuruma presentes nesta nova distribuição Linux nacional.

Para quem não sabe, o Kurumin foi responsável pela introdução de milhares de brasileiros no mundo do Software Livre. Segundo o site Superdownloads o Kurumin 7.0 registra mais de 950.000 downloads, ou seja, quatro vezes mais que a segunda distro mais popular.

Se você quiser conhecer as distintas distribuições Linux aqui citadas basta acessar um destes sítios e baixar uma cópia gratuitamente:

Superdownloads

Metamorphose Linux 1.5+

Kurumin 7.0

Debian GNU/Linux

Big Linux 4.2

Kubuntu 9.10 e anteriores

Mandriva One 2010

Diferentemente do Software propietário (aquele que você paga por ele mas não se torna dono do mesmo e que só vem com o Sistema Operacional), as distintas distribuições Linux trazem gratuitamente o Sistema Operacional, suítes de Escritório, Navegadores de Internet, Leitores de E-mail, Comunicadores Instantâneos, Gravadores e copiadores de CD e DVD, Sistema Multimídia, Gravadores e Editores de Voz, Editores de Fotos e Imagens, Firewall, Ferramentas de Segurança e dezenas de softwares interamente livres e gratuitos.

Combata a pirataria. Use Software Livre.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 17:00 04/12/2009, de Curitiba, PR


Trabalhadores e Sindicatos fazem manifestação no DF em favor da saída de Arruda
Funcionários da Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), o Sindicato dos Servidores e Empregados da Administração Direta, Fundacional, das Autarquias, Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista do Distrito Federal (Sindser) e representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) fizeram no início da manhã uma manifestação em frente à companhia a favor da saída do governador do DF, José Roberto Arruda, filiado ao DEM, ex-PFL, ex-Arena.

É a Classe Trabalhadora em defesa do Estado Brasileiro e na luta contra corrupção na capital federal. Os trabalhadores querem deixar bem claro que não participam dos esquemas dos figurões da aliança demo-tucana que domina o governo do DF, que o PiG tenta esconder ou imputar a culpa aos servidores e ao Estado como um todo.

Se há políticos corruptos é porque há pelo menos um corruptor no setor privado que os compra. Não se compra o que não está à venda, mas também não se vende se não houver mercado para tanto.

A corrupção é intrínseca ao capitalismo, está em seu DNA e é própria de todo regime onde a ordem é levar vantagem em tudo e de preferência individualmente.

Desconsiderar isso é falso-moralismo da pior qualidade, coisa de carolas.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 14:31 04/12/2009, de Curitiba, PR


Concentração de Capital: Pão Açucar e Casas Bahia anunciam fusão nesta sexta
O Grupo Pão de Açúcar e a Casas Bahia anunciam fusão de operações nesta sexta-feira.

É um dos maiores negócios financeiros do ano no país e aponta mudanças no setor varejista.

Os grupos convocaram coletiva de imprensa para as 11h, a fim de detalhar o negócio.

Um forte mudança no mercado de trabalho do setor varejista é previsível.

Com a fusão e a tal sinergia das operações, seguramente a nova empresa eliminará milhares de postos de trabalho no Brasil, só para evitar sobreposição de funções. Ou seja, a mesma ladainha de sempre.

Os trabalhadores no comércio, sempre mal representados e mal organizados, vão pagar a conta desta fusão.

Já aos clientes caberá o financiamento da operação de fusão do "Mais barato, mais barato" com "Dedicação total a você"...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:10 04/12/2009, de Curitiba, PR


Honduras: A situação é inaceitável, reconhece funcionário norte-americano
Mesmo sendo um dos principais atores na trapalhada golpista hondurenha, os EUA se dizem decepcionados com Honduras e se complicam cada vez mais em sua política de dubiedade imperialista

O governo Obama, que enfrenta um crise de popularidade interna, tenta agradar a direita em lugar de agradar o povo norte-americano e vai se enrolando cada vez mais.

O caso de Honduras é exemplar

Milicos norte-americanos deram cobertura ao golpe hondurenho, tanto que o avião que levou Zelaya ao exílio no dia 28 de junho pousou na base norte-americana no norte de Honduras para pedir instruções sobre o que fazer com o presidente deposto. Depois Obama condenou o golpe, seguindo a maioria dos governos latino-americanos, mas Hilary Clinton e sua diplomacia costuraram o acordo para legitimar Micheletti e os golpistas.

Agora eles reconhecem o governo eleito sob ditadura ao mesmo tempo em que dizem que o pleito "não é suficiente" para solucionar a crise política no país.

A política externa de Obama é um fracasso e dá margem para que políticos nanicos e insignificantes como os golpistas hondurenhos deitem e rolem, desrespeitando a Democracia, a Constituição e, principalmente, a Vontade Popular que há 5 meses resiste ao Golpe de Estado.

De nada ainda os gringos dizerem que estão decepcionados com o resultado da votação no congresso hondurenho que rejeitou a volta de Zelaya. Foi a diplomacia gringa que criou esta situação. Os nanicos hondurenhos só fizeram uso da brecha criada pelo medo de Obama(*).

O secretário-assistente dos Estados Unidos para a América Latina, Arturo Valenzuela, reconhece, contudo que "A situação segue sendo inaceitável" e que "Resta muito trabalho a ser feito para restabelecer a ordem democrática e constitucional em Honduras e promover a reconciliação nacional".

Não haverá reconciliação nacional enquanto o golpe perdurar.

Saia de cima do muro, Obama. Seja realmente um Democrata ou tenha culhão e diga para seu povo e para o mundo que você é uma fraude eleitoral, pois na verdade não passa de um neocon disfarçado de progressista.

(*) Não! Obama não tem medo dos hondurenhos, mas sim dos milicos e da poderosa indústria bélica norte-americanos que parecem ser os verdadeiros governantes daquele país.

Como poderia Obama ser verdadeiramente contra um golpe militar se os Estados Unidos vive permanentemente dominado pelo interesses dos militares e belicistas?

Enviada por Sérgio Bertoni, às 09:24 04/12/2009, de Curitiba, PR


Sabesp: demissão na época do Natal só pode ser coisa de demo-tucano
Segundo o site Conversa Afiada, a Sabesp - Saneamento Básico do Estado de São Paulo - aquela empresa paulista de águas e esgoto que vive a gastar milhões em propaganda pelo país a fora para promover um determinado candidato a presidente, demitiu 1000 trabalhadores às vesperas do Natal.

Acesse aqui a íntegra do artigo e confira a "trapalhada" resultante da "modernidade" demo-tucana e seus aliados metidos em diversas esferas do estado brasileiro.

E ainda acusam o PT e Lula de aparelhar o estado...

Sem dúvida, a melhor defesa é o ataque!!!

Fica aqui a nossa solidariedade aos companheiros e companheiras que tiveram seu final de ano jogado no esgoto da Sabesp.

Que isso sirva para afundar a mediocridade demo-tucana e a crença dos paulistas no neo-udenismo.

Enquanto o Brasil decola, São Paulo afunda!
Enviada por Sérgio Bertoni, às 08:29 04/12/2009, de Curitiba, PR


A "modernidade" demo-tucana é condenada pela justiça no Paraná
Os 110 radares que controlam a velocidade em algumas das principais ruas de Curitiba foram desligados hoje

Sempre posando de modernos e eficientes gestores, os demo-tucanos seguem a prática da mais tradicional e atrasada política do patrimonialismo, clientelismo e favorecimentos em detrimento da lei e do bem público.

O contrato que permitia a exploração do serviço de fiscalização de velocidade por um empresa privada perdeu a validade há cinco anos e vinha sendo prorrogado por meio de aditivos. Em março deste ano, venceu o prazo máximo permitido pela legislação para essas prorrogações, mas a Urbs - Urbanização de Curitiba - assinou novo contrato com validade para mais um ano, o que não foi aceito pelo Ministério Público, que entrou com ação civil pública.

A determinação para o desligamento dos radares foi dada pela desembargadora Regina Afonso Portes, da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná, atendendo pedido da Promotoria de Justiça de Proteção do Patrimônio Público.

Esta é mais uma prova da modernidade demo-tucana...

Ah! não podemos esquecer que alguns dos ex-gerentes, perdão, politicos curitibanos da coligação demo-tucana estão trabalhando em Brasília na gestão de José Roberto Arruda. Um exemplo? O último prefeito de Curitiba, Cássio Taniguchi, é Secretário do desenvolvimento urbano, meio ambiente e habitação do governo do Distrito Federal. O atual prefeito de Curitiba era vice de Cássio até 2004...
Enviada por Sérgio Bertoni, às 21:03 03/12/2009, de Curitiba, PR


Brasil não reconhecerá governo de Honduras eleito sob ditadura
Quem pensa que o caso do golpe de estado em Honduras está encerrado devido às fajutas eleições ocorridas no domingo está completamente enganado

Mais uma vez o PiG e a direita tentam legitimar o golpe de estado em Honduras, relativizar a democracia e minimizar o papel dos governos progressistas sul-americanos na solução do problema.

Mais uma vez ele buscam a figura dos "especialistas" (estes seres "super-poderosos", sabichões, que servem para justificar qualquer besteira ideológica que a direita defenda) para demonstrar o "isolamento" do Brasil.

Porém, o presidente Lula, que não precisa do PiG para conversar e ser entendido pelo povo, disse que "está fora de questão reconhecer o governo de Porfírio Lobo".

"Não, não, não, não. Peremptoriamente não", afirmou e reafirmou Lula para que até os surdos pudessem escutar.

"Este cidadão (Lobo) tem o direito de fazer as gestões que achar que deve fazer. Se acontecer alguma coisa, vamos discutir a coisa nova. Por enquanto, a posição brasileira é de não aceitação do processo eleitoral em Honduras."

Zelaya, o presidente deposto pelos golpistas em junho passado, está desde setembro na embaixada brasileira em Tegucigalpa, e Lula disse, no domingo, que o Brasil não vai expulsá-lo.

Resistência popular

O grupo popular de Resistência ao Golpe, organizado depois da deposição de Zelaya, questiona os números oficiais de participação apresentado pelas autoridades eleitorais de Honduras.

"De 65% a 67% [dos eleitores] não foram votar, atendendo ao chamado da Resistência", disse Rafael Alegria, um dos líderes do movimento.

"A resistência não reconhece nenhuma autoridade fruto deste golpe de estado, nem presidente, nem prefeitos, nem ninguém", afirmou Alegria.

"O objetivo agora é organizar a resistência, de modo político e social, e exigir uma constituinte para elaborar uma nova Constituição que refunde o Estado de Honduras", completou.
Enviada por Sérgio Bertoni, às 10:15 01/12/2009, de Curitiba, PRE


>>
Próximos eventos

Clique aqui para ver mais notícias.